Pós 7 a 1, presença de treinadores jovens e estudiosos aumenta

FOLHA DE SÃO PAULO: Por Tostão

Após o 7 a 1, uma das mudanças que ocorreram no futebol que se joga no Brasil é a presença, na Série A do Brasileiro, de muitos jovens treinadores, estudiosos, fascinados pela informação e pela estratégia. Quase todos têm experiências como treinadores de equipes de base, como auxiliares no time principal e/ou como analistas de desempenho. Pelo trabalho de alguns deles, já se veem equipes, modestas individualmente, muito organizadas, como Botafogo, Vasco e Atlético-PR.

Não se deve criar sobre eles uma expectativa acima da realidade, ainda mais que técnicos bons e experientes também acertam e erram, ganham e perdem. Não há ainda certeza se os jovens e promissores se tornarão ótimos treinadores. Não basta a formação acadêmica. Terão de ter outras qualidades, como a capacidade de comandar grupos heterogêneos, de tomar decisões rápidas e que não foram planejadas e ainda serem bons observadores, dos fatos objetivos e subjetivos.

Maurício Barbieri no Flamengo - Foto: Tiago Caldas
Concomitantemente com a mudança de perfil dos treinadores brasileiros, existe uma progressiva transformação na maneira de ver e de analisar o futebol. Não há mais lugar para técnicos e comentaristas boleiros, que não acompanharam a evolução do esporte, que não estão bem informados, tenham ou não formação acadêmica.

É óbvia a enorme importância da preparação científica no futebol. Por outro lado, há uma tendência perigosa entre treinadores e comentaristas científicos de supervalorizar as estatísticas e os detalhes táticos, de achar que tudo o que acontece em uma partida é planejado e treinado. É um delírio pragmático. Nem tudo tem explicação. A grandeza de um time está na associação da organização e do planejamento com a improvisação e a transgressão.

Os jogadores, em uma fração de segundos, com frequência, tomam decisões corretas ou incorretas, surpreendentes, que não têm nada a ver com o que foi planejado. Há um hábito de ver falhas coletivas, de apontar culpados em todos os gols, ignorando os detalhes surpreendentes e individuais. No instante de um lance rápido, não dá tempo de os jogadores consultarem o manual de instruções dos treinadores para saber o que foi planejado.

Na primeira rodada do Brasileiro, houve uma prévia do restante da competição, como jogos bons e ruins, lances belíssimos e bisonhos, erros decisivos dos árbitros e auxiliares, muito tumulto, pontapés e estratégias mal e bem executadas.

Sempre que vejo Arthur jogar, lembro-me de Xavi, pelo aspecto físico, pela habilidade de se livrar de vários marcadores, pelas escolhas e passes corretos, pelo domínio da bola e do jogo e pela mobilidade de atuar de uma intermediária à outra.

O exigente e bom técnico Renato Gaúcho tem pedido muito para Arthur entrar na área. Seria bom, mas, se ele fizer muito isso e mais o que faz, vai se tornar o Pelé do meio-campo. Os últimos e grandes armadores, como Xavi, Iniesta, Kroos e outros, entram pouco na área e fazem poucos gols.

Continua no imaginário dos técnicos, comentaristas e torcedores brasileiros a divisão que houve no meio-campo, durante décadas, entre os volantes que marcam e os meias ofensivos que entram na área, para fazer gols. Arthur não é um volante ou um meia, nem a união dos dois. É um meio-campista, um tipo de armador que tinha desaparecido do futebol brasileiro.

Continua no imaginário dos técnicos, comentaristas e torcedores brasileiros a divisão que houve no meio-campo.


Postar um comentário

[facebook]

FlamengoResenha

{facebook#https://www.facebook.com/FlamengoSouRubroNegro} {twitter#https://twitter.com/FlamengoResenha} {google-plus#https://plus.google.com/u/0/107993712547525207446} {youtube#https://www.youtube.com/channel/UCiHkjDj2ljgIbiv_zUvdG6g/videos}

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget