Contra marca negativa, Flamengo vive pressão por títulos.

A questão é que o Flamengo é um clube diferente, desacostumado a passar sem títulos mesmo nos piores momentos institucionais ou financeiros.

Eduardo Bandeira de Mello conquistou a Copa do Brasil de 2013 - Foto: Divulgação
BLOG TEORIA DOS JOGOS: Muito já se falou a respeito do processo de resgate da credibilidade do Clube de Regatas do Flamengo, assim como o que vem a reboque: fortalecimento das finanças, modernização da estrutura física, implantação de preceitos de governança, etc. No fim das contas, os objetivos daqueles que defendem a austeridade convergem até com o intuito dos mais irresponsáveis: vencer. Conquistar títulos. E recolocar o Flamengo na trilha dos mais vitoriosos do Brasil e da América do Sul.

Completadas quatro temporadas da administração Eduardo Bandeira de Mello, já se pode fazer um balanço acerca das metas atingidas. Sem sombra de dúvidas, positivo: o Flamengo não apenas equacionou seu passivo como elevou sobremaneira o faturamento, fazendo com que, pela primeira vez, a relação receita/dívida se tornasse unitária. O que, pouco a pouco, liberou recursos para investimentos no futebol, culminando na montagem de um elenco competitivo e na terceira/segunda colocação ao final do Brasileiro 2016. Nada mal.

O problema é a outra face da moeda. Ouve-se desde 2013 que “ano que vem tem tudo para ser o ano do Flamengo”. Nesta toada, o clube vem se aproximando perigosamente de uma estatística pra lá de negativa. Após dois títulos nos dois primeiros anos deste mandato (2013 e 2014), o Rubro Negro fecha o biênio 2015-2016 sem levantar nenhuma taça. Caso as boas expectativas para 2017 não se confirmem, o clube igualará uma sequência sem títulos que só teve paralelo há 20 anos, quando o Estadual-1996 interrompeu seca que durava desde 1993. Vejamos:
OBS: Apenas títulos de torneios oficiais e relevantes foram considerados


A questão é que o Flamengo é um clube diferente, desacostumado a passar sem títulos mesmo nos piores momentos institucionais ou financeiros. Corinthians, Botafogo, Palmeiras e Grêmio, por exemplo, viveram extraordinárias secas que variaram (ou ainda variam) entre uma e duas décadas. Já o Fla não costuma passar de dois anos. O ritmo se manteve até na década mais vitoriosa: aprofundando a retrospectiva, veremos outras duas estiagens: 1984-85 e 1988-89. Um 2017 sem títulos, portanto, remeteria o Flamengo aos tempos de vacas magras das décadas de 60 e 70, quando passava longe de fazer frente aos principais adversários.

Preocupa o fato de a maior parte do investimento planejado para 2017 ter sido adiantado, muito para contratar atletas que não se firmaram como Donatti, Cuellar ou Mancuello. Por outro lado, boas aquisições como Alex Muralha e Diego podem se somar a outras, cirúrgicas, que devem ser feitas visando compor os 11 principais. Além do mais, desde a assunção de Bandeira & Cia, era exatamente 2017 o ano mirado como ponto de inflexão nas potencialidades do clube.

De renomada competência financeira e jurídica, mas tida como frágil no gerenciamento do futebol, esta diretoria terá, a partir de 2017, a chance de reescrever sua história dentro dos gramados. Tendo a Libertadores como meta – após dois anos consecutivos fora, algo que não aconteceu após a conquista da Copa do Brasil em 2006. Sendo assim, pela primeira vez o Flamengo disputará a principal competição do continente com elenco digno de sua robustez financeira. Desculpas, definitivamente, não serão mais aceitas.

Um grande abraço e saudações!

E-mail da coluna: teoriadosjogos@globo.com

Siga @vpaiva_btj


Marcadores:

Postar um comentário

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget