CBF tenta vender Campeonato Brasileiro para o exterior

RODRIGO MATTOS: A CBF realiza uma disputa informal entre agências para avaliar e negociar os direito de transmissão no Brasileiro no exterior a partir de 2019. Os clubes deram à entidade uma autorização para fazer essa negociação já que a Globo desistiu de comercializar o campeonato lá fora.

O problema é que o valor arrecado com o Nacional no exterior costuma ser bem pequeno comparado com o que se ganha no país. A ideia da CBF ao contratar uma agência é justamente fazer um trabalho para avaliar mercados potenciais e formas de comercializar o campeonato com maiores vantagens. O foco é em aumentar a exposição da competição.

Está previsto que cinco ou seis agências de marketing esportivo entreguem propostas de comercialização do Nacional até a próxima sexta-feira. Ou seja, não há critérios definidos como uma licitação em que os concorrentes marcam pontos em cada item. Com todas as propostas na mão, a CBF vai avaliar qual é a melhor de negociar o campeonato.

Foto: Gilvan de Souza
Dificilmente haverá uma agência que se arrisque a propor um valor garantido alto pelo parco interesse no Brasileiro fora do país. Por isso, a proposta deve envolver uma forma de dar maior visibilidade ao campeonato em outros territórios.

O baixo valor obtido pelo Brasileiro no exterior se deve a vários fatores: falta de uma marca consolidada, promoção pequena da competição, calendário desorganizado, ausência de estrelas internacionais nos times, fuso-horário ruim. Essa é a avaliação de uma fonte envolvida no processo. Além disso, a Globo continuará a deter o direito de exibir os jogos em seu canal internacional.
Por isso, haverá estudos inclusive para saber se o melhor é comercializar por meio de venda do ativo para redes de televisão ou se pode se usar outras plataformas como a internet. Algumas ligas como a NBA e a de beisebol já têm comercialização por assinatura paga na rede. Outra questão é a de construção de marca do Brasileiro lá fora, que é feito de forma fragmentada por isso.

É exatamente por conta dessas dificuldades que a Globo desistiu de renovar os contratos sobre os direitos internacionais do Brasileiro na negociação dos novos contratos em 2016. A emissora ficou com esses direitos e suas vendas apenas até 2018 quando já realiza o processo.

A partir daí, a CBF reuniu todos os clubes no ano passado e se propôs a realizar essa comercialização do Nacional. Os clubes da Série A assinaram, então, uma cessão à confederação dos seus direitos para realizar a negociação. Mas, no caso de haver uma proposta fechada pelos direitos, os clubes terá de aprovar a venda do campeonato em posterior contrato.

O problema é que o valor arrecado com o Nacional no exterior costuma ser bem pequeno comparado com o que se ganha no país.



Postar um comentário

[facebook]

FlamengoResenha

{facebook#https://www.facebook.com/FlamengoSouRubroNegro} {twitter#https://twitter.com/FlamengoResenha} {google-plus#https://plus.google.com/u/0/107993712547525207446} {youtube#https://www.youtube.com/channel/UCiHkjDj2ljgIbiv_zUvdG6g/videos}

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget