Quem contrata tem que ser cobrado também

FOX SPORTS: Por Fábio Azevedo

Não foi pelo resultado de ontem, mas pelo ano de 2017. Falo isso nos programas do FOX Sports e reitero aqui: o Flamengo não mudou em 2018. Claro que algumas peças foram embora, como Muralha, Rafael Vaz e Marcio Araújo, mas isso não seria suficiente para alterar erros pontuais.

A lentidão da zaga rubro-negra segue, assim como a pouca proteção ao sistema defensivo. O poder de criação segue limitado aos jovens, quando os mais experientes têm que pegar a bola e fazer o jogo rodar. As peças mais caras seguem rendendo pouco.

Além destes erros, a apatia segue fazendo parte quando a adversidade aparece no campo. Basta sair um gol do adversário para que a toalha seja jogada e que apenas o grito de “Vamos, vamos” seja dito por um ou outro jogador. Isso é pouco.

Rodrigo Caetano na apresentação de Rômulo no Flamengo - Foto: Gilvan de Souza
Para agravar, a voz da arquibancada está em silêncio. Claro que por culpa de muitos “valentões” travestidos de Flamengo e que só prejudicaram o clube, que eles dizem que amam. Sem torcida no estádio nos dois primeiros jogos, a força extra não vem. O que fazer?

Treinar, não desanimar por um empate e encontrar soluções a curto prazo. E não adianta olhar para a arbitragem para apontar o dedo como se resolvesse tudo assim. O Flamengo é grande e o pensamento precisa ser esse. Fora de campo, a diretoria faz um excelente trabalho nas áreas financeiras e jurídica, mas tecnicamente ainda está a desejar.

Claro que tudo não pode cair nas costas do técnico Paulo César Carpegiani, que chegou no início da temporada, mas ele precisa atuar, mostrar quanto dói para o torcedor o que vem acontecendo nos últimos anos nas competições internacionais. Não dá para aceitar que tudo é normal.

Quem contrata tem que ser cobrado também, pois a falta de boas opções recai em quem tem o poder da caneta na mão. Com o dinheiro e o centro de inteligência para mapear o mercado que tem, o Flamengo não pode aceitar algumas escolhas feitas e o dinheiro gasto.

Mas nem tudo é erro. A contratação do atacante Henrique Dourado foi bola dentro, mas o dinheiro investido no Guerrero já está comprovado que não. As voltas do zagueiro Juan e do goleiro Julio Cesar são importantes para dar qualidade e identidade ao grupo.

Sinceramente, com esta postura e erros, o Flamengo periga sucumbir, pela quarta vez seguida, na fase de grupos.

Com o dinheiro e o centro de inteligência para mapear o mercado que tem, o Flamengo não pode aceitar algumas escolhas feitas e o dinheiro gasto.



Postar um comentário

[facebook]

FlamengoResenha

{facebook#https://www.facebook.com/FlamengoSouRubroNegro} {twitter#https://twitter.com/FlamengoResenha} {google-plus#https://plus.google.com/u/0/107993712547525207446} {youtube#https://www.youtube.com/channel/UCiHkjDj2ljgIbiv_zUvdG6g/videos}

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget