Projeto Rueda 1/10

Seria diferente se o Flamengo (jogadores, comissões técnicas e diretoria) tivesse encarado com seriedade essa bagaça.

Reinaldo Rueda, técnico do Flamengo - Foto: Gilvan de Souza
BOTECO DO FLA: Por Sorin

Assim o Boteco fica mais confuso que os responsáveis pela distribuição do Carabao.

Após reunião de emergência enquanto a bola rolava no primeiro tempo de Flamengo x Chapecoense, na qual adequamos nossos anseios e desejos à realidade, estabelecendo que um G-Qualquer Coisa será bem recebido dadas as circunstâncias, vem o Profe pra frente dos microfones e fala em conquistar DEZ vitórias nos próximos DEZ jogos.

Liga daqui... Liga dali... Nova reunião da cúpula do futebol aqui do Boteco para redebater as diretrizes. Teríamos nos precipitado em dar uma reduzida em nossas expectativas? Entre algumas doses de álcool e fartas porções de queijo prato e salaminho, nos colocamos a observar e analisar atentamente (tanto quanto possível e a cachaça permitiu) as declarações do técnico. Não durou muito.

Quando a gente esbarrou na declaração de que o time de domingo estava perto do ideal “por comportamento, comprometimento e entrega”, nos esbaldamos de rir e concluímos que a tal meta 10/10 era só uma brincadeira. Seeeeegue o jogo... Que venha o G1000. Queremos a Libertadores 2018 (ao menos participar) mesmo que nossa entrada seja pela porta dos fundos com um ingresso falso comprado com algum cambista. O que importa é estar na festa.

Meta ousada/sonhadora/debochada ou não, a realidade nos coloca diante do Bahia na noite de hoje pela rodada de número 29 do Brasileirão. O time deve ser o mesmo de domingo com o Juan no lugar do Vaz. E concordamos que com o material disponível é uma escalação próxima da ideal, faltando apenas vontade de jogar bola pra gente pensar em um 7 ou talvez um 8/10, ainda assim com certo otimismo. Até o Maestro Júnior anda horrorizado com o burocratletismo, declarando que no domingo “parecia que estavam jogando única e exclusivamente por uma formalidade”.

Do lado de lá o Bahia vem todo alegrinho após quatro rodadas sem derrotas, incluindo uma vitória sobre o “inabalável” líder Corinthians no último final de semana. Sem muitos problemas na escalação, a única alteração deve ser lá na frente, com Edigar Junio (assim que escreve mesmo) no lugar do Rodrigão. Apesar da décima segunda colocação, após os jogos iniciais da rodada na noite de quarta o Bahia está distante apenas 3 pontos da temida zona de rebaixamento.

Como era de se esperar, já que acontece rodada após rodada, alguns resultados do povo que está na nossa frente colaboraram. Cruzeiro perdeu e o Botafogo empatou. Bem... Corinthians e Grêmio também ficaram com um ponto pra cada lado no confronto entre os dois, mas isso não nos pertence mais. Serve só pra ver como o Brasileirão 2017 seria diferente se o Flamengo (jogadores, comissões técnicas e diretoria) tivesse encarado com seriedade essa bagaça.

Enquanto segue o campeonato... Ficamos nosotros todos aqui na curiosa situação de torcer em duas camadas. Em um primeiro plano a gente torce de forma comum e esperada para os nossos jogadores. Em um segundo momento a gente ainda tem que torcer pro povo estar com vontade de jogar bola. Em um mundo normal não haveria necessidade disso. Mas é exatamente isso que tem. Então...

Bora torcer.

Isso aqui é Flamengo


Marcadores:

Postar um comentário

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget