Flamengo é exemplo do que deveria fazer o Governo.

Tanto o governo quanto a população brasileira deveriam aprender com o Flamengo.

Eduardo Bandeira de Mello, atual Presidente do Flamengo - Foto: Cris Dissat / Fim de Jogo
MERCADO POPULAR: Eduardo Bandeira de Mello foi eleito presidente do Flamengo em 3 de dezembro de 2012 com 1414 votos, contra 914 da então presidente Patrícia Amorim. O novo mandatário do clube, representando a “Chapa Azul”, se elegeu com uma proposta de controlar o endividamento do clube e colocar as contas em dia.

Por alguns anos – pelo menos até 2015 – o torcedor flamenguista conviveu com times medianos. Ainda assim, em 2013, o Flamengo conseguiu beliscar uma Copa do Brasil em final contra o Atlético Paranaense. Nesse período, porém, destaca-se que o clube reforçou sua posição patrimonial: os passivos totais saíram de assustadores R$866 milhões, em 2012, para R$578,5 milhões em 2016, como bem mostram os balanços do clube.

Com as finanças mais sólidas, o Flamengo pôde reforçar seu elenco. Se, em 2013, o time contava com jogadores do nível de Luiz Antônio e Frauches, hoje o torcedor vislumbra um “11 inicial” com Guerrero, Diego, Réver, Éverton Ribeiro e Rhodolfo.


Hoje o Flamengo gasta porque pode e tem dinheiro em caixa para tanto. Seus rivais, que não fizeram a lição de casa, contam com elencos mais modestos, muitas vezes com um “excesso” de garotos da base que subiram em um momento complicado do time. Os elencos sofríveis parecem ter ficado para trás, e hoje o Flamengo briga em todas as frentes que disputa.

E o que isso tem a ver com o governo?

É amplamente conhecida a crise fiscal pela qual o Brasil passa. Há pelo menos 20 anos, os gastos do governo central vêm crescendo mais rápido do que o PIB. Como resultado, eles saíram de cerca de 14%, em 1997, para perto de 20% do PIB, em 2016. O governo, ciente de que tal sistemática é insustentável, se viu obrigado a aprovar a chamada “PEC do teto de gastos”, colocando uma camisa de força no governo e impedindo que a sanha gastadora tivesse prosseguimento.


O chamado “resultado primário” do governo central (isto é, as receitas do governo excluídas das despesas, antes do pagamento de juros) saiu de um superávit de 2,5-3% do PIB, antes da crise de 2008, para um déficit perto de 3% do produto, e não deve voltar ao campo positivo até meados da próxima década.


Como consequência, a dívida bruta, como % do PIB, vem em trajetória explosiva há pelo menos 3 anos, com algumas projeções indicando uma aproximação dos 3 dígitos ao longo dos próximos anos.


A situação de hoje se deve não apenas ao ímpeto gastador dos últimos anos, mas também a fatores estruturais que remontam à Constituição de 88. Por força da lei, há diversos mecanismos que obrigam elevações automáticas do gasto. Tome como exemplo a vinculação do piso previdenciário ao salário mínimo; as vinculações orçamentárias da saúde e da educação; o funcionalismo público, irredutível e indemissível, entre tantas outras. Some a isso o rápido envelhecimento da população brasileira e o leitor terá ideia do tamanho do problema fiscal brasileiro.

É um erro acreditar que a irresponsabilidade com as contas públicas é uma maneira de beneficiar os mais vulneráveis e menos favorecidos. Muito pelo contrário: a solidez fiscal é que permite a expansão dos programas sociais e dos gastos que, ao fim e ao cabo, de fato chegam aos mais pobres. Não é o “neoliberalismo” quem sucateia o Estado, mas sim o populismo fiscal que, quando numa crise – como a de agora – se vê obrigado a cortar gastos na boca do caixa, sem planejamento e atacando exatamente aqueles que pretendia ajudar, justamente por estes não terem poder político e de lobby para manterem seus interesses no orçamento.

Em termos de atividade, Carlos Góes mostrou como um ajuste fiscal traz benefícios de longo prazo. Um país muito endividado, como o Brasil, pode colher bons frutos ao controlar seus gastos. A sinalização de maior zelo com as contas públicas leva a uma queda do chamado “prêmio de risco” – o que significa que os investidores têm menos receio de emprestar ao governo -, derrubando os juros e, por consequência, gerando mais crescimento à frente. A maior sustentabilidade fiscal reduz os juros reais estruturais, beneficiando investimentos e atividade.


Conclusão

Tanto o governo quanto a população brasileira deveriam aprender com o Flamengo – que, diga-se de passagem, não o time para qual torço, antes que o leitor desconfie de algo. Os anos de paciência com times fracos e sem grandes ambições renderam frutos ao torcedor. Se o time do Flamengo ainda não se encaixou – e o técnico Zé Ricardo busca soluções para tal -, também é verdade que, hoje, o torcedor pode sonhar com grandes conquistas.

O ajuste fiscal promovido pela gestão Bandeira de Mello colocou o Flamengo numa trajetória que, se mantida, parece muito virtuosa à frente. Não se trata de defender o atual presidente do clube, mas de reconhecer o mérito de sua gestão. A lição que o rubro-negro deixa é uma só: o ajuste dói hoje, mas traz ganhos amanhã; o não ajuste, por outro lado, condena-nos à mediocridade sem fim.

Postar um comentário

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget