Como o clube de futebol brasileiro trata seus gestores

Palmeiras e Flamengo, os que de longe mais contrataram reforços na temporada de 2017, têm por trás das cortinas executivos das áreas financeira.

Foto: Gilvan de Souza
EPOCA EC: Tite voltava de férias dos Estados Unidos para reassumir o Corinthians após vários dias de discussão. Gilmar Veloz, seu empresário, negociara durante dezembro de 2011 a renovação do contrato do treinador com a direção da equipe, ainda presidida por Andrés Sanchez em seus últimos dias de mandato. Andrés reclamara dos valores pedidos pelo empresário – em torno dos R$ 800 mil mensais, o dobro dos R$ 400 mil que eram pagos pelo clube até a temporada anterior. A pedida de Veloz fora alta porque os corintianos tinham acabado de vencer o Campeonato Brasileiro. Andrés cogitara publicamente a possibilidade de não manter o técnico. Mas as partes entraram num acordo. O gaúcho ligou dos Estados Unidos e concordou em receber R$ 500 mil por mês. De volta ao clube, logo no início da temporada de 2012, Tite desabafou a Guilherme Prado, o diretor de comunicação corintiano. O técnico confidenciou que preferia ter pedido de imediato um valor mais baixo para não passar pelo desgaste da negociação salarial e ter mais estabilidade no comando da equipe. “Não fala uma bobagem dessas”, respondeu o jornalista. “Professor, sabe quanto o Corinthians fatura? Quatrocentos milhões de reais num ano. Você ganha isso para ser responsável por tudo isso aí. É só fazer a conta que você vai ver que não ganha muito.” Tite assentiu.

Tite ainda pensava em função da cultura persistentemente amadora do futebol brasileiro. Essa mentalidade primária, quiçá primitiva, resume-se ao seguinte: qualquer dinheiro que não vá para o investimento em jogadores é dinheiro desperdiçado. Não só com técnicos, como era o caso do gaúcho que assumiria a seleção brasileira com absoluta aprovação. Os demais cargos na estrutura administrativa do clube sofrem tanta ou mais pressão, interna e externa, de conselheiros metidos com a gestão do time e da imprensa esportiva, para que não se gaste demais com eles. E não só no Corinthians. No futebol brasileiro, funções como diretor financeiro, comercial e de comunicação são ocupadas por amadores. As cúpulas dos times ainda resistem à ideia de contratar profissionais ou a tratar quem exerce esses cargos como peças fundamentais para o sucesso dentro de campo. Nesse tipo de posição gerencial, altamente estratégica, há muita gente sem remuneração que, mesmo quando bem-intencionada, precisa dividir o tempo entre as obrigações no clube e uma outra ocupação que dê renda de fato.

A prevalência do atraso na gestão dos clubes cria castas, tamanha a desigualdade salarial entre elas. Há os ricos, que estão dentro de campo. E há os pobres, que organizam e gerenciam o espetáculo esperado pela torcida. E aqui se trata dos pouquíssimos times da elite, e não das centenas de equipes que trabalham em condições precárias e proporcionam a seus funcionários, atletas ou administradores igual precariedade. No topo, quanto mais os clubes faturam, maior se torna a disparidade interna. Ao mesmo tempo que clubes de futebol de primeira divisão elevam seus faturamentos para a casa dos R$ 500 milhões por ano, as estruturas de remuneração e trabalho deles continuam a se assemelhar às de pequenas empresas familiares. Agora, a discrepância fica mais clara.

A auditoria e consultoria Ernst & Young (EY), em parceria com a Confederação Brasileira de Futebol (CBF), traçou pela primeira vez um quadro sobre a remuneração no futebol brasileiro. O estudo faz parte de uma agenda de profissionalização proposta pela CBF, que inclui a melhoria da infraestrutura dos clubes por meio do licenciamento, entre outras ações. "Quando chegamos, há quase três anos, decidimos montar um novo modelo de governança, transparência e ética. Esse estudo representa mais um passo em direção à profissionalização do futebol brasileiro", afirma Walter Feldman, secretário-geral da CBF, a ÉPOCA.  A ideia é que o material produzido pela EY sobre remunerações sirva como parâmetro. Um clube de futebol só saberá se está pagando bem ou mal a um profissional da estrutura administrativa se tiver uma régua do restante do mercado, coisa que outros setores fazem, mas no futebol inexistia. Até agora.

A consultoria colheu os dados sobre salários e políticas trabalhistas de 19 dos 40 clubes das séries A e B. O resultado mostra um quadro abrangente com as médias salariais de 67 cargos, 15 dos quais ÉPOCA apresenta com exclusividade. O estudo não informa os dados de modo individualizado, portanto não há como distinguir os clubes, uma condição definida entre a EY e os dirigentes, para que os consultores tivessem acesso às informações solicitadas. Mas há três recortes que evidenciam as disparidades entre os times brasileiros. A primeira é entre Nordeste e Centro-Oeste em comparação a Sudeste e Sul. Os sulistas pagam muito mais que os nortistas, às vezes mais que o dobro. Entre times de primeira divisão e de segunda, quem está no topo paga melhor. Por fim, o terceiro recorte distingue o regime de contratação em CLT, com carteira de trabalho assinada, do pagamento por pessoa jurídica, geralmente adotado para que o prestador de serviço ao clube receba mais e pague menos impostos. Alguns raros profissionais estrelados vão nessa linha.

Muitas das profissões na administração do futebol não podem ser comparadas com outros setores do mercado. Afinal, as empresas não precisam de preparadores físicos, auxiliares técnicos ou preparadores de goleiros. Mas há ao menos quatro cargos comparáveis. São eles o executivo-chefe (ou, na sigla em inglês, CEO), uma espécie de presidente que toma conta de todo o clube, e os diretores financeiro, comercial e de comunicação. E o futebol paga menos que o resto do mercado. Enquanto um CEO recebe em média R$ 54 mil mensais num clube de Sudeste ou Sul, um CEO de uma empresa com receita entre R$ 100 milhões e R$ 500 milhões tem um contracheque de mais de R$ 100 mil por mês, na soma de salário fixo e bônus anual. ÉPOCA comparou os dados do futebol apurados pela EY com os da consultoria em recursos humanos Michael Page para o mercado brasileiro. A desvantagem se repete com diretores financeiros, comerciais e de comunicação.

Os salários inferiores ao restante do mercado impedem a qualificação dos executivos do futebol. Um vice-presidente de um clube de primeira divisão confidenciou a ÉPOCA que não consegue trazer gente do mercado para trabalhar no time. “Não vou pegar um cara que está empregado numa Unilever, numa Coca-Cola, para trazer a um clube de futebol em que a área é pouco valorizada, o salário está arriscado a atrasar, no qual provavelmente o executivo saia quando mudar o presidente”, diz o dirigente, que não fez carreira no futebol. As remunerações inferiores e a falta de estrutura afastam do departamento comercial do clube o executivo que hoje cuida dessa área numa multinacional. O resultado é que o clube ocupa com um profissional de segundo escalão uma área que não entra em campo e não faz gol, mas levanta dinheiro por meio de patrocínios para pagar os salários de quem entra e faz, o jogador de futebol.

Fora as remunerações inferiores e os profissionais menos qualificados, agrava a condição do futebol a precariedade da estrutura trabalhista. A EY descobriu que apenas seis dos 19 times pesquisados têm política de cargos e salários e tabelas salariais formalizadas. Só três dão aos funcionários projeção de carreira para os principais cargos, o tal plano de carreira, algo que empresas razoavelmente organizadas fazem. Por outro lado, a prática altamente disseminada no futebol é a do bônus. O “bicho”. Quinze dos 19 times entrevistados pela consultoria possuem políticas de bonificação formalizadas. Em suma, o clube de futebol no Brasil não cria estruturas de cargos e salários e não propõe planos de carreira aos funcionários, mas premia conforme desempenho.

A desestruturação atrapalha porque o funcionário que não vai a campo sabe dos milhões recebidos pelo jogador. O diretor de comunicação de um time de primeira divisão contou a ÉPOCA, com indignação, que não consegue permissão para dar aumentos salariais a seus melhores assessores. São pessoas que atendem a imprensa no dia a dia, administram os perfis da equipe em redes sociais, produzem conteúdo para o canal de televisão digital, todas as tarefas fundamentais em empresas que lidam com o consumidor final, caso do futebol. O presidente não dá aumentos aos assessores, mas contrata jogadores aos montes. Atletas que nem sempre têm o melhor nível técnico, mas que não raro recebem mais de R$ 100 mil mensais para esquentar o banco de reservas. O contraste gera desgaste interno.

A situação se repete no marketing de uma outra equipe também de primeira divisão. “Às vezes você batalha por um funcionário de segundo ou terceiro escalão, um aumento de R$ 500, que seja, e você não consegue. Mas aí você depara com a contratação de jogadores ganhando mais de R$ 1 milhão por mês. E de repente você tenta dar um aumento de R$ 500 a um cara da parte administrativa, um técnico, que vai deixá-lo em situação confortável no mercado, e não consegue. Isso aconteceu aqui várias vezes”, revelou o diretor do departamento a ÉPOCA. Esse clube não tem política de cargos e salários, não propõe plano de carreira e sofre, como diagnosticou a EY, para contratar os melhores profissionais do mercado.

Existe uma corrente a favor do amadorismo. Remunerar diretores de futebol como Alexandre Mattos e Rodrigo Caetano, dos ricos Palmeiras e Flamengo, não garante resultado, dizem os críticos. Basta ver que nenhum ameaça o Corinthians na liderança do Brasileirão. Mas não é por aí. Não se faz mais futebol (só) com amor à camisa. Os jogadores exigem dinheiro, e muito. A estrutura administrativa é responsável por ir atrás desse dinheiro. Palmeiras e Flamengo, os que de longe mais contrataram reforços na temporada de 2017, têm por trás das cortinas executivos das áreas financeira, jurídica e de marketing que, se não garantem resultados, ao menos criam a base financeira para que Mattos e Caetano invistam em atletas.

Diferentemente de uma empresa, time de futebol não mira o lucro no fim do ano, então está liberado para reinvestir tudo o que arrecada atrás de resultado esportivo. A questão não é de escassez de recursos, mas de prioridade. Enquanto apostas milionárias em atletas são triviais, investimentos em remunerações de profissionais extracampo e na estrutura administrativa são tabus. Os treinadores parecem ser os primeiros a quebrar essa barreira. Os salários médios de R$ 70 mil para técnicos de Série A e R$ 31 mil para de Série B, em CLT, fora os R$ 400 mil para estrelas que assinam acordos via pessoa jurídica, estão mais próximos dos pagos a jogadores. Apesar de até Tite, alguns anos atrás, ter sido pressionado a ganhar menos do que seu empresário pedia, mesmo com o melhor resultado que dele se podia esperar. Chegará a vez do CEO?


Marcadores:

Postar um comentário

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget