Flamengo citará até Corinthians para reduzir pena na Libertadores

GLOBO ESPORTE: No lugar da chuteira e da camisa rubro-negra, terno e gravata. O departamento jurídico do Flamengo entra em campo às 10h30, em Luque, na sede da Conmebol, no Paraguai, para audiência considerada fundamental na Libertadores de 2018. Na pauta, o julgamento da punição original de dois jogos sem torcida em casa e a multa de US$ 300 mil, referentes às brigas e confusões na final da Sul-Americana de 2017 no Maracanã. Lembre dos incidentes no vídeo acima.

O Flamengo vai pedir o arquivamento da punição - o que significaria a anulação da pena - ou, pelo menos, a redução da pena e até pena alternativa contra o prejuízo técnico e financeiro de jogar duas partidas sem torcida no estádio de futebol.

Foto: Reprodução
Contratado pelo Flamengo, o advogado Pedro Fida, que também representa Paolo Guerrero no julgamento da Corte Arbitral do Esporte (ainda sem data para ser realizada), entrou com medida cautelar - que provoque efeito imediato ao resultado do julgamento. O departamento jurídico tem a esperança de, em caso de reforma da sentença, conseguir vender ingressos e ter torcedores para enfrentar o River Plate no Nilton Santos na próxima quarta-feira (28).

O que o Flamengo vai apresentar em Luque:

Testemunha de defesa - A defesa vai pedir a participação do diretor de Novos Negócios do Flamengo, Marcelo Frazão. O dirigente do Rubro-Negro vai prestar depoimento e vai citar os esforços do clube, junto às autoridades governamentais e de segurança, que incluíram o pedido e alerta de efetivo máximo para a partida da final da Sul-Americana. Havia receio de novos problemas no estádio, pois na final da Copa do Brasil, contra o Cruzeiro, e em outras partidas no Maracanã também houve confusão e brigas nos jogos do Flamengo.

Além disso, o advogado do Flamengo vai apontar que houve efetivo policial e de agentes de segurança inferior a grandes jogos na cidade do Rio de Janeiro, no Maracanã. A narrativa, neste caso, vai lembrar a falência econômica do Estado e os prejuízos à população e, consequentemente, aos eventos de entretenimento na capital, o que inclui o efetivo menor em jogos de futebol.

Intervenção federal no Rio de Janeiro - Aprovada na madrugada dessa quarta-feira, o decreto que autoriza a intervenção federal na segurança pública no Rio de Janeiro será levada para o julgamento do Flamengo. Em primeira instância, no recurso apresentado à Conmebol, o Rubro-Negro já havia citado o descontrole na segurança pública do Estado, mas o decreto, assinado na última sexta-feira (16), pelo presidente da República, Michel Temer, passando para as Forças Armadas os comandos da Polícia Civil e Militar reforça, no entendimento da defesa do Flamengo, que o clube não pode se responsabilizar pela violência nos arredores e no estádio.

A morte de Kevin em Oruro - A morte de Kevin Espada, na Libertadores de 2013, na partida entre San José e Corinthians, em Oruro, será um dos exemplos citados pela defesa rubro-negra como casos mais graves com punição mais branda. Na ocasião, a primeira pena anunciada pela Conmebol era pela proibição de público em todos jogos corintianos na competição internacional naquele ano. A decisão, posteriormente, foi reformada.

O time paulista terminou cumprindo apenas um jogo de punição - que teve quatro torcedores, que conseguiram liminar na Justiça para apoiar o Corinthians do estádio - e a punição terminou sendo de multa (US$ 200 mil), além de jogar sem torcida nas partidas fora de casa por 18 meses.

Sem prejuízo ao espetáculo - Apesar de invasões à praça esportiva (no caso, o Maracanã, com portões derrubados e vandalismo dentro do estádio) e outros casos de desordem, o Rubro-Negro vai defender que os incidentes mais graves foram do lado de fora do estádio, onde a responsabilidade é do Estado, da Polícia Militar. Ou seja, do governo estadual.

Além disso, o jurídico do clube vai lembrar que não houve prejuízo ao espetáculo - seja em ferimento a jogadores, dirigentes ou atraso do jogo, que comprometessem a final ou a participação de patrocinadores.

A morte de Kevin Espada, na Libertadores de 2013, na partida entre San José e Corinthians, em Oruro, será um dos exemplos citados pela defesa.



Postar um comentário

[facebook]

FlamengoResenha

{facebook#https://www.facebook.com/FlamengoSouRubroNegro} {twitter#https://twitter.com/FlamengoResenha} {google-plus#https://plus.google.com/u/0/107993712547525207446} {youtube#https://www.youtube.com/channel/UCiHkjDj2ljgIbiv_zUvdG6g/videos}

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget