Primeira Liga destruiu desejo de liga de Clubes no Brasil.

A declaração do presidente do Flamengo, que exalta a “democracia” comercial, ou é categoricamente cega ou é excessivamente cínica.

Foto: Divulgação
MÁQUINA DO ESPORTE: A Primeira Liga deu uma grande lição ao futebol brasileiro, exatamente o contrário do que ela gostaria de passar inicialmente. Um liga de clubes no Brasil, com a atual cultura dos dirigentes, é absolutamente impossível.

O entrave é simples: nenhum dirigente hoje consegue pensar um palmo além de seus próprios problemas. A declaração de Eduardo Bandeira de Mello, presidente do Flamengo, que exalta a “democracia” comercial do Brasileirão, ou é categoricamente cega ou é excessivamente cínica. Aquele que tem o melhor exemplo de gestão entre clubes não tem capacidade de pensar em uma Liga de times.

Dirigentes, por sinal, não costumam perder oportunidade de exacerbar o próprio egoísmo. Foi o caso de Daniel Nepomuceno, presidente do Atlético Mineiro, ao comentar a absurda perda de mando do Grêmio da decisão da Copa do Brasil: “Não é problema do Galo”, declarou, como se a promoção do segundo maior torneio do país não fosse algo de sua alçada. 

A incapacidade de diálogo e acordo no primeiro desencontro da Primeira Liga mostra o grau de miopia da gestão quando ela é feita exclusivamente por boa parte dos dirigentes atuais.

Por aqui, Liga só seria solução se fosse gerida por um grupo absolutamente independente dos clubes, uma empresa que administrasse o torneio com foco exclusivo em seu desenvolvimento como produto, como marca.

O único problema é que ela teria que ter o aval dos próprios clubes...

Por Duda Lopes

Marcadores:

Postar um comentário

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget