Entenda os questionamentos no Balanço Financeiro do Flamengo

GLOBO ESPORTE: A crise em campo se estende à política no Flamengo. Em ano eleitoral, os bastidores do clube estão em ebulição. A reunião do Conselho Deliberativo, nesta quinta-feira, teve de tudo um pouco: aparição relâmpago do presidente Eduardo Bandeira de Mello, debate acalorado entre azuis e verdes, e discussões até a suspensão da votação das contas de 2017. A reunião deve ser realizada até o fim da próxima semana.

Em seu sexto e último ano de mandato, Eduardo Bandeira e seus aliados vivem seu pior momento. Premiações para jogadores e executivos, operação da venda do Morro da Viúva, comissão de Diego (que será corrigida na publicação, pois houve erro ao colocar a irmã do meia como intermediária), o aumento de mais de 100% nas despesas com jogos foram algumas das perguntas que esquentaram a reunião do Conselho Deliberativo. Ex-vice-presidente do Flamengo Wallim Vasconcellos levou por escrito lista com 12 questões à diretoria na reunião. Entregou ao presidente do Conselho Deliberativo, Rodrigo Dunshee (leia todas as questões mais abaixo).

Foto: Fred Gomes
Uma delas diz respeito à intermediação paga ao jogador Diego, camisa 10 do Flamengo. Depois de passar pelos departamentos financeiros, jurídico, Conselho Fiscal e auditores independentes, o Rubro-Negro admitiu erro no balanço e vai corrigir a informação no balanço, colocando o nome da irmã do jogador.

- Por um erro de digitação no documento, o nome “Djanane Ribas”, irmã do jogador e quem firmou contrato de intermediação com o clube, foi substituído por “Diego Ribas”. A página das demonstrações financeiras em que aparece a tabela de pagamentos a intermediários será corrigida e apresentada aos conselheiros na próxima seção do Deliberativo - explicou o Flamengo, em resposta por escrito nesta noite de sexta-feira.

No material entregue exclusivamente aos conselheiros, de onde Wallim tirou os questionamentos, há descrições do tipo: R$ 2,5 milhões em prêmios para a comissão técnica; R$ 7,5 milhões para os jogadores; R$ 800 mil para executivos do futebol (dividido entre agora ex-membros do departamento de futebol Rodrigo Caetano, Fernando Gonçalves e outros diretores e gerentes do futebol).

- Para aprovar as coisas preciso saber o que estou aprovando. Pode-se discutir os critérios de premiação, antecipação de pagamento de direito de imagens do Guerrero (R$ 1,7 milhão), posso não concordar com isso ou aquilo, achar negociação ruim, mas foi negociação, foi decisão administrativa do clube e contabilmente parece tudo certo. Mas o conselheiro tem direito de saber o que acontece - lembrou Wallim.

Além da bonificação aos executivos do futebol, um bônus de R$ 1 milhão foi dividido entre Fred Luz, diretor geral do clube, e demais diretores e gerentes da Gávea - um total que varia de 20 a 30 executivos. Procurado pela reportagem, o Flamengo não detalhou as informações e respondeu da seguinte forma:

"O critério de remuneração é o mesmo desde 2013. O Flamengo paga aos atletas o equivalente à metade das premiações recebidas pelo clube em cada torneio, com exceção do Campeonato Brasileiro, em que há um valor específico por vitória na competição. Já os bônus são pagos de acordo com o atingimento das metas individuais dos diretores. Todas as metas dos executivos são aprovadas pelo Conselho Diretor."

Wallim também questionou o aumento no item "despesas de jogos", que saiu de R$ 22 milhões em 2016 para R$ 52 milhões em 2017.

- Precisamos saber do que se trata - questiona Wallim, que solicitou receber as respostas por escrito.

A ausência de Bandeira, do vice de finanças, Claudio Pracownik, do diretor geral Fred Luz, foi muito criticada pelos conselheiros no encontro. O novo diretor financeiro Marcio Garotti, e os vice-presidentes, de Gabinete, Pedro Almeida, e de Planejamento, Marcelo Haddad, tentaram explicar alguns pontos e defenderam o balanço de 2017. Vice-presidente do Flamengo, Mauricio Gomes de Mattos, compôs a mesa na reunião.

Discussões e correção no balanço

Com cerca de 100 conselheiros - número considerado baixo e que reflete a desmobilização dos apoiadores de Bandeira -, algumas situações marcaram a sessão tensa. Membro da oposição, Marcelo Falhauber, que atacou Bandeira duramente na reunião, era um dos mais exaltados. Subiu ainda mais o tom, acusando membros da situação e principalmente o presidente de manipularem o documento referente a contas de 2017. Também questionou Wallim, hoje oposição à Bandeira:

- Você criou esse presidente, tem culpa disso também - disse em determinado momento da discussão

O GloboEsporte.com também procurou o presidente do Conselho Deliberativo, Rodrigo Dunshee, que deu sua versão para a suspensão da sessão.

- A reunião estava transcorrendo normalmente, mas começaram a ser feitas muitas indagações sobre questões internas. O dirigente responsável pela diretoria financeira encontrou dificuldades para tantos questionamentos. Houve insatisfação com determinados assuntos e mais dúvidas foram levantadas. Como o tempo estava avançando e o clima ficando um pouco mais áspero consultei o plenário se eles achavam conveniente suspender a sessão e voltar em uma data próxima com as respostas desses questionamentos. O plenário entendeu que era melhor receber as explicações com calma e votar com tranquilidade. Foi suspensa a sessão. Estamos recebendo as perguntas, vamos fazer uma compilação, vou passar para a diretoria preparar as respostas e vou convocar a sessão em breve - completou.

A venda do Morro da Viúva, concluída no fim do ano passado, foi novamente tema na reunião. Wallim pediu explicações sobre o atraso no pagamento da construtora que adquiriu o antigo patrimônio rubro-negro. Outros conselheiros argumentaram que as bases da operação estavam registradas de forma distinta ao que foi aprovado na reunião do Code de 2017. O Rubro-Negro respondeu ao GloboEsporte.com sobre o assunto:

"Não há qualquer irregularidade. O que foi orçado baseou-se na expectativa de que a operação fosse concluída em setembro de 2017 e a escritura lavrada em 2017. No entanto, a aprovação pelo Conselho Deliberativo do acordo com a Cyrella ocorreu em 11 de dezembro de 2017 e o contrato firmado no dia seguinte. Sendo assim, os recebimentos foram deslocados para 2018."

Confira as 12 perguntas de Wallim para a diretoria do Flamengo:

"Rio, 26 de abril de 2018

Ao Presidente do Conselho Deliberativo do Clube de Regatas do Flamengo

Sr. Rodrigo Dunshee de Abranches

Assunto: esclarecimentos sobre as Demonstrações Financeiras de 2017

Prezado Rodrigo,

Solicito informações sobre algumas contas das Demonstrações Financeiras de 2017, listadas a seguir:

1. Premiação de R$ 2,8 milhões ao executivo de futebol, informação contida no parecer da comissão de finanças;

2. Gratificações e prêmios pagos aos jogadores e funcionários, de cerca de R$ 10 milhões, pelos resultados na Copa do Brasil, Copa Sulamericana e Campeonato Brasileiro, e bônus do primeiro ano de contrato do atleta Diego Ribas; na nota explicativa 21, consta ainda um valor maior, equivalente a R$ 11,96 milhões;

3. Serviços profissionais (PJ e PF) no valor de R$ 17,97 milhões, 20% acima do orçado; nota 22 consta um valor maior, de R$ 20,2 milhões;

4. Antecipação de R$ 1,7 milhão do direito de imagem do atleta Guerrero, cujo vencimento se daria em março de 2018;

5. Informação sobre o status da negociação com a Doyen sobre o pagamento de 50% do passe do atleta Marcelo Cirino; na nota 17 consta perda de R$ 11,7 milhões, mas não explica em que bases se deu a prorrogação do pagamento dos direitos econômicos;

6. Pagamento do salário do atleta Marcelo Cirino ao Internacional no valor de R$ 800 mil;

7. Custo de comissão – outros, no valor de R$ 4,6 milhões – nota explicativa 11

8. Despesas com jogos, no valor de R$ 52,3 milhões em 2017 contra R$ 22,2 milhões em 2016, representando um aumento de R$ 30 milhões;

9. Investimento na Ilha do Urubu – aonde está contabilizado e quanto foi o valor total investido?

10. Execução orçamentária:

a. Representações – R$ 4,2 milhões

b. Outras despesas de terceiros – R$ 3,6 milhões

c. Empréstimo/mecanismo – R$ 2,3 milhões

11. Atraso no pagamento da entrada da compra do Edifício Hilton Santos pela Cyrella – a que se deveu?

12. Novas normas contábeis – impacto significativo nas Demonstrações Financeiras do clube – Quanto?

Entendo que sem estes esclarecimentos aos membros do Conselho Deliberativo, as Demonstrações Financeiras não podem ser aprovadas na data de hoje, devendo ser apreciadas se e somente quando as informações aqui requeridas e outras que porventura venham a ser solicitadas por outros conselheiros venham ser apresentadas.

Atenciosamente,

Saudações Rubro-Negras

Wallim Vasconcellos

Sócio Emérito e Membro do Conselho Deliberativo".


Premiações para jogadores e executivos, operação da venda do Morro da Viúva, comissão de Diego...



Postar um comentário

[facebook]

FlamengoResenha

{facebook#https://www.facebook.com/FlamengoSouRubroNegro} {twitter#https://twitter.com/FlamengoResenha} {google-plus#https://plus.google.com/u/0/107993712547525207446} {youtube#https://www.youtube.com/channel/UCiHkjDj2ljgIbiv_zUvdG6g/videos}

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget