Os destaques e as decepções do Flamengo diante do Vasco

Reinaldo Rueda manteve a formação com Paquetá novamente improvisado no ataque, ocupando o lugar de Guerrero.

Foto: André Durão
GLOBO ESPORTE: No reencontro com o ex-técnico Zé Ricardo, o Flamengo de Reinaldo Rueda não conseguiu sair do 0 a 0 no clássico diante do Vasco, no Maracanã. Por mais que tenha tido bem mais chances do que o rival nos 90 minutos, a equipe não foi eficiente para vencer. A noite foi marcada por outra boa atuação do veterano Juan, novamente muito aplaudido pela torcida.

Na reta final da partida, o Rubro-Negro pecou desperdiçando oportunidades claras de enfim abrir o marcador, quase todas dentro da pequena área. Uma delas foi inacreditável. Vizeu, livre de marcação, completou de cabeça um cruzamento na medida de Vinicius Junior, mas nas mãos de Martín Silva. Com o resultado, a equipe segue na sétima posição, com 47 pontos.

Volta de Márcio Araújo

De volta ao time titular por conta da suspensão de Cuéllar, Marcio Araújo apresentou dificuldade. Errou passes (quatro no total), lançamentos e não conseguiu acompanhar a marcação no meio de campo em alguns momentos, principalmente na primeira etapa. A saída de bola do Flamengo sem o colombiano ficou prejudicada.

Zaga dá conta do recado; Juan é destaque de novo

Durante a semana, o Flamengo teve a triste notícia da lesão do capitão Réver, titular absoluto na zaga. Assim como na quarta-feira, Rueda optou por Rhodolfo ao lado de Juan. Ambos tiveram boa atuação.

Juan, jogando novamente em alto nível, foi quem mais empolgou a torcida. Em um lance de destaque, no primeiro tempo, percorreu alguns metros para roubar a bola no meio e puxar ataque. No segundo tempo, desarmou Nenê com classe num contra-ataque perigoso do Vasco. Roubou quatro bolas e fez sete desarmes.

Problemas na esquerda

A grande maioria das investidas do Vasco no ataque foram pelo setor do lateral-esquerdo Miguel Trauco. Por ali, o adversário aparecia com velocidade de Pikachu e Madson. O peruano enfrentou problemas na marcação e teve que atuar muito mais recuado para tentar cobrir os espaços.

"Evertons" e Diego

Em determinado momento, Rueda chegou a inverter Everton e Éverton Ribeiro de lado. A ideia funcionou a partir do momento que o camisa 22 utilizou bem de sua velocidade nas costas de Ramon. No entanto, a dupla retornou ao posicionamento original para Everton ajudar mais Trauco na marcação.

O camisa 22 foi mais perigoso, sobretudo no primeiro tempo. Como quando iniciou boa jogada abrindo o ataque através de Pará e foi oportunista ao se aproveitar de erro da defesa vascaína e puxar com contra-ataque. Diego lutou e brigou durante todo o jogo, mas não conseguiu criar com eficiência. Éverton Ribeiro, por sua vez, teve atuação apagada. Sofreu com a marcação forte de Wellington e foi presa fácil para Ramon.

Paquetá

Reinaldo Rueda manteve a formação com Paquetá novamente improvisado no ataque, ocupando o lugar de Guerrero. O jovem lutou bastante e se mostrou esforçado como de costume. Mas não conseguia prender a bola na frente como sua função exige. Perdeu um gol cara a cara após boa jogada de Everton no primeiro tempo, em sua única finalização no jogo. Foi substituído por Vizeu no segundo tempo.


Marcadores:

Postar um comentário

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget