Elenco do Flamengo é frágil, e não tem substituto para Paquetá

ANDRÉ ROCHA: Após o anúncio na sexta-feira da convocação de Lucas Paquetá para a seleção brasileira, alguma alegria pelo reconhecimento do talento do jovem meio-campista. Mas muito mais gritaria no Flamengo. Torcedores, jornalistas-torcedores e o próprio presidente Eduardo Bandeira de Mello fizeram um escândalo por conta da ausência do jogador em partidas importantes do clube durante o período em que ficar à disposição de Tite.

Tudo por causa de apenas um jogador convocado. Como Dedé no Cruzeiro, Fagner no Corinthians e outros. Numa data FIFA, oportunidade que a seleção tem de se reunir. No início do ciclo pensando em 2022. Contra Estados Unidos e El Salvador, sim. Qual seleção no mundo só enfrenta adversários de grande porte durante quatro anos?

Lucas Paquetá e Vitinho no Flamengo - Foto: Staff Images
Os questionamentos sobre o modus operandi da CBF na gerência da seleção brasileira através de uma empresa que promove os amistosos e o calendário inchado pelos estaduais que obriga os times a jogarem em datas FIFA são legítimos. E não são novos. E o Flamengo e outros clubes pouco fazem para modificar, no caso do calendário.

Mas estava claro que a revolta era pela ausência de um jogador importante. Porque não há reposição à altura. Para ele e praticamente todo o time titular. O elenco rubro-negro é frágil e isto está cada vez mais claro. No melhor momento da equipe, antes da Copa do Mundo, o treinador Maurício Barbieri até conseguiu manter o bom rendimento com uma ou outra ausência importante.

Só que agora qualquer baixa ou opção por poupar alguns titulares para administrar o desgaste por jogos seguidos vem se tornando um problema grave. Porque os reservas não mantêm o nível e os titulares estão no limite do esgotamento. Físico e mental.

Na Arena da Baixada, o Atlético Paranaense em reconstrução, agora sob o comando de Tiago Nunes depois da saída de Fernando Diniz, precisou de 20 minutos para colocar intensidade, fazer 3 a 0 e depois administrar com alguma folga e oportunidades para ampliar. Marcinho deitou e rolou no setor de Rodinei e desta vez a jovem zaga formada por Léo Duarte e Thuler não teve desempenho nem proteção para evitar o pior contra Pablo e Raphael Veiga, outros destaques do time mandante.

Natural os jovens oscilarem. Paquetá cumpriu sua pior atuação nos últimos tempos. Muitos erros por desconcentração e um pouco de autossuficiência. Natural para um jovem já tão exaltado, ainda mais depois da convocação. O que se cobra é que ele tenha um time para sustentá-lo quando vem o jogo ruim. As contratações milionárias precisam assumir a responsabilidade.

Mas bastou Barbieri não contar com Diego Alves, Réver e Diego para o rendimento, que já não tem sido tão bom, cair bruscamente. Até Henrique Dourado fez falta pela enorme dificuldade de Uribe para manter a bola no ataque. O Flamengo teve 65% de posse e só chegou a 15 finalizações, uma a mais que o Atlético e oito no alvo, porque no segundo tempo o adversário apenas administrou a vantagem diminuindo um pouco o ritmo. A atuação coletiva no geral foi sofrível.

Por isso a histeria com a perspectiva da ausência de Paquetá. Porque o Fla só tem o time titular. Ou seja, a formação que venceu o Grêmio no meio da semana. Ultrapassado por São Paulo e Internacional na tabela do Brasileiro, vai viver um dilema até o fim da temporada: exaurir os titulares até o limite ou poupar e sofrer pela queda de nível com os reservas? Para complicar, um treinador jovem para fazer escolhas complexas.

Porque o Fla só tem o time titular. Ou seja, a formação que venceu o Grêmio no meio da semana.



Postar um comentário

[facebook]

FlamengoResenha

{facebook#https://www.facebook.com/FlamengoSouRubroNegro} {twitter#https://twitter.com/FlamengoResenha} {google-plus#https://plus.google.com/u/0/107993712547525207446} {youtube#https://www.youtube.com/channel/UCiHkjDj2ljgIbiv_zUvdG6g/videos}

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget