Flamengo sofre retaliação da CBF

GILMAR FERREIRA: Não é das mais confortáveis a relação entre CBF e Flamengo, clube que vem oferecendo resistência à convocação de jogadores para a seleção brasileira.

Mas se engana quem pensa que a rusga esteja relacionada à convocação de Lucas Paquetá para os dois amistosos do time de Tite nos Estados Unidos.

Não me espantaria, aliás, se a insistência na convocação do meia-atacante para os jogos contra Estados Unidos e El Salvador fosse resposta ao "boicote" que o clube carioca vem fazendo às categorias de base da entidade, desde a negativa em ceder de Vinicius Junior para o Mundial Sub 17, no ano passado, na Índia.

É que em março, o clube voltou a negar a cessão de jogadores para amistosos da seleção sub 20.

Presidente do Flamengo, Eduardo Bandeira, e Diego Alves - Foto: Gilvan de Souza
Estavam na lista o mesmo Vinicius Júnior, o zagueiro Thuller e o centroavante Lincoln, decisão até hoje criticada nos bastidores da CBF.

Foi quando o coordenador Edu Gaspar queixou-se publicamente das dificuldades que "alguns clubes" estavam criando para a formação da seleção sub 20.

Mas pouco adiantou.

Na semana passada, o Flamengo voltou a se recusar a ceder o zagueiro Thuller, que já serve o time profissional.

O jovem foi um dos 20 selecionados pelo técnico Carlos Amadeu para amistosos contra México e Japão, em setembro.

Mesmo sabendo que as partidas ocorrerão nas chamadas "Data Fifa".

E que fazem parte da preparação do time para o sul-americano em janeiro de 2019, no Chile.

O torneio classifica três seleções para o Mundial e o campeão e o vice ganham vaga nos Jogos Olímpicos de Tóquio em 2020.

O Brasil, atual campeão olímpico, não tem vaga assegurada.

RETALIAÇÃO.

A posição do Flamengo incentiva clubes como Palmeiras, Santos e Paraná a também não ceder convocados que já estiverem integrados às equipes principais.

A CBF, então, veladamente, ameaça não chamar mais jogadores de qualquer categoria daqueles clubes que não colaborem com a preparação do time.

É uma guerra fria.

E para a qual o presidente do Flamengo tem dois fortes aliados.

Um é o presidente do Corinthians, Andrés Sanchez, antigo desafeto do bloco político chefiado pela dupla José Maria Marin e Marco Polo Del Nero.

O outro é o do Atlético-PR, Mario Celso Petraglia, que já havia alinhado ao lado do cartola rubro-negro na fracassada "Primeira Liga".

Coincidentemente os dois, como Bandeira, não votaram pela eleição do atual presidente da CBF, Rogério Caboclo.

E lideram movimento contra a participação da entidade no recebimento do dinheiro da comercialização dos direitos internacionais dos torneios da Conmebol.

Na semana passada, os três organizaram encontro em Brasília com a bancada da bola no Congresso e presidentes de outros clubes da Série A.

Rogério Caboclo foi eleito em abril, num pleito realizado às pressas para que a CBF tivesse um presidente a representa-la na Rússia, durante a Copa do Mundo.

A posse, porém, só acontecerá em abril de 2019.

Até lá haverá muito chumbo trocado - veladamente, é claro.

A CBF, então, veladamente, ameaça não chamar mais jogadores de qualquer categoria daqueles clubes que não colaborem com a preparação do time.

Postar um comentário

[facebook]

FlamengoResenha

{facebook#https://www.facebook.com/FlamengoSouRubroNegro} {twitter#https://twitter.com/FlamengoResenha} {google-plus#https://plus.google.com/u/0/107993712547525207446} {youtube#https://www.youtube.com/channel/UCiHkjDj2ljgIbiv_zUvdG6g/videos}

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget