Relembre todos os camisas 10 do Flamengo em Libertadores

DRIBLE DE CORPO: Diego é o camisa 10 do Flamengo na Libertadores pelo segundo ano consecutivo. A última vez que o mesmo jogador usou o número consagrado por Zico em duas temporadas seguidas do torneio foi em 2007/2008, quando Renato Augusto assumiu o papel de maestro rubro-negro. Ninguém vestiu mais vezes a camisa 10 na competição continental do que o Galinho. Ele era o dono dela na conquista inédita de 1981 e nas campanhas de 1982 e 1983. 

A seguir, o blog recorda quem vestiu a camisa 10 nas 14 participações do clube no torneio.

Diego em Flamengo x River - Foto: Buda Mendes/Getty Images
1981 – Zico

Maior artilheiro da história do Flamengo na Copa Libertadores da América com 16 gols marcados, estreou no principal torneio de clubes do continente levando o time carioca ao título inédito. Na campanha do título, balançou a rede 11 vezes. Duas bolas na rede foram no triunfo por 2 x 0 sobre o Cobreloa, no Estádio Centenário, em Montevidéu.

1982 – Zico

A camisa 10 novamente foi do Galinho. Ao contrário da campanha anterior, o time foi eliminado na fase semifinal. Zico fez dois gols na Libertadores, ambos no River Plate.

1983 – Zico

Pela primeira vez, o Flamengo foi eliminado na fase de grupos. Não adiantou o camisa 10 marcar três gols, todos no Blooming, da Bolívia, na goleada por 7 x 1.

1984 – Tita

Na primeira Copa Libertadores do Flamengo sem Zico, Tita assumiu a camisa 10 e não decepcionou. Apesar de não ter levado o time ao bi, Tita foi o artilheiro do time na competição com oito gols. Fez três no Santos, um no Junior Barranquilla, um no Grêmio e três na Universidad de Los Andes. O Flamengo foi eliminado na fase semifinal.

1991 – Paulo César Cruvinel

O elenco do Flamengo tinha promessas como Marcelinho Carioca e Djalminha, mas o técnico Vanderlei Luxemburgo apostou em Paulo César Cruvinel como camisa 10. Pela primeira vez, o número consagrado por Zico passou em branco na Libertadores. O Flamengo foi eliminado pelo Boca Juniors nas quartas de final, no Estádio La Bombonera, em Buenos Aires, sem ter um camisa 10 na escalação. Cruvinel começou o torneio como titular, mas não se firmou.

1993 – Nélio

Camisa 10 do Flamengo desde as divisões de base e destaque do Flamengo na conquista do título brasileiro de 1992, Nélio foi inscrito com o número mítico na Libertadores. Fez um gol no Atlético Nacional, da Colômbia, um no Minervén, da Venezuela, e outro na partida de ida contra o São Paulo nas quartas de final. O Flamengo foi eliminado pelo tricolor paulista.

2002 – Petkovic

Herói da conquista do tricampeonato carioca em cima do Vasco, Petkovic andava aos tapas e beijos com a diretoria. Com a chegada de Juninho Paulista, correu o risco de perder a camisa 10, mas foi o dono dela na pífia campanha rubro-negra. O time foi eliminado na fase de grupos pela segunda vez na história e a camisa 10 não brilhou. O sérvio não fez gol.

2007 – Renato Augusto

Revelado pelo Flamengo, usou a camisa 10 em duas Libertadores consecutivas. Na primeira, em 2007, fez um gol e deu uma assistência, mas não conseguiu impedir a eliminação precoce nas oitavas de final diante do Defensor, do Uruguai.

2008 – Renato Augusto

Na segunda vez com a camisa 10 em uma Libertadores, Renato Augusto foi decisivo na vitória sobre o Garcilaso por 3 x 0, na altitude de Cuzco, no Peru. Apesar do esforço, o Flamengo foi eliminado nas oitavas de final pelo América do México, na história exibição de Salvador Cabañas no jogo de despedida de Joel Santana do clube da Gávea.

2010 – Adriano

Embalado pela conquista do título brasileiro de 2009, Adriano levou o Flamengo às quartas de final com quatro gols. A primeira vítima foi a Universidad Católica, do Chile. Depois, garantiu a vitória por 1 x 0 sobre o Corinthians, de Ronaldo, nas oitavas de final. Nas quartas de final, o Imperador brilhou nos jogos de ida e de volta com a Universidad de Chile, no Maracanã e no Estádio Santa Laura, em Santiago, mas não impediu a eliminação.

2012 – Ronaldinho Gaúcho

Contratação mais badalada deste século feita pelo Flamengo, Ronaldinho Gaúcho decepcionou na única Libertadores com a camisa do clube. O time carioca foi eliminado na primeira fase. Ronaldinho Gaúcho balançou a rede na vitória sobre o Real Potosí, da Bolívia, na fase preliminar, e cavou a demissão do técnico Vanderlei Luxemburgo. Sob nova direção, com Joel Santana, fez um gol nos 3 x 0 sobre o Olimpia e só.

2014 – Lucas Mugni

A camisa 10 ficou entre Gabriel e Lucas Mugni. O argentino ganhou a honra, mas nada acrescentou ao time. Além de não fazer gol, o time foi eliminado na fase de grupos pela quarta vez, tornando-se o clube brasileiro  que mais caiu nesta fase na história da Libertadores.

2017 e 2018 – Diego

Diego é o camisa 10 do Flamengo na Libertadores pelo segundo ano consecutivo. Em 2017, ganhou a concorrência com Ederson e Conca e marcou duas vezes com o número mítico: na goleada por 4 x 0 sobre o San Lorenzo e na vitória por 2 x 1 sobre o Atlético-PR. Uma contusão o afastou da Libertadores na terceira rodada da fase de grupos. Diego repete Renato Augusto, que foi o camisa 10 duas vezes, em 2007 e em 2008.

Diego é o camisa 10 do Flamengo na Libertadores pelo segundo ano consecutivo.



Postar um comentário

[facebook]

FlamengoResenha

{facebook#https://www.facebook.com/FlamengoSouRubroNegro} {twitter#https://twitter.com/FlamengoResenha} {google-plus#https://plus.google.com/u/0/107993712547525207446} {youtube#https://www.youtube.com/channel/UCiHkjDj2ljgIbiv_zUvdG6g/videos}

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget