Meias são responsáveis por 40% dos desarmes do Flamengo

No clássico, foram menos desarmes, com participação um pouco menor do quarteto, que ajudou em quatro roubadas de bola das 15 efetuadas.

GLOBO ESPORTE: Não apenas dois jogos - e diante de adversários que não exigiram muito da equipe rubro-negra. Ainda falta muito para avaliar a consistência do sistema com um volante fixo na marcação e quatro meias em linha fechando espaços e avançando em bloco. Mas a proposta de Paulo César Carpegiani está em processo de construção.

Contra o Nova Iguaçu, estreia com este esquema na temporada, e diante do Botafogo, o Flamengo se comportou bem na maior parte do tempo, controlando os adversários. Após a vitória sobre o Alvinegro, por 3 a 1, em Volta Redonda, na semifinal da Taça Guanabara, Carpegiani definiu de maneira simples o que queria nesta formação:

- Se eu quisesse alguém no meio só para marcar, colocaria zagueiros - disse o treinador do Flamengo.

Na estreia do 4-1-4-1, a organização do Flamengo na saída de bola do Nova Iguaçu (Foto: Amanda Kestelman)
De acordo com levantamento do site Footstats, contra o Nova Iguaçu, 40% das vezes (12 em 30 desarmes) em que a bola foi retomada pelo Flamengo o autor do combate foi um dos quatro da linha de meio. Éverton Ribeiro desarmou cinco vezes, mesmo número de Cuéllar, por exemplo. Everton (uma), Diego (uma) e Lucas Paquetá (três) também ajudaram o sistema defensivo.

Pelo mapa de calor, é possível observar lado esquerdo (com Everton e Paquetá) mais equilibrado do que o direito, com Diego participando menos na fase defensiva (Foto: Reprodução site Footstats)
No clássico, foram menos desarmes, com participação um pouco menor do quarteto, que ajudou em quatro roubadas de bola das 15 efetuadas (índice de 27% do total). Mas a movimentação era nítida em campo. Veja nas imagens do mapa de calor logo acima.

- A gente está se ajudando dentro de campo. No primeiro tempo nós sentimos isso, estávamos bem organizados. Mas no segundo tempo perdemos um pouco a marcação, o que temos que melhorar. Quando se ganha é mais fácil corrigir os erros - comentou Cuéllar depois da semifinal.

Contra o Botafogo, Cuéllar pouco passou da intermediária ofensiva (Foto: Site Footstats)

O posicionamento de Cuéllar na última rodada do Brasileiro do ano passado, contra o Vitória (Foto: Site Footstats)
Após realizar a pré-temporada com o Rubro-Negro, Éverton Ribeiro se sente melhor em campo. Lembrando que a equipe ainda está longe da melhor forma física, ele ressaltou a troca de posições e a ocupação de espaços.

- Não estamos dando espaço. Está todo mundo se ajudando. A gente está jogando sem posição fixa. Só ocupando espaço, ajudando a marcação, posicionando muito bem. Quando estiver perto da bola temos que pressionar. O professor pede empenho tanto no ataque quanto na defesa - afirmou o meia-atacante do Flamengo.


Marcadores:

Postar um comentário

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget