Presidente faz ameaça: "O Flamengo sobrevive sem Maracanã."

Uma série de acontecimentos de bastidores passaram a ameaçar os planos do clube de ser o administrador do estádio, por meio de licitação.

Foto: Amanda Kestelman
UOL: Um dos principais assuntos tratados nos bastidores do Flamengo envolve a administração do Maracanã a partir de 2017. A ameaça da venda da concessão da Odebrecht para a francesa Lagardère por R$ 40 milhões foi mal recebida na Gávea. Se o fato se consumar e não houver uma nova licitação, o Rubro-negro não jogará no principal estádio do país.

O mínimo que o Flamengo espera é que uma licitação seja lançada. Perder o processo faz parte do jogo, mas atuar no Maracanã sob a direção de uma nova concessionária está definitivamente descartado pelo clube. O presidente Eduardo Bandeira de Mello, inclusive, mandou um recado aos envolvidos nesta quinta-feira (10).

"O Maracanã depende do Flamengo para ser viável. Todo mundo sabe disso. Seja através de nova licitação ou transferência, não vejo saída melhor que não seja o Flamengo como protagonista. Se inventarem uma solução com algum grupo estranho, que venha assumir e pretenda contar com o Flamengo para ter lucro, vão quebrar a cara. O Flamengo sobrevive sem o Maracanã. Não sei se o Maracanã sobrevive sem o Flamengo", afirmou o mandatário, deixando claro que o clube não jogará no estádio nessas condições.

"Se houver uma solução em que o Flamengo não participe, o Flamengo não jogará no Maracanã. Podemos assegurar que se o Flamengo for o gestor, o Estado do Rio não vai precisar colocar um centavo sequer na manutenção do estádio. Não sei se outros grupos podem garantir o mesmo", completou.

Questionado sobre a possibilidade da abertura de uma nova licitação com derrota do Flamengo no processo, Bandeira de Mello respondeu.

"Vamos jogar com as regras. Se perdermos, aceitaremos, mas também vamos seguir o nosso caminho e partir para um estádio próprio. Precisamos estar preparados para todos os cenários. Se o nosso projeto do Maracanã não der certo, temos que buscar alternativas para não partir do zero", encerrou.

Postar um comentário

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget