Novas músicas para a torcida do Flamengo

REPÚBLICA PAZ E AMOR: Por Marcelo Dunlop

Uns culpam o goleiro, outros os cartolas e o treinador, mas apenas um grande vilão esteve presente em todas as más atuações do Flamengo, não apenas na temporada como nos últimos 20 anos: o silêncio.

O silêncio da nossa torcida é elemento raro, porém pernicioso, que entra em campo mais ou menos naquela hora em que o professor Rueda mete o Vinícius Júnior, ali pelo meio do segundo tempo. Não deveria, mas acontece. Muitas vezes, o mutismo se aproveita daquele momento em que torcedores organizados se esquecem de bater o bumbo para baterem uns nos outros.

Foto: Divulgação
Crítico ferrenho do bico calado no estádio (mesmo sendo um rouco resoluto), tenho sentido falta inclusive do canto da torcida chamando um a um os jogadores pelo nome, uma de nossas tradições imutáveis que têm sido emudecida.

Aflito com tudo isso, e principalmente com o tempo que não passa até a hora do jogo, colhi com amigos flamengos, todos compositores amadores, algumas canções inéditas nos estádios, que são rascunhadas com amor mas não chegam ao Maracanã (pois não têm os 80 mangos do ingresso).

Escolha sua melô favorita e vote nos comentários abaixo; o cântico favorito terá sua versão entoada pela Nivinha em vídeo exclusivo, é garantido!

* Do sucesso de Beth Carvalho, “Água de chuva no mar”, em versão com Pedrinho Magaldi (perdão Wanderley Monteiro):

Meu Maracanã não tem igual
Aqui argentino passa mal
Vem com paixão, raça e amor
É assim que joga o meu Mengo…

Toda a torcida vai cantar
Até a taça conquistar
Nessa viagem de explosão
É bom demais te amar, Mengão!

Para sempre vamos te amar (amar!)
Paixão que não vai nos deixar (deixar)
Contigo em qualquer lugar
Seja na terra ou no mar
É tão bonito, é tão bonito o nosso amor!

Ser Flamengo até morrer (morrer)
Fazendo o Maraca tremer (tremer)
Torcer, vibrar e vencer, nossa razão de viver é você…
(Flamengo sempre eu hei de ser…)

* Daquele rockzinho romântico do The Cure:

Eu não ligo pra segunda
Terça, vá tomar na bunda
O dia mais querido aqui é quarta
Tem Mengão!

E o domingo que não passa?
Sexta e sábado nem têm graça
Porra, passa logo, hoje é quarta
Tem Mengão!

Flamengooooo
Dia de raça e paixão
De ver o Mengo campeão!
Vamos vamos vamos Flamengo, conte comigo…

* Do hino eterno do saudoso Almir Guineto:

Ó Galo de Quintino pra quê…
Tanta desilusão, cadê você…

(Tá bom, parei.)


Muitas vezes, o mutismo se aproveita daquele momento em que torcedores organizados se esquecem de bater o bumbo para baterem uns nos outros.


Postar um comentário

[facebook]

FlamengoResenha

{facebook#https://www.facebook.com/FlamengoSouRubroNegro} {twitter#https://twitter.com/FlamengoResenha} {google-plus#https://plus.google.com/u/0/107993712547525207446} {youtube#https://www.youtube.com/channel/UCiHkjDj2ljgIbiv_zUvdG6g/videos}

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget