Dívida do Flamengo já despencou para R$ 370 milhões

GLOBO ESPORTE: O confronto desta quarta-feira entre Flamengo e River Plate, no Estádio Nilton Santos, pela Libertadores, colocará frente a frente mais do que dois gigantes do futebol sul-americano. Além de tradição, títulos e milhões de torcedores, Fla e River são os dois clubes com maior faturamento no Brasil e na Argentina, respectivamente. E, para 2018, a equipe argentina fez, literalmente, valer o apelido "Millionarios".

O River Plate foi quem mais investiu em contratações entre todos das Américas. Foram aproximadamente € 32,29 milhões - o equivalente a quase R$ 128,5 milhões. O principal reforço foi o atacante Lucas Pratto, comprado ao São Paulo por € 11,5 milhões. Ao todo, foram nove aquisições e um empréstimo com custo. Como comparação, o clube brasileiro que mais gastou no mesmo período foi o São Paulo, com € 15,79 milhões, algo em torno de R$ 59,6 milhões.

Foto:Gilvan de Souza
- Investimos o que o Conselho de Futebol, sob a liderança do presidente, acreditou estar de acordo com o trabalho realizado pela direção técnica do Marcelo Gallardo. O objetivo claro foi montar uma equipe competitiva, já que teremos pela frente vários torneios importantes e para isso é indispensável contar com um time com variantes e jogadores que ajudem a hierarquizar o elenco. Foi realizado um grande esforço para trazer Pratto do futebol brasileiro, Quintero, Zucullini e Armani. Esperamos cumprir os objetivos do ano e ter outra grande temporada, institucionalmente e esportivamente - comentou Jorge Brito, primeiro vice-presidente do clube.

Segundo o balanço financeiro do clube na temporada 2016/2017, o faturamento no período foi de 2 bilhões de pesos (aproximadamente R$ 400 milhões), com superávit de R$ 63 milhões. As principais fontes de receita são: bilheteria e arrecadação em dias de jogos (30%), programas de sócios (30%) e patrocínios (mais de 20%). Mais abaixo estão os direitos de transmissão em TV e bônus de competições (cerca de 10%). A diretoria não inclui na conta a venda de jogadores, porque não é um tipo de receita planejada. Mas na atual temporada, 2017/2018, o River já faturou cerca de € 41,7 milhões com a negociação de atletas. As principais vendas foram de Lucas Alario para o Bayer Leverkusen (ALE), por € 24 milhões, e Sebastián Driussi para o Zenit (RUS), por € 15 milhões.


É importante lembrar que o River Plate foi rebaixado no Campeonato Argentino em 2012 e quase chegou à falência em 2013, com uma dívida total de mais de R$ 110 milhões. Foi no fim daquele ano que assumiu o atual presidente do clube, Rodolfo D'Onofrio (reeleito em dezembro). A então nova administração tomou medidas como a profissionalização da gestão, renegociações de dívidas, o lançamento do programa de sócio-torcedor "Tu lugar en el Monumental" (Seu Lugar no Monumental, em português), com descontos anuais para os sócios, o desenvolvimento da comercialização de ingressos e pacotes, além de um mecanismo de indexação para as cotas dos afiliados. O faturamento praticamente dobrou em cinco anos.

- O principal norte da gestão desde a chegada (de D'Onofrio) foi que o clube conseguisse o equilíbrio operacional, econômico e financeiro, e todas as medidas que se seguiram foram neste sentido. Além disso, renegociar contratos com nossos patrocinadores, que estavam muito abaixo do mercado naquele momento. O grande trabalho realizado com a marca "River" e essas renegociações se somam a várias medidas (citadas acima), porque antes o clube estava em uma crise terminal. Passando aos aspectos mais duros das finanças, o relacionamento com o sistema financeiro mudou drasticamente ao ver um grupo de profissionais responsáveis pelo clube, o que permitiu melhorar os acordos com bancos - explicou o vice-presidente do River.

Os resultados positivos também aconteceram dentro de campo e permitiram que esse reequilíbrio fosse atingido mais rapidamente. O River conquistou o Torneio Final de 2014, a Copa Primeira Divisão 2013/2014 e a Copa da Argentina em 2016 e 2017. No âmbito internacional, faturou a Sul-Americana de 2014, a Recopa Sul-Americana de 2015, a Libertadores de 2015 e a Recopa Sul-Americana de 2016.

- Hoje o sócio pode dizer que o River conta com uma economia saudável e sustentável. A sustentabilidade foi um pilar fundamental na governança do River Plate - disse Jorge Brito.

Flamengo: exemplo de recuperação financeira no Brasil

É possível traçar um paralelo entre essa reabilitação econômica do River Plate e a do Flamengo. No primeiro ano da gestão do grupo do presidente Eduardo Bandeira de Mello, o clube começou 2013 no vermelho, com um passivo a descoberto (quando a soma dos bens e direitos não cobre o valor das obrigações contraídas) de R$ 424 milhões negativos. O rombo total nas contas era de R$ 750,7 milhões. Em 2017, o Flamengo fechou o ano no azul, com patrimônio líquido, ou seja, saldo positivo, de R$ 42 milhões. A dívida geral caiu para R$ 370 milhões - foi cortada praticamente pela metade, em cinco anos.

- O Flamengo tem hoje em dia uma dívida absolutamente equacionada. O Flamengo é um clube solvente, no azul. Para cada R$ 1 que o Flamengo ganhava, tinha R$ 3,6 para pagar de dívida. Agora a proporção é de R$ 1 para R$ 0,64 de dívida. O Flamengo começa hoje a dar superávit, e dessa forma consegue fazer reinvestimentos no futebol. O tripé é: credibilidade, contenção das despesas e diversificação das receitas. Isso é fundamental. Você demonstra ao mercado que você é um novo clube, capaz de honrar as dívidas, que pensa positivamente e com um olhar amplo para as finanças do clube, não só esportivo, sabendo que o resultado é imprescindível de uma base financeira-administrativa adequada - contou o vice-presidente de Finanças do Flamengo, Cláudio Pracownik.


Segundo os valores preliminares do próximo balanço financeiro, o Flamengo atingiu em 2017 o maior faturamento da história do futebol brasileiro e das Américas: R$ 633 milhões. O superávit foi de R$ 125 milhões. As receitas foram impulsionadas pela transferência de jogadores: R$ 184,2 milhões. Ao contrário do River, o Flamengo detalha esse tipo de fonte no orçamento.

Um exemplo foi a venda do atacante Vinícius Junior, para o Real Madrid, por € 45 milhões, o equivalente na época a R$ 164,7 milhões. Os patrocínios renderam R$ 96,9 milhões, o programa sócio-torcedor geraram R$ 43 milhões, a bilheteria mais R$ 62,2 milhões e outras fontes somaram R$ 27,8 milhões. Mas o carro-chefe ainda são os direitos de transmissão e suas premiações, que representam cerca de 45% do faturamento total.

- É uma fonte que efetivamente é fundamental, mas ela tem um porquê. Ela é gerada pela própria torcida do clube, é o retorno que o Flamengo dá de mídia. O Flamengo ganha mais porque entrega mais. Existe uma proporcionalidade entre o que ele representa dentro da mídia e o que ele recebe. O Flamengo vem buscando equilibrar as suas receitas, dentro de uma ideia de diversificação. O Flamengo tem um orçamento equilibrado, traçado sempre com conservadorismo. Não colocamos vendas excepcionais no futebol, premiações extraordinárias. O Flamengo busca administrar financeiramente e maximizar o seu caixa, para reduzir os custos. Manter despesas em ordem, traçar o orçamento com conservadorismo, e qualquer coisa que seja extraordinária seja tratada assim e reinvestida no Flamengo - comentou Cláudio Pracownik.

Ainda de acordo com as informações do clube, aproximadamente 55% do faturamento total é reinvestido no futebol. No ano passado, mais de R$ 60 milhões foram para o pagamento de contratações, novas ou parcelas de antigas. Até agora em 2018, o Flamengo gastou R$ 11 milhões, para trazer o centroavante Henrique Dourado. Um valor distante dos R$ 128,5 milhões que o River Plate aplicou para este ano. A recuperação econômica do "co-irmão" argentino é vista com bons olhos.

- O River este ano foi muito ativo nas contratações. No nosso começo aqui no Flamengo, desse crescimento paulatino, era difícil contratar jogadores. Depois, com o tempo, o Flamengo foi se tornando porto seguro de jogadores e passamos a ser procurados por jogadores. E isso tem acontecido com mais intensidade. O Flamengo trabalha olhando para si mesmo, mas tem uma filosofia de que o mercado cresça: o Flamengo quer ser grande no meio de grandes. Tomara que o River Plate siga o seu caminho e seja um dos grandes do futebol, e com isso o mercado latino-americano cresça como um todo. Quanto maior o bolo, maior a fatia dos seus integrantes. Vamos torcer para o bolo aumentar - disse.

Em 2017, o Flamengo fechou o ano no azul, com patrimônio líquido, ou seja, saldo positivo, de R$ 42 milhões.



Postar um comentário

[facebook]

FlamengoResenha

{facebook#https://www.facebook.com/FlamengoSouRubroNegro} {twitter#https://twitter.com/FlamengoResenha} {google-plus#https://plus.google.com/u/0/107993712547525207446} {youtube#https://www.youtube.com/channel/UCiHkjDj2ljgIbiv_zUvdG6g/videos}

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget