Flamengo dá um passo atrás

O GLOBO: Por Carlos Eduardo Mansur

Não é novidade, tampouco uma exclusividade brasileira, que clássicos locais sejam jogos mais tensos, duros, de mais cuidados do que ousadias. A questão é que daí derivou uma espécie de licença para que tais jogos sejam mais permissivos com todo tipo de truculência. E o Campeonato Brasileiro mantém a rotina dos Estaduais.

Terminou em discussão entre jogadores o Gre-Nal da rodada passada. No sábado, os entreveros e as faltas duras entre Atlético-MG e Cruzeiro começaram no primeiro minuto. Mancuello acabou expulso. No Flamengo x Vasco de 41 faltas do Maracanã, os jogadores se encarregaram do tumulto final, já perto dos acréscimos, com farta distribuição de ofensas, empurrões, tapas e demais grosserias.

Maurício Barbieri e Maurício Souza no Flamengo - Foto: Gilvan de Souza
É verdade que os jogadores não ajudam, que a falta de ajuda da tecnologia gera insegurança, que há pressões de toda ordem. Mas há um outro desdobramento desta realidade particular dos clássicos: o surgimento do “árbitro tático". Uma nova modalidade de controle do jogo, exercido não pelas equipes, mas pelo juiz. Ele se defende do jogo.

E o faz ao evitar que a partida ganhe ritmo. Como se, assim, mantivesse a situação sob controle, reduzindo o risco de se ver obrigado a tomar decisões cruciais perto das áreas. Ao tentar não se comprometer, compromete o jogo. Confina a partida de uma intermediária à outra e, quase sempre, decide a favor das defesas em lances de potencial perigo.

Foi o que fez Ricardo Marques Ribeiro no no Maracanã. E têm feito vários árbitros. Examinados apenas lances capitais, não dão motivo de protesto a qualquer das equipes. Mas interferem diretamente no espetáculo ao moldar o estilo do jogo. Sem prejudicar um time ou outro, lesam o público.

Do empate, restaram sensações opostas a Vasco e Flamengo. É possível argumentar que a derrocada na Libertadores foi estrepitosa demais, que era possível fazer algo melhor. O fato é que o Campeonato Brasileiro reforça a impressão de que Zé Ricardo tira o possível da escassez que administra. Às perdas do início do ano seguiu-se a venda de Paulinho. Ontem, não tinha Giovanni Augusto, vítima de seguidas lesões; voltando de contusões, Kelvin e Evander não podiam jogar 90 minutos, enquanto Thiago Galhardo, o melhor em parte do jogo, parece sentir a sequência de partidas em máxima exigência. Zé Ricardo foi, ele próprio, ao mercado buscar indicações de reforços com colegas. E, dentro das propostas, o Vasco executou a sua com mais sucesso do que o Flamengo. Marcou bem com a entrada de Pikachu pela esquerda, travou a elaboração de jogadas rubro-negra e, ao sobrecarregar o lado direito do campo, teve suas chances que, era esperado, não foram fartas.

Já o Flamengo deixou a sensação de um passo atrás em seu crescimento com Barbieri. É capaz de belos momentos como a construção do gol, mas a sincronia na ocupação de espaços entre Paquetá, Diego e Éverton Ribeiro, este o melhor dos três, segue difícil. Entre volantes e zagueiros ainda se produz um espaço que o Vasco andou aproveitando. Barbieri tentou até uma alternativa com Vinícius Júnior como segundo atacante, num 4-4-2, e poderia ter lhe dado mais tempo num jogo que ameaçava ficar aberto, à feição do jovem: o time perdeu força com Diego e Éverton Ribeiro partindo dos lados do campo. Mas o alarmante é que, ao olhar para o banco, o Flamengo, cujo elenco se imaginava farto — até por este que escreve —, já não via tantas alternativas animadoras. Ainda que com mais peças do que o rival, a escassez também se vestiu de rubro-negro.

O Flamengo, cujo elenco se imaginava farto — até por este que escreve —, já não via tantas alternativas animadoras

Postar um comentário

[facebook]

FlamengoResenha

{facebook#https://www.facebook.com/FlamengoSouRubroNegro} {twitter#https://twitter.com/FlamengoResenha} {google-plus#https://plus.google.com/u/0/107993712547525207446} {youtube#https://www.youtube.com/channel/UCiHkjDj2ljgIbiv_zUvdG6g/videos}

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget