Entenda o esquema do Flamengo com apenas um volante

LANCE: O Flamengo entrou para o jogo contra o Nova Iguaçu já classificado para a semifinal da Taça Guanabara e o duelo da tarde do último domingo no Mané Garrincha foi uma espécie de "treino de luxo" para Carpegiani testar um novo esquema tático e analisar os seus comandados.

O treinador Rubro-Negro saiu do 4-2-3-1, esquema que muito utilizado pelos últimos treinadores do clube, para o 4-1-4-1, que surpreendeu os torcedores no último domingo. Único volante do time foi o colombiano Cuéllar, mas os quatro meias ajudaram na parte defensiva e time não sofreu com as investidas do adversário. 

- Não sofremos sustos. Mesmo com um volante, tivemos a superioridade. Tentamos propor o jogo. Isso é fruto e mérito da parte defensiva, do coletivo - explicou Carpegiani.

ENTENDA COMO FUNCIONOU O ESQUEMA TESTADO

Cuéllar ficou responsável pela marcação na frente da defesa e quando o time recuava, os jogadores mais abertos na segunda linha de quatro automaticamente voltavam para marcar e segurar o ataque adversário. Diego, Everton, Everton Ribeiro e Lucas Paquetá também pressionaram a saída de bola do Nova Iguaçu, dificultando a proposta de jogo do rival.


ESTREANTES AGRADARAM

A partida do último domingo no Mané Garrincha, em Brasília (DF), marcou as estreias de três jogadores importantes do elenco em 2018. O zagueiro Juan, o meia Diego e o atacante Everton entraram em campo pela primeira vez na temporada e receberam elogios do treinador.

- Muitos jogadores voltaram hoje, aos poucos estão retomando a forma ideal. Sábado teremos a primeira semifinal e estou satisfeito com o trabalho - comentou Carpegiani, projetando o clássico contra o Botafogo.

QUEDA DE RENDIMENTO NO SEGUNDO TEMPO

Na etapa final de partida, Carpegiani promoveu três alterações no time e o estilo de jogo acabou mudando, por não ter um centroavante no banco de reservas. Enquanto esteve em campo, Lincoln foi a referência lá na frente, mas entradas de Vinicius Jr e Marlos deixaram o Rubro-Negro sem um "camisa 9".

O time ganhou muito em velocidade e movimentação no ataque, mas acabou perdendo a referência dentro da área. O Rubro-Negro chegava bem pelos lados, mas faltava alguém na pequena área para empurrar a bola para o fundo da rede.

ENTENDA A MOVIMENTAÇÃO DO FLAMENGO NA ETAPA FINAL


Sem Lincoln, o esquema que no primeiro tempo foi o 4-1-4-1, foi alterado para o 4-1-3-2 com Vinicius Jr e Marlos Moreno flutuando no ataque. A dupla caiu bem pelos lados, conseguia levar perigo para os defensores adversários, mas a bola teimava em não entrar.

O Flamengo ficou com um homem a mais na segunda etapa e isso também fez com que Paulo César Carpegiani adiantasse seu time, para pressionar o Nova Iguaçu. Do Cuéllar para frente, todos avançaram e apertaram mais a marcação. No fim, o Rubro-Negro foi recompensado com um belo gol de Rhodolfo. 

Único volante do time foi o colombiano Cuéllar, mas os quatro meias ajudaram na parte defensiva e time não sofreu com as investidas do adversário.



Postar um comentário

[facebook]

FlamengoResenha

{facebook#https://www.facebook.com/FlamengoSouRubroNegro} {twitter#https://twitter.com/FlamengoResenha} {google-plus#https://plus.google.com/u/0/107993712547525207446} {youtube#https://www.youtube.com/channel/UCiHkjDj2ljgIbiv_zUvdG6g/videos}

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget