Só no Brasil, Guerrero realizou 13 antidoping e nunca foi pego

Todos tiveram resultado negativo para o jogador do Flamengo. A informação foi passada pela CBF à defesa do jogador e será utilizada.

GLOBO ESPORTE: A defesa do atacante Paolo Guerrero entrou nesta quinta-feira com um pedido de medida cautelar na Fifa para tentar interromper a punição preventiva de 30 dias do jogador. O peruano teve um resultado analítico adverso no teste antidoping realizado após a partida contra a Argentina, pelas Eliminatórias da Copa do Mundo de 2018.

O pedido foi feito ao Comitê Disciplinar da Fifa, em primeira instância, e a expectativa é de que uma resposta seja dada até esta sexta-feira. Caso seja recusado, a defesa de Guerrero vai à Câmara de Apelação da Fifa tentar a liberação do atacante. A última tentativa, se necessário, será o Tribunal Arbitral do Esporte (TAS), na Suíça.

Paolo Guerrero, atacante do Flamengo - Foto: Buda Mendes/Getty Images
A defesa do centroavante acredita que é possível conseguir a medida cautelar antes do segundo jogo da repescagem das Eliminatórias para a Copa do Mundo. Caso o pedido seja aceito, Guerrero poderá jogar a partida decisiva, que está marcada para o próximo dia 16, no estádio Nacional do Peru, em Lima, à 00h15 (de Brasília), e será liberado para atuar enquanto o caso é julgado.

Enquanto isso, Guerrero segue no Peru. O Flamengo aguardava o retorno do jogador aos treinamentos nesta quinta-feira, mas ele permaneceu em Lima aguardando uma resposta ao pedido feito à Fifa. Punido, ele só pode treinar em horários diferentes aos do restante do elenco rubro-negro, mas pode utilizar o Ninho do Urubu.

O advogado Pedro Fida e o bioquímico Luiz Carlos Cameron voltaram de Lima na última terça-feira, depois de diversas reuniões desde domingo com a Federação Peruana de Futebol. A defesa de Guerrero chegou ao Brasil otimista, alegando que foi descartado o uso de cocaína pelo jogador.

Segundo eles, o metabólito Benzoilecgonina - presente na cocaína - e encontrado na urina do centroavante do Flamengo é proveniente da folha de coca utilizada para chá consumido em diversos países da América do Sul.

Mas de onde vem essa certeza? Ainda segundo a defesa, o bioquímico Cameron recebeu o exame de urina da Federação Peruana de Futebol, o analisou e constatou que as outras substâncias encontradas - que não são consideradas doping - vinculam-se ao chá e não à droga.

Médico especialista em medicina do esporte e ex-conselheiro da Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem (ABCD), Luís Horta, porém, analisou o cenário proposto pelos advogados do atacante. Ele considerou a tese viável, porém muito difícil de se provar.

Agora, o que será investigado pela defesa é se houve contaminação em algum chá que Guerrero tenha tomado durante as Eliminatórias. O peruano alega que não tomou a bebida de coca, mas consumiu outros tipos de chá em sua viagem à Argentina - partida em que houve o resultado analítico adverso.

Ressalte-se que o chá de coca é considerado doping. A defesa, no entanto, quer comprovar que o consumo foi involuntário e pedir apenas a advertência do atacante. Nos casos de doping por estimulante, a pena prevista é de quatro anos.

Passado pesa?

O atacante Paolo Guerrero, desde quando chegou ao Brasil para atuar no Corinthians, em 2012, realizou 13 testes antidoping. Todos tiveram resultado negativo. A informação foi passada pela CBF à defesa do jogador e será utilizada.



Marcadores:

Postar um comentário

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget