Fifa, PES, e o erro do Flamengo

Há um problema quando se põem na TV uma partida no Fifa. Quase não há times brasileiros. Flamengo e Corinthians são as ausências marcantes.

O GLOBO: Pedro Doria

Tomás tem 7, e Felipe, 6. São muito diferentes. Tom é paulistano, e Pipe, carioca. O mais velho tem uma queda por dinossauros, e o caçula, por super-heróis. Vez por outra sai um arranca-rabo. Mas uma coisa os une: o futebol. O Flamengo. E isso é um problema quando se põem perante a TV para uma partida no Fifa Soccer. Quase não há times brasileiros. Flamengo e Corinthians são as ausências marcantes.

Explica-se, para quem não é do ramo dos games. Há dois jogos para quem deseja uma partida de futebol virtual. Fifa Soccer, da americana Electronic Arts, e Pro Evolution Soccer, da japonesa Konami. Há inúmeras discussões a respeito de qual game é mais fiel ao jogo real, mas, do ponto de vista da qualidade gráfica, o Fifa ganha fácil. Estádios, torcida, até a textura do gramado são mais nítidos e, os craques, muito mais parecidos com os de carne e osso.

Foto: Reprodução
Além do mais, há números. Conforme o VgChartz, até 2016 foram vendidas 1,41 milhão de unidades do PES. E 16,15 milhões do Fifa. Não há comparação: um é muito mais jogado — e conhecido — do que o outro.

E, no entanto, os principais clubes brasileiros estão no PES, não no Fifa. O motivo é simples: o PES paga, e razoavelmente bem, pelo uso de imagem. O Fifa, não. Ainda assim, o dinheiro não é coisa do outro mundo.

Ao fechar esse negócio, os clubes brasileiros estão, talvez, cometendo um erro estratégico.

O mundo, convenhamos, é digital. E o digital se embrenha na vida de meninos que começam uma vida de entusiasmo com o futebol de muitas formas. Começa por assistir aos jogos. Os caminhos são inúmeros: de canais a cabo exclusivos à TV aberta, passando pela internet. Após os jogos, há as muitas variações on-line dos vídeos de melhores momentos. O tempo dos gols da rodada nas noites de domingo já se foi há muito.

O resultado concreto desse excesso de futebol é simples: os olhos, mesmo os pouco experientes, voltam-se para a qualidade. Tomás e Felipe conhecem a escalação do Flamengo. No estádio, reconhecem os jogadores. Apontam, pedem marcação, cobram troca de passes. Estão em casa, como se grandes fossem. Mas, no Brasil, é só.

Não conhecem os jogadores do Palmeiras, os do Atlético Mineiro ou os do Grêmio. Não conhecem, sequer, os dos tradicionais adversários regionais — Fluminense, Vasco, Botafogo.

A qualidade chama, pois é. As escalações que conhecem são as do Paris Saint-Germain, Barcelona e Real Madrid. Do Bayern. É porque veem mais esses jogos.

A experiência de futebol em sua geração não se limita aos jogos profissionais. Tom e Pipe jogam bola na escola, no clube, nos plays da vida. Quando jogam com seus amigos, todos vão com camisas de clube. A do Flamengo, claro. Tomás tem uma do Corinthians — seu time na cidade em que nasceu. De resto, os suspeitos de sempre: PSG, Real Madrid, Barcelona, Bayern, de seleções. Com seus amigos não é diferente.

E há, claro, o videogame. Que termina por ser o Fifa. Os craques que escolherão para representá-los são Neymar, Cristiano Ronaldo, Messi. E os clubes, europeus.

Futebol exige bons adversários: equipes para se temer, jogadores do outro lado que, quando pegam na bola, nos fazem prender a respiração. Uma vitória tem mais valor quando veio carregada de tensão. E, sejamos sinceros: faz parte da vida carregar da infância a memória de duas ou três derrotas particularmente sofridas.

Futebol é também share of mind. A concorrência europeia está vindo, e com força. Vai aumentar. Estar ausente do Fifa é ceder terreno fundamental.

(Aliás: mesmo no Flamengo os dois têm lá suas diferenças. Um preferiu que em sua camisa viesse escrito Zico. O outro, Guerrero.)


Marcadores:

Postar um comentário

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget