Cornetar também faz bem pro Flamengo

Os dirigentes têm enorme parcela de responsabilidade por tudo que o futebol do Flamengo conquista ou deixa de conquistar.

REPÚBLICA PAZ E AMOR: Que domingo funesto. Mantendo uma tradição de muito mau gosto tomamos outra forte pancada no Uruguai do Norte. Por causa da escrotíssima estatística a derrota fora de casa não surpreende, mas a forma como ela se deu abateu até mesmo a quem enxergou nos minutos finais do Fla-Flu da Sula um indício de reerguimento moral e cívico do time do Flamengo. Reerguimento moral uma ova, o time exibiu mais uma vez falta de pegada dentro de campo e preocupante ausência de culhão fora dele.

Rueda, técnico do Flamengo, contra o Grêmio - Foto: Staff Images
A escalação assinada por Rueda era manifestamente covarde. Nem menciono a defesa, porque se não é Pará é Rodinei, se não é Vaz é Thuler, se não Renê é Trauco. Reconheço que lá atrás não fazia muita diferença quem ele ia escolher. Mas botar uma porrada de volante pra esburacar o gramado e deixar Vinicius Jr, sacrificado novamente, bebendo energético no banco não é uma escolha de quem tá a fim de ganhar o jogo. Rueda já começou errando aí, mas foi perseverante e continuou dando mole ao longo da partida inteira. Ao fim do jogo ele mesmo reconheceu a sua culpa e chamou o prejuízo pra si. Belo gesto. Mas ninguém quer saber de exibições de autocritica depois que o Flamengo perde. Queremos que o Flamengo pare de perder.

Queremos, principalmente, que o Flamengo pare de perder desse jeito bocó, de boca aberta, vendo os caras chegarem sem tentar mudar o jogo, incapaz de um gesto consciente de defesa. O Flamengo, com as devidas vênias à fugaz exceção do Fla-Flu, é aquele time que não pode tomar gol. Se toma gol baixa uma catatonia contagiosa e se o outro time percebe é só apertar um pouquinho que o Flamengo peida. Zagueiro erra, lateral chega atrasado, goleiro franga, só acontece desgraça. O Grêmio percebeu o estado comatoso do Flamengo, foi pra cima e resolveu o jogo em dois lances. Quando saiu o terceiro gol deles o Flamengo já estava jogando pelada, todo avançado e sem qualquer método. Ficou até barato, entregamos a rapadura com extrema docilidade.

Há quem postule que não se pode atribuir a derrota a um treinador quando bisonhas falhas individuais resultam em gols do adversário. Mas é um equívoco básico analisar uma partida a partir de lances estanques, como se as tais falhas fossem eventos desconectados do fluxo de jogadas de compõem o jogo em si. A falta de ofensividade do ataque do Flamengo tem relação direta com o quanto a defesa fica exposta e sujeita ao ataque adversário, e nem a escalação de mais e mais volantes é capaz de alterar essa relação. Ainda tem o seguinte: quando acontecem falhas individuais a responsabilidade por elas deve ser igualmente dividida entre o jogador que falha e quem o escala. Isso chega a ser agressivo de tão lógico.

É totalmente desnecessário blindar artificialmente ao Rueda, que já chegou com uma blindagem orgânica, de quem pega o bonde andando pra dirigir o elenco que não montou de um clube em crise atuando em várias frentes de batalha simultâneas. A excessiva redesocialização da prematura campanha presidencial do Flamengo, cuja eleição só vai rolar no fim do ano que vem, tem proporcionado um terreno fértil pra proliferação de muitas meia-verdades e uma das muitas que por aí circulam é que o Rueda é inimputável.

Isto é, se o Flamengo perder você pode ficar p*, mas não com o Rueda. Só com o presidente, o CEO ou vice de futebol, que supostamente não entendem nada de futebol e não cobram os jogadores com a veemência e a publicidade que as arquibancadas virtuais exigem. Para seguir a nova etiqueta do futebol além de ter que torcer pra cartolas temos também que direcionar exclusivamente a eles as nossas vaias e assovios. Para alguns rubro-negros é extremamente difícil compreender que criticar um treinador não implica em consentimento com qualquer prática ou posicionamento da diretoria. Há uma brutal diferença entre Porr*, Rueda! e Fora, Rueda! Tem que ser muito tapado pra não perceber.

Os dirigentes têm enorme parcela de responsabilidade por tudo que o futebol do Flamengo conquista ou deixa de conquistar. As evidentes falhas do planejamento, a montagem equivocada do elenco, a precificação errada, a péssima escolha de palavras e tantas outras mazelas ficam na conta dos cartolas, que devem ser cobrados por seus vacilos. Mas nenhum deles perde gol, faz pênalti ou chega atrasado numa cobertura. Cada um com seus pobrema e com suas responsas.

Rueda é grandinho o suficiente para receber as críticas que merecer quando pisar na bola. Não devemos ser condescendentes com quem chegou cheio de moral, com duas classificações pra Copa e uma Liberta debaixo do braço. Ele tem formação e experiência suficientes para apresentar um trabalho muito melhor do que tem apresentado até aqui. A verdade é que até agora ele não conseguiu fazer o Flamengo jogar bem. Deve-se criticar a cartolada por isso, mas pode cornetar o Rueda também. Faz bem pro Flamengo. E quem sabe Rueda não faça parte da minoria da raça humana que é capaz de assimilar críticas e usa-las para o aperfeiçoamento? Xinga aí que tá liberado!

Mengão Sempre

ARTHUR MUHLENBERG


Marcadores:

Postar um comentário

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget