Estudioso e com fama de "deixou chegar": Conheça Reinaldo Rueda

O bom retrospecto de Rueda em finais encaixa com o momento atual vivido pelo Flamengo.

Foto: Reprodução
GLOBO ESPORTE: Em conversas avançadas para ser o próximo treinador do Flamengo, Reinaldo Rueda acabou de passar uma semana na Alemanha. Lá, o colombiano de 60 anos participou do Congresso Internacional de Treinadores de Futebol, conheceu as instalações do Bayern de Munique, se encontrou com o técnico Carlo Ancelotti e assistiu a um amistoso do time, contra o Napoli.

A estadia resume bem o perfil estudioso do possível novo comandante rubro-negro. Frequentemente ele viaja à Europa para fazer cursos e se atualizar. E não é de hoje. Nascido em Cali, em 1957, formou-se em Educação Física na Colômbia e, no início dos anos 1990, fez pós-graduação na Escola Superior de Esportes da Alemanha, por isso é fluente na língua alemã.

"Deixou chegar..."

Com passagens por times colombianos e seleções, ganhou notoriedade pelo vitorioso trabalho à frente do Atlético Nacional entre 2015 e 2017, time que tinha Berrío, hoje no Fla, Guerra e Borja, hoje no Palmeiras, como alguns de seus principais jogadores. Sob o comando de Rueda, a equipe de Medellín ganhou um perfil similar a uma fama que tem o Flamengo: a de "deixou chegar...".

Das sete finais que chegou em dois anos pelo clube, foram seis títulos. Foi campeão colombiano em 2015 e 2017, da Copa e da Superliga da Colômbia em 2016, da Copa Libertadores de 2016 e da Recopa Sul-Americana de 2017. A única final que não conquistou foi justamente uma que não chegou a disputar, a da Sul-Americana de 2016, devido ao trágico acidente com a delegação da Chapecoense, declarada campeã em um gesto honroso que partiu do próprio Atlético.

O bom retrospecto de Rueda em finais encaixa com o momento atual vivido pelo Flamengo. Com poucas chances de título no Brasileirão, o Rubro-Negro alimenta esperanças de levantar troféus em 2017 na Copa do Brasil, onde está nas semifinais, e na Sul-Americana.

PONTOS FORTES - Agregador, disciplinador e tático

A jornalista brasileira Marina Granziera (TV Caracol), que trabalha há cinco anos na Colômbia, considera Rueda como o melhor técnico da Colômbia atualmente.

- O Reinaldo Rueda é um treinador com um preparo muito importante. Na minha opinião é o tecnico colombiano com melhor capacidade tática do pais. Ele vem estudando, aprimorando seus conhecimentos, estava na Alemanha fazendo um curso. Mas, além disso, é um gestor de time, sabe impor respeito, e monta o time de acordo as características dos seus jogadores - disse Marina.

Organizado e disciplinador, Rueda tem fama de agregador, destacou o jornalista Jhonsson Rojas, da Rádio Caracol, da Colômbia, primeiro veículo a noticiar o contato do Fla com o treinador. Seus grupos de jogadores costumam ser unidos, o que reflete positivamente no desempenho em campo.

- É um técnico com grandes números, os jogadores o adoram, é muito respeitoso. É muito tático, sabe analisar muito bem os seus rivais. Alcançou grande trabalho com sua disciplina, é muito próximo dos jogadores - disse Jhonsson.

Já o jornalista colombiano Santiago Cadavid, da rádio Munera 790, destacou o relacionamento com os jogadores e estilo de jogo. Seus esquemas táticos preferidos são o 4-2-3-1 e o 4-4-2.

- Seu ponto forte é sua capacidade de planejar as partidas. Sabe chegar ao jogador e convencê-lo. Taticamente adota um estilo de jogo de posse de bola bastante eficiente - analisou Satiango.

PONTO FRACO - Chance de assumir a seleção colombiana

Rueda já comandou a seleção da Colômbia. Assumiu em uma fase difícil, melhorou os resultados e por muito pouco não conseguiu classificar a equipe para a Copa do Mundo de 2006. Por isso, ainda vê sua missão à frente da equipe de seu país como um trabalho ainda não finalizado. Segundo Marina Granziera , ele é o favorito a assumir a seleção após a Copa de 2018, por isso, seu trabalho à frente do Fla poderia ser interrompido no meio do ano que vem. Um cláusula de saída em caso de convite da seleção colombiana, inclusive, seria uma das exigências do treinador para assinar com o Fla.

- É o mais cotado para assumir a seleção colombiana ano que vem, depois da Copa. Nesse momento o ponto fraco (para o Flamengo) é justamente ele ter que deixar o Flamengo caso a seleção colombiana o chame. É um sonho dele, e acho que ele não recusaria um convite.

Cirurgia no quadril no início deste ano

No começo deste ano, Reinaldo Rueda passou por um contratempo. Por causa de dores e dificuldade de mobilidade, foi submetido a uma cirurgia no quadril, onde teve uma prótese implantada na região. Comandou a equipe remotamente enquanto se recuperava e chegou a usar bengalas quando retornou ao clube.

No fim do ano passado, chegou a negociar com o Corinthians, mas acabou continuando no Atlético Nacional. Sem os principais jogadores da conquista da Libertadores de 2016, não repetiu o sucesso em 2017, sendo eliminado na fase de grupos. Em 21 de junho decidiu encerrar sua passagem no clube: “Considero que cumpri um ciclo exitoso. Agora a instituição vai respirar novos ares. Eu também vou me oxigenar”.

Duas Copas do Mundo no currículo

Rueda começou o trabalho como treinador em 1993, à frente da seleção sub-20 da Colômbia, classificando a equipe para o mundial daquele ano. O primeiro clube que assumiu foi o Cortuluá, modesto time colombiano que havia sido recém-promovido à primeira divisão em 1994. Por lá, fez campanhas de meio de tabela até seguir para o Deportivo Cali em 1997, onde fez uma boa campanha, chegando às semifinais do campeonato colombiano. Comandou o Independiente Medellin por quatro meses em 2002.

No início dos anos 2000, sua carreira mudou o foco dos clubes para as seleções, quando assumiu as equipes de base da Colômbia. O 3º lugar no mundial sub-20 de 2003 o fez ganhar uma promoção para o time principal no ano seguinte. Ele chegou com as Eliminatórias em andamento. A missão era levar a equipe, que havia marcado apenas um ponto em quatro jogos, para a Copa de 2006. Rueda deu outra cara para o time. Os resultados melhoraram, mas a vaga no mundial acabou escapando por muito pouco - ficou a um ponto da repescagem.

Curiosamente, a primeira seleção que o treinador conseguiu qualificar para uma Copa foi a modesta Honduras, país que não disputava o torneio desde 1982. A campanha no mundial de 2010, no entanto, não foi boa. Em um grupo complicado, com Espanha, Chile e Suíça, a equipe fez apenas um ponto e não marcou gols.

De 2010 a 2014, comandou o Equador. Superou um fracasso na Copa América de 2011, usou a altitude de Quito como trunfo e classificou a seleção para a Copa do Mundo, no Brasil. Terminou o torneio com uma vitória, um empate e uma derrota, em grupo com França, Suíça e Honduras, não avançando para as oitavas.



Marcadores:

Postar um comentário

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget