Póvoa crê que Varejão possa alavancar o Basquete do Flamengo

GLOBO ESPORTE: Concretizada na semana passada, a contratação de Anderson Varejão foi conduzida por Alexandre Póvoa e Marcelo Vido. Os dois, que estão no Flamengo desde o início da gestão Eduardo Bandeira de Mello, trabalharam incansavelmente para que a negociação tivesse um final feliz e obtiveram êxito em uma empreitada considerada difícil em todos os sentidos. Este acerto só comprova a credibilidade de ambos no mercado nacional e internacional.

Vice-Presidente de Esportes Olímpicos do clube, ex-jogador da modalidade e torcedor, Póvoa é um dos maiores responsáveis pela reestruturação do basquete. Entusiasta do modelo autossustentável, contribuiu, de forma direta, para que o rubro-negro atingisse o patamar atual. Sua competência é bastante comentada/elogiada na Gávea. Justiça seja feita, há merecimento.

Foto: Gilvan de Souza
Após a coletiva de apresentação, no Salão Nobre, Alexandre concedeu uma entrevista exclusiva ao GRN, que você confere na íntegra a seguir através de tópicos.

Felicidade pela aquisição e os prós no cenário do esporte

"Estou muito feliz, ainda mais como rubro-negro. O Anderson é um reforço que, dentro de quadra, não se discute. É um jogador de altíssimo nível, que ficou doze anos na NBA e é titular da seleção brasileira. E, ao mesmo tempo, é um cara que traz muita possibilidade de alavancar o basquete do Flamengo fora. O basquete do Flamengo já puxa o basquete nacional, mas deveria puxar mais. O esporte tem que reassumir o segundo lugar do Brasil. E, com o Anderson vindo, existe uma possibilidade grande da gente conseguir isso."

Bastidores do negócio

"O primeiro contato com o Anderson foi no meio da temporada passada, em julho ou agosto, por aí. Ele tinha interesse em conversar, mas estava com a cabeça focada na NBA. Continuamos conversando e montamos um time sem ele. Lá em novembro, ele nos ligou e disse que poderia estar vindo. Então, a coisa foi se estreitando a partir do momento em que ocorreu o deadline da inscrição do NBB. Nos últimos dias, houve muita troca de proposta e o Anderson sempre demonstrou que defender o Flamengo era um interesse dele, até pela raiz flamenguista. Fiquei muito feliz de ver a credibilidade do nosso trabalho. Fechamos a contratação no domingo à noite. No fim de semana, acertamos uma coisa aqui, outra lá, e ficamos de ver a questão da inscrição. Já estávamos com a logística pronta. Na segunda de manhã, contactamos a CBB e a Federação Carioca. Foi rápido. A FIBA deu o ok na terça à noite e, a LNB, quarta de manhã. Tivemos um certo medo de não dar tempo, mas ocorreu tudo bem."

Crescimento do time e como Varejão vai se encaixar

"O time vem crescendo muito nos últimos tempos. Não fizemos uma boa Liga Sul-Americana e o começo no NBB foi difícil, porém, a equipe está se entrosando com muitas opções táticas diferentes. Jogando não apenas da forma tradicional, mas com três baixos e o Marquinhos de ala-pivô. Agora, teremos a oportunidade de jogar com dois pivôs. O JP Batista está em um ano espetacular e pode atuar junto com o Anderson. O José Neto ganha muito com isso e, se Deus quiser, vamos vencer esse NBB, para, na próxima temporada, voltarmos a conquistar títulos internacionais."

'Marca Anderson Varejão' e até que ponto o clube vai explorar internamente e externamente

"No impacto externo, temos que capitalizar o carisma dele para expandir. Seja na Arena ou fora, na venda de produtos... Enfim, usar a imagem. Interno, vai ser um marco. O Flamengo é muito forte no futebol. É claro que a gente tentou crescer no basquete, mas o contrato do Anderson não é pequeno. Nos obriga a buscar outras receitas que não sejam as tradicionais. O Varejão vai nos ajudar bastante nesse sentido. Queremos que as pessoas passem a olhar o esporte olímpico, no caso o basquete, como algo mais profissional e intenso. Vai ser um divisor de águas. Teremos vinte meses de contrato e vamos buscar isso, não importa quem seja o próximo presidente do Flamengo. Ter uma figura como o Anderson é algo importantíssimo."

Amadurecimento da equipe depois da Liga Sul-Americana, troca de Humberto por Mogi e análise pessoal do elenco

"O que eu disse naquela época, eu repito agora, o time poderia ter jogado muito mais. Já tinhamos um armador venezuelano de seleção, um dominicano também... Estamos falando de jogadores da seleção brasileira, como Marquinhos, Marcelinho, JP Batista e Olivinha. E ainda tinha o Rhett, que não chegou no nível que pode chegar, e defende seu país. O elenco já era qualificado, mas estávamos mal. Infelizmente, a contratação do Humberto deu errado, a verdade é essa. Ele nunca conseguiu repetir, no Flamengo, o que jogou no Pinheiros. Tudo bem que teve duas lesões sérias, mas não estava feliz aqui. Liberamos na hora e resolvemos trocar. Não criamos dificuldades para a saída. O Mogi é um jogador de potencial grande, explosão e defesa. Tenho certeza que vai ajudar. E ainda tem o João Vitor, que cresceu bastante. A chegada do Anderson pode fazer com que a gente atue com dois pivôs. Particularmente, é uma coisa que quero ver. Eu acho espetacular o que conseguimos fazer. Cumprimos a nossa missão e esperamos que o time continue correspondendo e que a torcida venha junto."

Troca de 'casa' no NBB 10

"Vou te confessar. Dentro do clube, eu era o mais reticente à mudança para a Arena Carioca 1. Eu tinha muito medo, pois é longe e não tem um fácil acesso. O Tijuca era um local que a torcida já estava acostumada a ir, mas isso mudou. Tem a questão da violência e de tudo que o Rio de Janeiro vem passando. Teve, também, a briga entre a nossa torcida no jogo contra o Vasco. A mudança para a Barra acabou sendo uma boa, e o torcedor acompanhou. A Arena é novidade. Com o Varejão, temos um espaço legal para aumentar e receber mais público lá dentro. Estou muito animado."

Avaliação da chegada do camisa 17 para o grupo, elogios a João Vitor e confiança no elenco

"Nós temos que ter cuidado para não ganharmos um jogador e perdermos outros. Isso vale para qualquer um. E cabe à comissão técnica, junto conosco, conversar bastante. E já começou. Estivemos na Arena batendo um papo com os atletas, afinal, cada um tem seu impacto. Precisamos transformar a vinda do Anderson em algo positivo para todo o grupo. Conversei com o João Vitor. Eu falei pra ele que a vida deu uma chance de ouro. Treinar com o JP, que é altamente técnico, e com o Varejão, que dispensa comentários. Ele tem que aproveitar, 'comer grama', e aprender. Eu senti o João animado. Ele teve uma evolução clara nos últimos meses. Isso foi mérito total da comissão e da Diretoria, que apostou. Tem tudo para explodir, é novo ainda. E bem inteligente. Tem um contrato longo (três ou quatro anos) e vai ter tempo de quadra. Temos que administrar todas as variáveis que podem ocorrer em um grupo de alto nível. O Varejão é um cara humilde e vai ajudar muito nesse processo. Os mais experientes irão ajudar na adaptação e teremos um ganho de qualidade."

Este acerto só comprova a credibilidade de ambos no mercado nacional e internacional.



Postar um comentário

[facebook]

FlamengoResenha

{facebook#https://www.facebook.com/FlamengoSouRubroNegro} {twitter#https://twitter.com/FlamengoResenha} {google-plus#https://plus.google.com/u/0/107993712547525207446} {youtube#https://www.youtube.com/channel/UCiHkjDj2ljgIbiv_zUvdG6g/videos}

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget