Flamengo comanda ações com muita marcação e entrosamento

GLOBO ESPORTE: Exigente por natureza, o torcedor do Flamengo que olha um dos elencos mais caros do Brasil, com resultados positivos atrás de resultados positivos nas finanças, tem paciência curta até para empate contra o forte River Plate na Argentina. Mas é esse time, de amadurecimento crescente, debaixo de cobranças e, às vezes, desconfiança, que faz boa campanha no Brasileiro de 2018 e retoma a liderança com a vitória por 2 a 0 sobre o Bahia, no Maracanã.

Na temporada, são apenas quatro derrotas – apenas o Sport (PE) perdeu tão pouco. Em 20 das 31 partidas do ano o time saiu de campo sem ser vazado. E em apenas sete oportunidades saiu de campo sem marcar gols – dos 31 compromissos da temporada, aponta o levantamento do site Futdados.com. O que isso significa?

Bom, para começo de conversa, trata-se de um time regular. Pode não ser intenso – como foi o primeiro tempo, em contraste com a segunda etapa que passou impressão de “pé no freio” – e ser brilhante - quem é no futebol atual? -, mas tem sido eficiente.

Vinicius e Paquetá: os corredores

Curiosamente, o sistema de jogo, desenhado lá atrás pelo ex-treinador Paulo César Carpegiani, foi adaptado por Mauricio Barbieri e depende de um jogador que era tão contestado até pouco tempo. Renê fez outra ótima partida contra o Bahia.

A capacidade de cobertura em lances que os meias não alcançam os adversários, o tempo de bola para cortar passes e lançamentos e a leitura de jogo para deixar a lateral - ora fechando espaços pelo meio de campo, ora infiltrando na diagonal para procurar o passe – encaixam o time de Barbieri.

Para a equipe funcionar, Barbieri exige marcação forte no meio de campo. Vinicius Junior, de 17 anos, Lucas Paquetá, 21, correm uma barbaridade, para frente e para trás - de acordo com números do site “WhoScored”, Vinicius combateu oito vezes no meio de campo, Paquetá, seis. A intensidade de início de partidas do Flamengo se deve muito a eles. Contagiam jogadores mais cadenciados, como Diego e Éverton Ribeiro.

Lucas Paquetá em Flamengo x Bahia - Foto: Gilvan de Souza
Dourado fora de sintonia

O camisa 10, por sinal, fez grande jogo. Saiu um pouco de suas características e deu mais velocidade nas articulações da jogada. Ribeiro, mais solto, flutuando mais, contribui para abrir espaços e girar a bola contra defesas fechadas.

Se contra o River Plate e o Atlético-MG a bola passou longe dos pés do Flamengo, com saldo de um empate e uma vitória, contra o Bahia o Rubro-Negro chegou a ter a bola 80% do minutos do primeiro tempo. A volta para recuperar a bola está mais coordenada – com efetiva participação de todo o time.

Barbieri ainda dá tímidos sinais de mudanças quando substitui Henrique Dourado. Um time que voltou a jogar com toques ligeiros e lances rápidos têm prescindido da procura pela “referência”, do “camisa 9”. Contra o Bahia, Jean Lucas entrou. Em 10 minutos em campo tocou 10 vezes na bola – duas a menos que Dourado, que ficou em campo por 80 minutos.

O treinador do Flamengo sabe que vai precisar de Dourado em jogos com outras características. Jogador de área, ele não cabeceou uma vez contra o Bahia - mas se esforçou para finalizar na bola que Paquetá quase marcou em cobrança de escanteio. Barbieri tem poucas opções para mexer na posição. Lincoln, mais leve e com bom entrosamento com Vinicius, ainda aguarda sua vez na fila. Talvez o próximo passo de Barbieri seja ser mais incisivo na busca por alternativas.

A intensidade de início de partidas do Flamengo se deve muito a eles. Contagiam jogadores mais cadenciados, como Diego e Éverton Ribeiro.



Postar um comentário

[facebook]

FlamengoResenha

{facebook#https://www.facebook.com/FlamengoSouRubroNegro} {twitter#https://twitter.com/FlamengoResenha} {google-plus#https://plus.google.com/u/0/107993712547525207446} {youtube#https://www.youtube.com/channel/UCiHkjDj2ljgIbiv_zUvdG6g/videos}

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget