Craque o Flamengo faz em casa.

Será que mais uma geração talentosa da base Rubro Negra será desperdiçada?

Jogadores das Categorias de Base do Flamengo - Foto: Gilvan de Souza
FALANDO DE FLAMENGO: Por Thiago Nascimento

O que seria do futebol profissional do Flamengo senão fosse a sua excelente base formadora de atletas.

A História do Flamengo demonstra através de fatos concretos, que o clube alcançou o patamar seleto dos clubes mais vencedores do futebol brasileiro. E logicamente, isso se deve graças as suas mais diversas conquistas, cuja a participação dos atletas da base foram fundamentais nessas jornadas épicas.

Não me arrisco a citar uma ou duas épicas conquistas que tiveram a participação efetiva de atletas da base. Pois se assim o fizesse, estaria sendo injusto com os inúmeros atletas e profissionais da comissão técnica que vieram de tal categoria.

O bom momento administrativo do Flamengo, facilita a contratação de grandes atletas para o elenco profissional de futebol. O que realmente é muito bom. Afinal de contas, os mesmos são importantes não só pela técnica apurada que possuem, mas também pela experiência conquistada através dos muitos anos como profissionais. Além do espírito vencedor que eles trazem, cuja caraterística é muito importante em momentos de pressão e conquistas de títulos.

E devido a chegada de grandes atletas ao time profissional, como realizar com eficiência a transição de atletas da base Rubro Negra para o time profissional?

Que um clube precisa ter muito cuidado ao lançar jovens em seu time profissional, todo nós sabemos. Mas como é possível ser cauteloso em excesso, se a base do Flamengo brota talentos ano após ano?

Em 2017 por exemplo, alguns jogadores não tiveram o rendimento técnico que todos esperavam e que por isso, são muito contestados pela imprensa e também pela torcida do Flamengo. Entre eles podemos citar: Márcio Araújo, Vaz, Gabriel, L. Damião e Muralha.

Com todo o respeito que esses e outros profissionais merecem, eu faço a seguinte pergunta a você leitor:

Por quê esses jogadores são mantidos nesse forte elenco do Flamengo, e por quê muitos jogadores da base não foram testados e mais aproveitados durante as partidas oficiais do Campeonato Carioca de 2017 no lugar dos jogadores citados anteriormente?

Na minha opinião, jogadores como Léo Duarte (zagueiro), Ronaldo (volante), Paquetá (Meia) poderiam ter sido testados na maioria dos jogos do Estadual, pois a exigência técnica do campeonato não é mais a mesma de décadas anteriores.  Sem contar é claro, o mais promissor de todos eles, que é o Vinícius Júnior.

E não podemos nos esquecer do atacante Vizeu. Pois, o mesmo foi destaque da Seleção Brasileira sub-20.

Logo, se o Vizeu foi destaque na Seleção, por quê não escalar o jovem promissor no lugar do L. Damião, que sempre tem aparecido no banco de reservas e também sempre têm tido diversas oportunidades de entrar durante os jogos?

E para finalizar, não podemos nos esquecer do goleiro Thiago. O jovem sequer havia disputado o Campeonato Carioca e Primeira Liga, e agora vem sendo escalado em jogos difíceis pelo Campeonato Brasileiro.

Por quê o mesmo não foi testado anteriormente? Agora o jovem goleiro (sem a experiência como titular) terá uma difícil missão de se tornar um goleiro incontestável no Brasileirão, na Copa do Brasil e também na Copa Sul-Americana.

Com exceção de um ou outro jogador, nas últimas décadas o clube ficou conhecido por “desperdiçar” diversos talentos que vieram da base Rubro Negra.

Será que mais uma geração talentosa da base Rubro Negra será desperdiçada?

Saudações Rubro-Negras.


Marcadores:

Postar um comentário

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget