Flamengo não é só líder, como ainda dá show

ESPN FC: Por João Luis Jr.

No fim do primeiro tempo, o clima não era animador. Mais uma vez, o Flamengo saiu na frente, mais uma vez, ele dominava a partida. E claro, mais uma vez, ele confundiu as regras, acreditou que era morte súbita, parou de jogar e aí levou um gol ridículo de empate.

E, mais uma vez, a sensação era de frustração. Afinal, mais uma vez, ficava óbvio que o time era superior ao adversário, mais uma vez, você percebia que se Paquetá tocasse mais rápido, se Éverton Ribeiro ousasse mais, se Uribe ao menos tentasse um chute, não só daria pra vencer como a vitória viria até com uma certa facilidade, ninguém ia precisar se cansar muito, ia até dar tempo de chegar em casa e maratonar Westworld, por exemplo.

Lucas Paquetá comemorando gol pelo Flamengo com Diego - Foto: Getty Images
Mas aí, no segundo tempo, o improvável aconteceu. Sim, o Flamengo, um time que durante várias rodadas vinha economizando esforço, vinha jogando na conta do chá, vinha atuando com o freio de mão puxado e fazendo só o essencial para passar de ano, finalmente fez o que a torcida pedia e engatou a segunda marcha.

Paquetá passou a bola, Everton Ribeiro resolveu sonhar mais alto, Uribe decidiu só testar um negócio aí rapidão e chutar a gol pra ver como é a sensação. Marlos Moreno lembrou que é ao menos 10 anos mais novo que todo mundo em campo e ninguém vai conseguir alcançar na corrida, Léo Duarte segue mostrando que Juan pode finalmente ter o merecido descanso que o time e a reforma da previdência não deixam ele ter. E Renê, sim, Renê, cada dia mais vem provando que é o melhor lateral ruim do Brasil hoje.

E aí o Flamengo sobrou, claro. Não que o Sport seja uma grande referência - não apenas se trata de um time sem grandes ambições como de um clube cujo grande momento na série a é um título da série b -, mas ficou claro que, quando esse time tenta oferecer aquilo que falta, quando ele joga com vontade, quando todo mundo tenta atuar em níveis "cuellarísticos" de dedicação, é possível sim não só manter a liderança como jogar um futebol que justifica completamente estar lá.

E ainda que obviamente não faça sentido ser “sommelier de goleada”, não havia hora melhor pra uma demonstração de força rubro-negra do que agora, antes do começo de uma das mais duras sequências do time no ano, uma série de jogos que define não só a continuidade na Copa do Brasil e na Libertadores como também pode ser crucial na nossa jornada rumo ao sonhado sétimo título brasileiro.

Não chegamos nem na metade do Brasileirão ainda, claro. Mas, nesse domingo, o Flamengo mostrou que, quando quer, quando tenta, ele não apenas obriga todos os outros 19 clubes a continuarem seguindo o líder como ele ainda faz com que o trajeto desse líder seja algo muito bonito de ver.

E claro, mais uma vez, ele confundiu as regras, acreditou que era morte súbita, parou de jogar e aí levou um gol ridículo de empate.


Postar um comentário

[facebook]

FlamengoResenha

{facebook#https://www.facebook.com/FlamengoSouRubroNegro} {twitter#https://twitter.com/FlamengoResenha} {google-plus#https://plus.google.com/u/0/107993712547525207446} {youtube#https://www.youtube.com/channel/UCiHkjDj2ljgIbiv_zUvdG6g/videos}

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget