Cadê o treinador do Flamengo?

Os nossos erros são os de sempre. Dinâmica de jogo não existe. Há quem prefira chamar de intensidade.

KLEBER LEITE: Tenho sempre o maior cuidado em avaliar um jogo atípico. E foi o caso desta partida contra o Santa Fé, até porque, para o clube mais popular do país, jogar em casa, sem torcida, realmente foge à normalidade.

Com tudo isso e, desde já, dando um desconto, a atuação do Flamengo foi simplesmente ridícula. Jogamos contra um time brigador, é verdade, porém, tecnicamente muito fraco.

Jogamos contra um time em que o goleiro entregou o gol em uma saída equivocada, repetiu o mesmo erro mais umas cinco vezes e, mesmo assim, nada de alguém colocar a bola para dentro.

Maurício Barbieri, do Flamengo - Foto: Gilvan de Souza
Os nossos erros são os de sempre. Dinâmica de jogo não existe. Há quem prefira chamar de intensidade. Uma coisa ou outra, talvez seja o nosso principal pecado.

Times tecnicamente inferiores conseguem fazer a bola rolar melhor e criar muito mais. Quem vê o Flamengo jogar tem a sensação de estar nos anos 70. A diferença é que lá atrás havia talentos. A dinâmica de jogo, igual.

Diego, não consigo entender, joga de segundo volante, muito distante da área adversária. Até mesmo com a entrada de Arão, o nosso camisa 10, talvez pela nova força do hábito, continuou jogando muito atrás. Também fica a sensação de falta de personalidade, de confiança. Não há liderança.

Hoje, substituídos, Ceifador e Éverton Ribeiro saíram emburrados, de caras feias, de poucos amigos para o treinador. Treinador?

Aliás, por falar nisso, CADÊ O NOSSO TREINADOR?


Marcadores:

Postar um comentário

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget