Flamengo trocou de ônibus e elevou custos para agradar jogadores

Os jogadores reclamavam que o veículo "quicava" muito durante os trajetos entre o CT Ninho do Urubu, o Maracanã e os aeroportos do Rio de Janeiro.

UOL: A diretoria do Flamengo comete erros de planejamento e está pressionada pelos maus resultados do futebol, mas um ponto é definitivo. O presidente Eduardo Bandeira de Mello atende às demandas do elenco e não deixa faltar nada para que os jogadores busquem os títulos tão sonhados. As conquistas, no entanto, não aparecem e só aumentam a insatisfação interna com os atletas. Em paralelo, a pressão de conselheiros e vice-presidentes sobre as decisões do mandatário já alcança um nível quase que insustentável.

O UOL Esporte apurou que até o ônibus oficial do clube deixou de ser utilizado por um pedido dos jogadores, assim como o aumento de profissionais na comissão técnica e a presença de uma delegação cada vez maior em viagens. Tudo para que os atletas tenham a melhor assistência possível.

Foto: Gilvan de Souza
O Fla conta com tudo do bom e do melhor nas viagens para atender aos jogadores

Há pelos menos dois anos, elenco e direção mantêm uma relação próxima. Os jogadores têm força com os dirigentes e levantam questões que são atendidas em absoluta maioria. Desde 2016, quando não tinha casa para atuar, o Flamengo adotou os voos fretados como regra. O objetivo era diminuir o tempo em solo e dar conforto aos atletas. Em algumas ocasiões, eles podem até dormir em três poltronas cada nas viagens. A logística é sempre a melhor possível.

A frustração com o resultado final do Campeonato Brasileiro de 2016 não diminuiu as mudanças, pelo contrário. A comissão técnica aumentou - são 40 profissionais atualmente, já que o clube trabalha com plantel fixo. O número praticamente dobrou o custo operacional do futebol, principalmente em razão de o Flamengo viajar com uma delegação cada vez maior.

No Campeonato Brasileiro, por exemplo, a CBF (Confederação Brasileira de Futebol) cede 36 passagens aos clubes para cada partida. O Rubro-negro sempre compra bilhetes extras e também precisa reservar mais quartos e alimentação nos hotéis cinco estrelas, os melhores em cada cidade. Para alguns jogos, o clube vai com dois preparadores físicos, dois roupeiros, dois massagistas e outros acréscimos. Essa prática, no entanto, jamais foi adotada no Flamengo e ganhou corpo a partir do ano passado. Desta forma, os jogadores são atendidos nos quartos quando necessário e nada falta nas demandas solicitadas.

Ônibus oficial "quicava" muito... Foi trocado

Entre as alterações para atender ao elenco, a diretoria do Flamengo até deixou de utilizar o ônibus oficial do clube. A mudança foi feita ainda na gestão do diretor executivo Rodrigo Caetano. Os jogadores reclamavam que o veículo - top de linha em 2013 - "quicava" muito durante os trajetos entre o CT Ninho do Urubu, o Maracanã e os aeroportos do Rio de Janeiro.

Os percursos têm em média 45 km e 50 km, com duração superior a 1h nos deslocamentos. A questão é a de que eles não ocorriam todos os dias, apenas em ocasiões de jogos e viagens. Com a demanda, a diretoria passou a alugar os ônibus da empresa Util. Dirigentes insatisfeitos tratam o fato como "capricho" e consideraram inadmissível a exigência dos atletas ter recebido o aval do ex-diretor executivo.

Além disso, a situação cria uma saia justa entre futebol e marketing no Flamengo. O ônibus oficial possui a marca de alguns patrocinadores na pintura. Sem utilizá-lo, os parceiros em questão não aparecem nas chegadas aos estádios e aeroportos - cada vez mais transmitidas e fotografadas. Vale lembrar que os veículos usados atualmente são envelopados apenas com a marca da viação que os aluga ao Rubro-negro. Os patrocinadores foram deixados de lado pelo bem dos atletas. Por sua vez, o clube negocia a aquisição de um novo modelo, que será customizado - o antigo repassado para as categorias de base.
Flamengo tem o que jamais gozou no futebol

Segundo as fontes ouvidas pela reportagem, os jogadores do Flamengo contam com absolutamente tudo o que precisam no dia a dia. Os gastos são enormes com pessoal e operacional. Os resultados, por outro lado, deixam a desejar. Esse ponto é o que perturba o clima na diretoria. Há uma cobrança para que o carro-chefe do clube dê o retorno para um investimento tão elevado.

Os atletas usufruem de benefícios que o Rubro-negro jamais teve. Além da estrutura para o trabalho no CT Ninho do Urubu, os quartos são confortáveis e utilizados como concentração para as partidas. Em dias de treino integral, o descanso é realizado da melhor forma possível. No novo módulo profissional, que está em obras, o panorama será ainda mais positivo - cada atleta terá um quarto individual. Basta lembrar que há alguns anos jogadores e funcionários relaxavam em containers no centro de treinamento.

Muitos ainda dormiam nos próprios carros com o ar condicionado ligado em busca de um conforto maior. O Flamengo evoluiu. Deu estrutura, salários em dia e tudo do bom e do melhor pedido pelo elenco. O problema é que a relação tomou um caminho no qual o clube não tem recebido o retorno esperado. E, aparentemente, uma solução está longe de ser encontrada.



Marcadores:

Postar um comentário

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget