"Fizemos segunda melhor campanha da história", celebra Marcelinho

Homenageado em diversos lugares, de formas variadas, o jogador tentou resumir a sensação.

GLOBO ESPORTE: A última temporada regular de Marcelinho Machado chegou ao fim da forma mais perfeita possível, com a liderança conquistada nos momentos finais. Comparando com uma de suas jogadas geniais ao longo das dez edições, pode ser fielmente retratada no seu chute de três, diante de um Pedrocão lotado, contra Franca. Emoção pura.

Vivendo uma nostalgia, Marcelinho tem, dentro de si, um misto de sentimentos. Ao mesmo passo que bate o orgulho por tudo construído, também existe aquela sensação esquisita de que a rotina dentro das quadras se encaminha para o término. Homenageado em diversos lugares, de formas variadas, o jogador tentou resumir a sensação.

Foto: Divulgação
- É muito gratificante chegar no último ano de carreira e receber o carinho de tanta gente legal que tem importância na minha história no basquete, e fora. Essa que contou com os técnicos que ajudaram na minha formação, então, foi demais. Eu só tenho a agradecer. Sobre as outras, me senti honrado por terem acontecido mesmo em lugares em que a rivalidade é grande. Isso mostra que o esporte é maior que ganhar ou perder, envolve o respeito. Da mesma forma que fui homenageado, fiz questão de dizer obrigado e mostrar que é recíproco. Fico feliz por ter esse reconhecimento - expôs.

O ala botou na balança todos os fatores possíveis (negativos e positivos) e, em uma análise cercada de argumentos coerentes e precisos, opinou a respeito do desempenho Rubro-Negro no geral.

- Nós tivemos alguns momentos nessa temporada regular. Começamos a competição com uma pressão que, no meu modo de ver, não deveria acontecer. Dá pra entender por se falar de Flamengo e por termos sido eliminados na Liga Sul-Americana. Qualquer equipe em início de trabalho está em formação, seja com jogadores novos ou já conhecidos. Eu sempre costumo dizer que existem mudanças e, nesse ano, especialmente, ocorreram trocas em posições importantes. Precisávamos dar tempo ao tempo. Logo depois, veio a derrota para o Paulistano, e colocaram a nosso time sob dúvidas. Não nos sujeitamos a isso, permanecemos unidos, crescemos no decorrer e, com tranquilidade, fizemos a segunda melhor campanha da história do clube na fase de classificação. Esse foi nosso mérito. Não é pouco, até porque, existe um histórico vencedor. Chegamos aos playoffs com convicção. Sabemos que é um campeonato equilibrado, e que precisamos ter atenção. Evoluímos bastante e temos um plantel rico, com atletas nas mais variadas posições e de características diferentes. Estamos confiantes - considerou.

A série entre Minas e Vitória segue sem definição. Ontem, os mineiros venceram, empataram em 2-2 e forçaram o quinto jogo. Mesmo diante do panorama, o ídolo consegue vislumbrar possibilidades futuras assistindo os embates e projetar as quartas de final.

- Talvez seja o confronto mais equilibrado, até pela posição que os dois terminaram na tabela. São equipes que têm características diferentes. O Vitória joga dentro de um sistema cadenciado, e o Minas, no de velocidade. A gente tem feito o dever de casa. Treinamos aqui, estamos nos preparando e vendo os jogos. Acho que isso é fundamental em uma série de playoff. Serve para você conhecer os detalhes do seu adversário. Tem muita coisa que não vamos falar para a imprensa, pois serão as estratégias. Não há nada definido, já que não tem vencedor ainda. Mas tenho certeza, pela nossa experiência, que conseguimos visualizar onde podemos levar vantagem, quais são os pontos fortes e o que precisamos fazer para alcançar nosso objetivo, que é avançar - finalizou.


Marcadores:

Postar um comentário

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget