Últimas Notícias:

Juan, zagueiro do Flamengo, beijando o escudo - Foto: Gilvan de Souza
LANCE: O Flamengo não encontrou dificuldades para vencer a Chapecoense e avançar às quartas de final da Copa Sul-Americana. Na goleada por 4 a 0 desta quarta-feira na Ilha do Urubu, o zagueiro Juan teve outra atuação segura e comemorou a vaga.

- Demos mais um passo, fomos para as quartas, mas esse é caminho, esse é o espírito. Agora é trocar a ficha para o Brasileiro - falou o camisa 4 em entrevista à Fox Sports.

Desde que Reinaldo Rueda chegou, Juan tem tido grandes atuações e contra a Chapecoense deixou até sua marca. Durante a partida, torcida rubro-negra fez questão de gritar o nome do experiente zagueiro.

- O jogador, quando tem sequência de jogos e de treinamentos e não se machuca consegue botar todo potencial para fora. Estou feliz pelo que tenho jogado, não só eu, mas o time.

Berrio em Flamengo x Chapecoense - Foto: Gilvan de Souza
NÚMEROS DA BOLA:

NÚMEROS GERAIS DE FLAMENGO 4X0 CHAPECOENSE
– Dados Footstats

Posse de bola do Flamengo: 57%
Posse de bola da Chapecoense: 43%
Finalizações certas do Flamengo: 8
Finalizações certas da Chapecoense: 4
Finalizações erradas do Flamengo: 6
Finalizações erradas da Chapecoense: 6
Cruzamentos certos do Flamengo: 7
Cruzamentos certos da Chapecoense: 1
Cruzamentos errados do Flamengo: 18
Cruzamentos errados da Chapecoense: 10
Passes certos do Flamengo: 451
Passes certos da Chapecoense: 300
Passes errados do Flamengo: 34
Passes errados da Chapecoense: 28
Desarmes certos do Flamengo: 13
Desarmes certos da Chapecoense: 13
Lançamentos certos do Flamengo: 16
Lançamentos certos da Chapecoense: 14
Lançamentos errados do Flamengo: 17
Lançamentos errados da Chapecoense: 22
Faltas cometidas pelo Flamengo: 13
Faltas cometidas pela Chapecoense: 19

Zagueiro Juan comemorando gol pelo Flamengo - Foto: Gilvan de Souza
NÚMEROS DA BOLA: Autor de um dos gols do Flamengo na goleada de 4 a 0 sobre a Chapecoense, nesta quarta-feira, que classificou o Rubro-Negro para as quartas de final da Sul-Americana, Juan ficou próximo de alcançar mais uma marca histórica com a camisa do time.

Com o tento contra a Chape, o defensor chegou aos 31 gols em 304 jogos disputados e ficou a apenas um de se tornar o maior zagueiro artilheiro da história do clube, empatando com Júnior Baiano, que entrou em campo 335 vezes pelo time da Gávea.

Cuéllar, jogador do Flamengo - Foto: Gilvan de Souza
LANCE: O Flamengo passou fácil pela Chapecoense nesta quarta-feira, na Ilha do Urubu, ao vencer por 4 a 0 e garantiu a vaga nas quartas de final da Copa Sul-Americana. Os destaques da vitória foram o colombiano Cuéllar, o zagueiro Juan e o peruano Guerrero. Confira as avaliações do LANCE!

FLAMENGO

6,5
Diego Alves
A Chapecoense chegou em algumas oportunidades com Penilla e só não marcou porque o goleiro estava atento. Boas defesas e intervenções.

6,0
Pará
O camisa 21 não teve muito trabalho na parte defensiva e no ataque foi mais tímido que o normal. Atuação segura, sem comprometer.

6,5
Réver
Bem nos cortes e ganhou praticamente todas as jogadas de Wellington Paulista, que não levou perigo ao gol de Diego Alves.

7,5
Juan
Em grande fase, camisa 4 é muito preciso nos cortes e nos desarmes. Para coroar o bom momento, deixou sua marca após rebote de Jandrei.

5,5
Trauco
Lateral ganhou nova chance de começar jogando, mas teve dificuldades com Penilla. Apesar disso, distribuiu bons passes ao longo do jogo.

8,0
Cuéllar
Muita entrega e marcação. Camisa 26 assumiu a condição de titular com Rueda e de quebra abriu o placar de perna esquerda na Ilha do Urubu.

6,5
Willian Arão
Volante voltou a ter boas atuações e mais uma vez marcou com a camisa do Flamengo. Camisa 5 tem se entendido bem com Cuéllar.

6,5
Diego
Com a camisa 10, o meia ditou o ritmo do meio-campo e fez bem a ligação entre a defesa e o ataque. Mostrou entrosamento com Everton Ribeiro.

6,0
Berrío
Muita entrega. Pela direita, deu trabalho para Diego Renan e levou perigo para a Chape quando partia na arrancada.

7,5
Everton Ribeiro
Pela esquerda, se apresentou bem para o jogo e foi muito efetivo com belos passes para os companheiros durante os noventa minutos.

7,0
Guerrero
Só faltou o gol. Peruano participou de todos os lances perigosos do Flamengo na partida. Se movimentou muito e infernizou os adversários.

5,5
Gabriel
Entrou no lugar de Berrío, mas não foi muito acionado. Arriscou um chute de esquerda, mas acabou sendo bloqueado.

6,5
Lucas Paquetá
Entrou no fim substituindo Paolo Guerrero mas ainda sim teve tempo para deixar a sua marca após um bolão de Everton Ribeiro.

Vinicius Jr
Entrou no fim e não teve tempo para ser eficaz.

6,5
Reinaldo Rueda
Fez com que os seus comandados tivessem um bom rendimento e não passou sufoco em nenhum momento contra a Chapecoense.

CHAPECOENSE

5,0
Jandrei
Tentou salvar a Chape, mas não evitou os gols do Flamengo.

5,0
Apodi
Bem abaixo do esperado. Subidas foram anuladas por Cuéllar.

4,5
Douglas Grolli
Falhou muito e deu espaços para o ataque do Flamengo.

5,0
Fabrício Bruno
Não se entendeu com Grolli e também foi mal no jogo.

4,5
Diego Renan
Assim como todo sistema defensivo, esteve muito mal. Berrío encontrou facilidade para atacar.

5,5
Lucas Marques
Se movimentou bem e tentou algumas jogadas na frente.

5,0
Moisés Ribeiro
Muito pilhado. Discutiu bastante e jogou pouca bola.

4,0
Lucas Mineiro
Esteve escondido em campo, participação foi quase zero.

6,5
Penilla
Melhor da Chape. Arriscou jogadas individuais e incomodou a defesa.

5,5
Arthur Caike
Se entendeu com Penilla, mas não teve a mesma intensidade.

5,0
Wellington Paulista
Encontrou dificuldades para sair de Réver e Juan.

5,0
Luiz Antônio
Entrou, mas não agregou muito ao jogo da Chapecoense.

4,5
Julio Cesar
Entrou no lugar do melhor da equipe e ficou apagado.

Alan Ruschel
Entrou no fim.

4,5
Emerson Cris
Sua equipe não jogou bem e ainda mexeu mal.

Cuéllar comemorando gol pelo Flamengo - Foto: Gilvan de Souza
KLEBER LEITE: Esta tese é antiga. Certo dia, no Hotel Novo Mundo, acompanhando Radamés Lattari, pai do nosso Rada, que lá fora para tentar contratar Oswaldo Brandão para o Flamengo, ouvi do citado treinador a colocação que é o título do POST.

Brandão defendia a tese de que a escalação era o grande desafio do treinador. E Brandão tinha toda razão. Hoje, o locutor, lá pelas tantas, fez a seguinte observação: “esta é a melhor atuação do Flamengo com Rueda no comando”. E é verdade. Foi mesmo. Só faltou ser dito que, pela primeira vez, o treinador acertou a escalação, do goleiro ao ponta esquerda… Começando por atropelar a ideia absurda de que Diego e Éverton Ribeiro não podem jogar juntos.

A presença de Trauco na lateral esquerda afastou aquela loucura de se improvisar Pará, tendo dois especialistas para a função. Esta alteração fez com que o time deixasse de jogar torto. No mais, tudo certinho, escalação perfeita.

Os volantes, Cuellar e Arão, apareceram sempre no ataque, principalmente no início do jogo e, não foi por acaso que os dois primeiros gols foram marcados por eles. Estes foram os destaques do time. Cuellar, o melhor. E por falar em atuação, ninguém foi apenas razoável. Todos acima da média.

Achei o jogo nervoso e até violento. Por falar em nervosismo, acho que o nosso Diego precisa tomar um chazinho de maracujá antes do jogo começar. Anda muito irritadiço…

No fim do jogo, Wellington Paulista espinafrou o árbitro, atribuindo a ele a derrota da Chapecoense. Que cara de Pau… 4 a 0, foi pouco…

Agora, esperar pelo jogo de amanhã entre LDU e FLU.

Quem você prefere pegar?


LANCE: A Chapecoense foi ao Rio de Janeiro e foi goleada por 4 a 0 para o Flamengo, dando fim à sua participação na Copa Sul-Americana de 2017. Após a partida, com os ânimos ainda exaltados, Wellington Paulista não mediu palavras para criticar a atuação do árbitro peruano Michael Espinoza. No primeiro gol Rubro-Negro, Guerrero, em posição irregular, foi lançado por Trauco. No meio do caminho, Douglas Grolli raspou de cabeça, o que deu condição legal ao atacante, que rolou para Cuéllar abrir o placar.

- Colocam um juiz da Bolívia, sei lá de onde é, para complicar um jogo. Bandeira deu impedimento, e ele não marcou. Aí 1 a 0 para o Flamengo em casa, conosco no contra-ataque, claro que íamos vamos tomar. O Flamengo depois de 1 a 0 acabou controlando. Voltar para casa e pensar no Brasileiro. Tinha chance, juiz da Bolívia, sei lá de onde é, acabou com nosso sonho - disparou o camisa 9 da Chapecoense.

Agora, eliminada da competição continental, a Chape foca somente no Campeonato Brasileiro. Atualmente na 14ª posição, com 28 pontos, a equipe catarinense respirou na tabela após derrotar o Grêmio, fora de casa, na última rodada. Neste domingo, o adversário é a Ponte Preta, outra eliminada da Sul-Americana, na Arena Condá. Começa a luta contra o rebaixamento para o Verdão do Oeste.

Willian Arão, Éverton Ribeiro e Berrio comemorando gol do Flamengo - Foto: Gilvan de Souza
ESPN: Depois de um empate sem gols na Arena Condá na ida, o segundo jogo das oitavas de final entre Flamengo e Fluminense foi completamente diferente. O time carioca, contando com formação titular, foi dominante na Ilha do Urubu e venceu com autoridade nesta quarta-feira: 4 a 0. Cuéllar, Willian Arão, Juan e Lucas Paquetá fizeram os gols da classificação rubro-negra.

Agora, pela próxima fase da Sul-Americana, os comandados de Reinaldo Rueda enfrentarão o time que passar do duelo entre Fluminense e LDU, que se encaram nesta quinta. Os brasileiros ganharam na ida por 1 a 0, em casa.

Caso a equipe tricolor avance, o Fla-Flu será reeditado após oito anos na competição. Em 2009, o Flu, que viria a ser o vice-campeão, eliminou o rival por conta do gol fora após empates por 0 a 0 e 1 a 1.

Flamengo e Chapecoense voltarão a campo já no fim de semana pelo Campeonato Brasileiro. O time rubro-negro enfrentará o Avaí na Ilha do Urubu, no sábado, às 19h (de Brasília). Um dia depois, a equipe catarinense receberá a Ponte Preta na Arena Condá, às 16h.

Polêmicas e brilho rubro-negro

Os mandantes começaram com tudo e abriram o placar logo aos 6min.  Guerrero, adiantado, foi lançado por Trauco, mas Douglas Grolli resvalou de cabeça tirou o impedimento. O peruano tentou escapar de Jandrei, e a bola sobrou para Cuéllar, que estufou a rede. O assistente até levantou a bandeira, mas o árbitro percebeu o desvio do zagueiro e validou o lance.

Oito minutos mais tarde, nova polêmica – só que com erro do juiz. Berrío foi acionado por Willian Arão, e Jandrei tirou com a mão, só que fora da área, mas nada foi marcado.

A Chape até tentou responder aos 18min, quando Diego Alves fez boa defesa em conclusão de Penilla, que escapou da marcação de Pará. Porém, os cariocas seriam precisos e aumentariam a vantagem três minutos mais tarde. Guerrero recebeu de Éverton Ribeiro, dominou bem, girou para cima de Douglas Grolli e cruzou para Willian Arão estufar a rede.

O Flamengo assustaria novamente aos 35min, com Guerrero dominando no peito após cobrança de falta de Éverton Rbeiro e concluindo sobre o alvo. Nove minutos mais tarde, Penilla foi acionado por Arhur Caíke e parou em boa intervenção de Diego Alves.

Virou goleada

Na volta do intervalo, depois de conclusões para fora de Guerrero e Penilla, o time da casa acabaria com qualquer esperança do adversário aos 17min. Guerrero cabeceou após cobrança de falta de Pará, e Jandrei defendeu. No rebote, Juan estufou a rede.

Com os visitantes completamente abatidos, os cariocas seguiram dominando a partida e não tiveram muito trabalho manter o placar até o apito final. A vantagem poderia ter sido ampliada, mas o árbitro não marcou pênalti quando Pará foi derrubado na área aos 38min. Mas o quarto gol viria.  Aos 43min, Lucas Paquetá recebeu excelente passe de Éverton Ribeiro para só tirar de Jandrei e transformar a vitória em goleada.

Ronaldo, jogador do Atlético-GO - Foto: Paulo Marcos /assessoria ACG
GLOBO ESPORTE: Para além da badalação habitual em cima de uma promessa do Flamengo, o golaço do meio-campo diante da Ponte Preta proporcionou a Ronaldo a primeira grande exposição como jogador profissional. Após a façanha, o jovem de 21 anos ganhou holofote nacional, carinho das duas torcidas (Atlético-GO e Fla) e muitas mensagens de amigos e familiares. Cenário oposto aos quatro meses de incerteza, entre maio e setembro, quando aguardava sem sucesso uma chance para atuar no clube de origem.

Volante com bom passe e visão de jogo, Ronaldo acertou bela finalização no Moisés Lucarelli e confirmou as qualidades que geralmente lhe são atribuídas. Naturalmente, o lance (assista no vídeo abaixo) foi comparado "ao gol que Pelé não fez" e rendeu ao atleta do Dragão o prêmio simbólico de "pintura" da 24ª rodada do Brasileirão. Nada mal para o primeiro gol de uma ainda breve carreira.

- Realmente foi um gol muito bonito. Não esperava fazer um gol desse, ainda mais sendo meu primeiro gol como profissional. Foi muito especial para mim por esse fato também. Além disso, repercutiu bastante. Foi uma repercussão muito grande. Vários amigos e minha família mandando mensagens na mesma hora.

Ao relatar a jogada, Ronaldo garante que já estava tudo desenhado em seu imaginário. O jeito de se posicionar para receber o passe em velocidade, a inclinação do corpo e a forma de bater na bola, que ainda estava quicando. Fato que aumenta o grau de dificuldade da finalização.

- Já estava tudo na minha cabeça. Quando o Aranha foi para a área, me liguei nele. Fiquei marcando o (Emerson) Sheik, mas pronto para sair. O Igor acabou tirando, eu acompanhei o ótimo passe do Walter e, assim que ela quicou, já acabei chutando. Sem goleiro, ela entrou - recorda.

Reação da torcida do Fla

A pintura apenas amplificou o coro de muitos rubro-negros que viam potencial em Ronaldo e lamentaram nas redes sociais quando ele foi emprestado ao Atlético-GO até o fim da temporada. Após o golaço, o volante conta que recebeu várias manifestações de carinho de torcedores do Flamengo, que não veem a hora de tê-lo novamente no clube. A diretoria tratou de dizer que ele está nos planos para 2018.

- Realmente uma parte da torcida ficou muito triste com a minha saída, mas eu realmente estava precisando sair. O Atlético-GO me deu esse suporte e hoje estou jogando. Busco uma sequência e vim para ajudar o clube a sair da zona de rebaixamento. Fico feliz que esse gol tenha repercutido desta forma, mas agora tenho que manter o foco aqui. Quem sabe ano que vem estarei lá (Flamengo) de novo.

A vitória sobre a Ponte reacendeu a esperança do Atlético-GO de escapar da queda. O Dragão chegou a três vitórias no returno, mesmo número que havia conseguido ao longo de toda a primeira metade do Brasileirão. Ronaldo vê a equipe em evolução em um momento crucial do torneio.

- Está ficando bom, pois já são apenas cinco pontos nos separando do primeiro clube fora da zona de rebaixamento. Temos que acreditar. O grupo está unido, o professor João Paulo vem passando confiança e acho que estamos no caminho certo - conclui o atleta.

Torcida do Flamengo na Ilha do Urubu - Foto: Delmiro Junior‏
GOAL: Inicialmente a ideia do Flamengo era que a Ilha do Urubu fosse uma alternativa ao Maracanã, principalmente por conta dos preços exorbitantes daquele que um dia já foi o maior do mundo. Com capacidade para cerca de 20 mil pessoas, a diretoria Rubro-Negra não contava com o baixo público que o estádio vem recebendo.

Contra Atlético-GO e Atlético-PR, por exemplo, dois jogos disputados na Ilha, o time Rubro-Negro, pasmem, saiu no prejuízo. Contra o time goiano as despesas giraram em torno de R$ 419.779,34 e a renda foi de apenas R$ 319.740,00 ou seja, o clube teve que desembolsar mais de 100 mil reais para cobrir o rombo.

Contra o Atlético-PR o prejuízo foi menor, mas ainda assim, o Flamengo precisou tirar do bolso R$ 21.972,20. Vale ressaltar que o valor do ingresso contra o Furacão foi mais barato.

Contra o Sport, no último final de semana, o time Rubro-Negro também teve prejuízo, assim como no duelo desta quarta-feira, contra a Chapecoense, pelas oitavas de final da Copa Sul-Americana é possível afirmar que o clube caminha para mais um novo prejuízo pois cerca de apenas 8 mil ingressos foram vendidos.

O pouco público nos jogos na Ilha fez com que o Flamengo despencasse no ranking do brasileiro sendo apenas o sétimo time que leva mais torcedores ao estádio. Algo nada comum para a maior torcida do mundo.

Os motivos para o baixo público são diversos, as maiores reclamações, porém, ficam entorno do preço e da localização do estádio. Em média, o clube cobra cerca de 53 reais no valor do ingresso se você colocar a mensalidade do plano sócio torcedor fica inviável para uma cidade que vive a crise que o Rio de Janeiro atravessa.

A mobilidade urbana também é uma questão complicada, com apenas uma forma de entrar e sair da Ilha do Governador, o local não agrada aos torcedores. A falta de bom futebol do time também desanima. Longe da briga pelo título brasileiro e eliminado precocemente da Copa Libertadores, a expectativa dos torcedores caiu e muito.

Contra Botafogo e Cruzeiro pela final da Copa do Brasil, o Flamengo não abriu mão de uma maior renda e levou as partidas para o Maracanã. O que podemos dizer que foi um sucesso de público, mas para a Ilha, o clube parece ainda distante daquilo que pode ser considerado ideal.

Vinicius Júnior em Avaí x Flamengo - Foto: Staff Image
ESPN: Fazendo uma grande campanha no segundo turno, o Avaí terá como próximo adversário o Flamengo, que está no meio da disputa da Copa Sul-Americana e da final da Copa do Brasil. Apesar da equipe comandada por Reinaldo Rueda poder utilizar uma equipe mista, o meio-campista Simião destacou que a força do time carioca.

“Independentemente de quem o Flamengo colocar em campo será um jogo difícil. Flamengo é um time grande e precisamos respeitar. Já enfrentamos outros grandes e conseguimos vencer. Importante é o Avaí jogar de forma consistente e eu ter a felicidade de fazer mais um golzinho”, comentou o volante, que marcou dois gols no Campeonato Brasileiro.

O jogador de 30 anos ainda destacou que, depois da ótima reação na segunda metade da Série A, o Leão da Ressacada está sendo mais estudado.

“Hoje todo mundo está estudando mais o Avaí, olhando mais para o nosso trabalho pelos resultados que estamos conquistando. Seis partidas sem perder e com uma campanha muito boa no returno”.

Além disso, Simião comentou que o Avaí, que é o 13º colocado com 29 pontos, está seguindo um bom caminho para evitar o rebaixamento. Ele também falou sobre a possibilidade de o Brasileirão começar a ter árbitro de vídeo.

“A partir do momento em que saímos da zona de baixo, estamos numa boa condição para manter a boa fase e agregar os pontos necessários para nosso objetivo. O árbitro de vídeo só nos trará mais segurança nas decisões”, finalizou.

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget