Conheça o recém reformado-estádio do Emelec, rival do Flamengo

GLOBO ESPORTE: O conceito de caldeirão é vasto no futebol sul-americano. Num ambiente de Libertadores às vezes se espera campos acanhados, muito antigos e mal preservados. A nova casa do Emelec, adversário do Flamengo nesta quarta-feira, às 21h45 (horário do Brasil), vai na contramão. O estádio George Capwell ficou dois anos e meio fechado para reabrir como orgulho dos elétricos.

Na quarta reforma desde a inauguração em 1945, “la caldera” não é um estádio de luxo. E nem precisa ser. Mas tem praticamente tudo que precisa para ajudar na construção da alma de um bom time sul-americano: torcedores perto do campo, acústica apropriada e boas instalações, com mais conforto para quem quer – e pode pagar por mais – e arquibancadas livres – e de pé – para quem não aguenta ver seu time do coração sentado na tribuna.

Foto: Raphael Zarko
A reinauguração em setembro de 2016 foi possível graças à demanda acumulada que a diretoria do Emelec enxergou na sua antiga casa. Foram vendidos em um mês 400 camarotes – que eles chamam de suítes -, que ficam distribuídos nas entradas Rua General Gomés – o primeiro edifício de arquibancada construído nos anos 1940 –, na Rua Juan Pío Montúfar, na avenida Quito e na entrada San Martín, a mais recente, mais alta e mais moderna.

- A construção se deu em dois pilares: a venda de “suítes”, que chegam a ter de oito a 28 lugares, com bar, banheiro particular, sala, e o aporte do patrocinador, o Banco del Pacífico, que explora a publicidade do estádio. A demanda de camarotes era altíssima e correspondeu a 50% de todo investimento – explica o arquiteto Oxmer Lavayen, que desenhou o projeto do novo Capwell.

O custo total da reforma é estimado em US$ 30 milhões - cerca de R$ 100 milhões. Além dos camarotes, foram vendidas duas mil cadeiras para sócios proprietários. O número de associados não é grande se comparado aos do futebol brasileiro, mas cresceu de quatro mil para quase oito mil, informou a assessoria do clube. A média de pagantes é de 22 mil por partida desde a reinauguração.

No projeto, as torres de 42 metros, além de fechar a acústica do estádio, para ter efeito de caldeirão, também servem como escritórios administrativos do clube – que hoje funciona todo dentro dos 200 metros quadrados de área do estádio George Capwell. Do lado de fora, há lojas de lanchonetes e outros comércios também. No novo desenho do estádio os alambrados também foram retirados – o torcedor fica a seis metros do campo em três das quatro linhas. Na arquibancada do banco de reservas, um metro mais distante.

- As torres e a fachada unificam todo o estádio, fecham a circulação. Tudo para gerar um microclima dentro do estádio – contou o arquiteto “emelecista” de 38 anos.


O estádio George Capwell ficou dois anos e meio fechado para reabrir como orgulho dos elétricos.



Postar um comentário

[facebook]

FlamengoResenha

{facebook#https://www.facebook.com/FlamengoSouRubroNegro} {twitter#https://twitter.com/FlamengoResenha} {google-plus#https://plus.google.com/u/0/107993712547525207446} {youtube#https://www.youtube.com/channel/UCiHkjDj2ljgIbiv_zUvdG6g/videos}

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget