Renato Abreu sonha com despedida e avalia "novo Flamengo"

GLOBO ESPORTE: Possível volta aos gramados, jogo de despedida pelo Flamengo e a visão de torcedor do ex-clube. Sem atuar desde 2013, quando defendeu o Santos, Renato Abreu esteve neste final de semana em Nova Friburgo, na Região Serrana do Rio de Janeiro, para participar do lançamento da nova camisa do Fla e falou de tudo um pouco sobre o time do coração.

Entre um pedido e outro de fotos e autógrafos dos mais de mil torcedores que foram ao evento em um shopping da cidade, o volante de 39 anos conversou com o GloboEsporte.com e fez questão de deixar claro: ainda não se considera aposentado dos gramados.

- Na verdade eu não queria parar, eu queria jogar. Depois que saí do Santos, em 2013, fiquei mais uns dois ou três anos mantendo a forma de maneira intensiva, mas acabou que não pintaram coisas legais pra voltar - disse o meia.

Foto: Felipe Basilio
As duas passagens de Renato Abreu pelo Flamengo, entre 2005 e 2007, e entre 2010 e 2013, fizeram com que o jogador fosse um dos mais identificados com a torcida na história recente do clube da Gávea. A comemoração do "Urubu Rei" foi sucesso entre os torcedores, principalmente após os gols marcados através das cobranças de falta - foram 25 no total. Com mais de duzentos e setenta jogos com a camisa do Flamengo, Renato confessa que sonha com uma partida que ainda não aconteceu: a de despedida.

- Sem dúvida para o atleta que jogou no Flamengo, não falo do meu caso específico, que criou uma identificação, por quem a torcida é apaixonada e ele para de jogar, acho que o clube deveria fazer uma homenagem. Que seja um jogo de despedida ou uma partida com o pessoal da imprensa, porque eu acho que é bem marcante - declarou.

Confira abaixo outros trechos da entrevista com o meia Renatou Abreu.

Retorno aos gramados

- Até o ano passado imaginei que apareceria alguma coisa, mas não surgiu e acabei ficando aposentado. Gostaria de jogar, mesmo com 39 anos. Sabe aquelas bicicletas enferrujadas? Às vezes falta um pouquinho de óleo. É o meu caso. Com um pouquinho de trabalho, de treinamento, eu poderia voltar, não em alto nível, mas de uma forma que pudesse ajudar o time a conquistar os resultados não só dentro de campo, mas no vestiário, que é muito importante. Não sei se conseguiria jogar, né? Mas se o convite viesse de um time que se encaixasse ao meu perfil e pudesse me ajudar, com certeza voltaria, tranquilo.

Lado familiar pesou na decisão?

- Quando estamos mais para o final da carreira não pensamos apenas no lado jogador, acabamos pensando na família. Algumas coisas não se encaixaram da maneira que eu queria e acabei optando por não jogar.

Trabalho no Fla fora das quatro linhas

- Eu tenho a cara de novinho, as pessoas não sabem a idade real. Para mim, é gratificante saber que na memória dos torcedores ainda está o meu nome. De tantos ídolos que passaram pelo clube, ainda estou sendo lembrado, inclusive para poder jogar. Fico feliz, mas já tive duas passagens pelo clube, não teria a terceira. Talvez, a terceira seria em outro sentido, em um outro tipo de trabalho. Mas fico feliz pela recepção, feliz pela alegria em todo mundo pedir para eu jogar no Flamengo novamente.

Sonho com o jogo de despedida

- O Petkovic teve e o Júlio Cesar vai ter agora a despedida. Muito mais que merecidas. O Júlio (merece) pelo que fez pelo clube, é uma pessoa que mostrou o seu potencial desde pequeno. O Pet veio de fora e conquistou a torcida do Flamengo. Agora, se eu tenho que receber essa homenagem, não tem que passar por mim. Talvez, se a diretoria pudesse se reunir e falar sobre isso, seria ótimo para o atleta. Enquanto isso não acontece, a gente vai levando a vida, acompanhando os jogos e os treinamentos. E minha felicidade, independente de ter jogo ou não, é plena e a gratidão é sempre grande.

Emoção de atuar no Maraca

- Jogar no Maracanã, para quem pegou o Maraca já com 150 (mil torcedores) e ver o novo, realmente era bonito. Eu queria vestir essa camisa jogando no Maracanã novo. Joguei contra o Flamengo, quando eu estava no Santos. Mas é um Maracanã diferente daquele que estávamos acostumados, onde a torcida tava ali na geral, a cada gol sair correndo aparecia um personagem. Dá saudade de voltar. Joguei uma partida festiva no final do ano, mas não é a mesma sensação.

Comparações entre o atual elenco e o da sua primeira passagem pelo Fla

- É difícil, né? Cada gestão é uma gestão. Nosso time, naquela época, era mais limitado do que esse e as condições eram totalmente diferentes. A gente sofreu muito em 2005, mas depois ganhamos os céus, ganhamos a Copa do Brasil em 2006, o Carioca em 2007. E era um time que se ajudava muito, sabia das limitações, não era brilhante, mas o que não faltava era pegada. Tínhamos um grupo que brigava muito entre nós, no vestiário e dentro do campo, a toda hora buscávamos o resultado. O time de hoje é diferente, tem muito mais qualidade para se jogar, mas vem sofrendo críticas também. O futebol brasileiro é bem dessa forma: mais emoção do que razão. Temos que ver no contexto dos anos.

Falta raça na equipe atual?

- O Flamengo montou um time forte, arrumou o clube, um CT, montou uma equipe competitiva, foi quem mais chegou às finais no ano passado. Infelizmente, não conseguiu os títulos. Mas tem que olhar com a visão de que a equipe chegou aos objetivos, nem sempre vai dar para ganhar. Falta pouco, tem que ter paciência, dar crédito aos jogadores. Jogar pelo Flamengo é difícil, os times adversários acabam se fechando mais, jogando de uma maneira diferente... Esse time tem muito mais a dar. Falta um algo a mais? Falta. Não sei se é raça, se é pegada, não sei o que é. No momento em que se encaixarem, as coisas vão andar naturalmente.

Possível saída do meia Everton para o São Paulo

- É difícil dar conselhos. Ele está na segunda passagem e, nas duas, foi brilhante. Não é um jogador que deixa os olhos do torcedor cheio de lágrimas, mas é um jogador importante para quem joga com ele, que ajuda o tempo inteiro, no ataque ou na defesa. Ter ele no grupo é muito bem-vindo. Não tem conselho. Ele tem que saber da importância dele e ter na mente o que ele fez pelo clube, se foi certo ou errado. Não sei se está pra sair ou não, mas, na minha concepção, foi muito importante no tempo em que esteve.

Saudades da Nação

- É uma satisfação enorme estar em Nova Friburgo, fazendo essa tarde de autógrafos. Para mim é maravilhoso poder relembrar tudo aquilo que eu vivia. Eu saí (do Flamengo) já tem um tempo e é a primeira vez que eu passo uma tarde de autógrafos assim, lembrando daqueles momentos em que acabavam os treinos e a gente saía pra dar autógrafos. A lembrança sempre (vem), a vontade de vestir a camisa, a vontade de estar no campo é sempre grande. Isso fez parte da minha vida por mais de vinte anos. Então eu sinto saudades, sem dúvida nenhuma.

O volante de 39 anos fez questão de deixar claro: ainda não se considera aposentado dos gramados.



Postar um comentário

[facebook]

FlamengoResenha

{facebook#https://www.facebook.com/FlamengoSouRubroNegro} {twitter#https://twitter.com/FlamengoResenha} {google-plus#https://plus.google.com/u/0/107993712547525207446} {youtube#https://www.youtube.com/channel/UCiHkjDj2ljgIbiv_zUvdG6g/videos}

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget