Bolsonaro pode por fim aos patrocínios de estatais no futebol

ESPORTE 24 HORAS: Jorge Abel Costa

No último domingo, a maioria dos brasileiros foram às urnas para decidir o novo presidente do país. Logo após meses de expectativa, se confirmou o que as pesquisas já apontavam: a vitória de Jair Bolsonaro. Mas, e agora? O candidato que se fortaleceu através da necessidade de segurança, saúde e responsabilidade fiscal, pouco falou sobre esporte no seu projeto de governança. Por isso, surge a dúvida sobre o que se esperar do tema no governo federal.

Recentemente, em entrevista ao Lance!, Gustavo Bebbiano, presidente do PSL, partido de Jair Bolsonaro, reiterou que o esporte não vai ser prioridade do novo governo. Pelo contrário, o político afirmou que o Brasil precisa arrumar formas de cobrir o déficit de R$ 140 bilhões e que isso só se faz com prioridades. Portanto, declarou que as prevalências do presidente eleito serão setores de “segurança pública, saúde e educação básica”. Além disso, revelou que os patrocínios de estatais ao esporte serão muito criteriosos a partir de agora.

Foto: Divulgação
“Vamos ter muito critério no uso de verbas das estatais para qualquer atividade. Inclusive, no esporte. Ainda mais que a ideia é reduzir para 150 número de estatais”, afirmou Gustavo Bebbiano, presidente do PSL.

Atualmente, a Caixa Econômica Federal é a principal incentivadora do futebol carioca. Até o momento, a patrocinadora de Flamengo, Botafogo e Fluminense, investiu cerca de R$ 44 milhões só nesta temporada. Por isso, o clima de incerteza sobre o investimento do banco nos próximos anos cresceu. Vale lembrar, desde 2002, a verba de empresas federais foram a salvação para os clubes do Rio. Por isso, o Esporte 24 Horas, preparou um levantamento sobre a relação das equipes cariocas com as estatais. Confira.

Flamengo, o maior beneficiado

O relacionamento entre o Flamengo e as estatais sempre foi muito próximo. Desde 1984, o Rubro-Negro alimenta sua saúde financeira com verbas federais. Primeiro, com o patrocínio da Petrobrás, que durou 25 anos. Posteriormente, com a Caixa Econômica, atual patrocinadora master. Por isso, o interesse sobre a questão é muito grande no Fla.

Desde que Lula assumiu a presidência, em 2003, o Flamengo faturou cerca de R$ 175 milhões com contratos federais. Porém, principalmente na era da Petrobrás, o clube teve dificuldades de receber o dinheiro do patrocínio por conta das dívidas que tinha com o governo federal. Logo após, reorganizar suas finanças na gestão Bandeira de Mello, o Rubro-Negro voltou a estabelecer vínculos com estatais: Caixa Econômica Federal. Embora surja a incerteza, a tendência é que o relacionamento entre o Fla e o banco prossiga nos próximos anos.

Vasco, patrocínios polêmicos 

Assim como seu rival, Vasco também se beneficiou muito dos contratos com estatais. Por exemplo, de 2009 a 2017, o clube recebeu cerca de R$ 104 milhões. Por isso, a questão tem muita relevância em São Januário. Embora, em 2018, tenha tido dificuldades para renovar seu vínculo com a Caixa. Nos últimos anos, as empresas federais foram o grande suspiro nas finanças vascaínas.

Em 2009, logo após Roberto Dinamite assumir a administração, Vasco firmou uma parceira de quatro anos com a Eletrobrás. Além da dificuldade mensal em receber o dinheiro, por conta das ausências das Certidões Negativas de Débito, o patrocínio gerou polêmica no viés judicial. Intrigado pela falta de prestação de contas, o Tribunal de Contas da União (TCU) abriu uma investigação sobre o caso. O processo ainda não teve um desfecho. Mas, o vínculo sim, em 2013.

Por isso, no ano seguinte, Vasco foi ao mercado e conseguiu um contrato com Caixa Econômica Federal. Com a condição de renovação anual, o clube viu os valores oscilarem ao longo dos anos. Principalmente, por conta das campanhas irregulares do Cruzmaltino no Brasileirão. Portanto, em 2018, a diretoria vascaína quis uma valor maior do que a estatal estava disposta a pagar e as negociações chegaram ao fim.

Botafogo, mais polêmica

Ao longo dos anos, Botafogo se beneficiou mais de patrocínios privados do que de estatais. Mas, com a crise no mercado investidor, o clube aproveitou a onda da Caixa Econômica. Por isso, em 2016, o Alvinegro e o banco firmaram uma parceria que já rendeu cerca R$ 21,4 milhões. Por outro lado, as autoridades fiscais ficaram desconfiadas do acerto.

Em auditoria, a Controladoria-Geral da União (CGU) concluiu que o investimento da Caixa no futebol não apresentava devida clareza e transparência de objetivo. Principalmente, pela incapacidade de medir o retorno financeiro que os clubes geraram aos cofres bancários. A iniciativa surgiu após o Botafogo e a estatal firmar o patrocínio. Ainda assim, até o momento, o Alvinegro tem sua vida financeira muito necessitada desse investimento. Portanto, o futuro da questão mexe com a administração.

Fluminense, engatinhando

Diferentemente dos seus rivais, Fluminense não tinha o costume de se relacionar com estatais. Mas, logo após a saída da Unimed, a questão mudou. Precisando oxigenar as finanças, o clube buscou na Caixa Econômica seu tão sonhado respiro. Embora ainda que curta, as partes firmaram uma parceira valiosa para essa temporada.

Os R$ 9 milhões recebidos pelo Flu, em 2018, o ajudou no alívio de algumas necessidades emergências. Tanto o clube quanto o banco já ensaiavam um acordo desde 2016. Mas, na oportunidade ficou definido apenas um patrocínio pontual para seis jogos. Com isso, o Fluminense arrecadou 1 milhões de reais. Embora ainda esteja engatinhando na sua relação com empresas federais, a questão atrai muita atenção nos bastidores.

Diante da necessidade e da estreita relação, a questão do investimento federal nos clubes cariocas atraem muita atenção em todas as diretorias. Portanto, os próximos passos de Jair Bolsonaro no esporte será muito bem acompanhados pelos rubro-negros, vascaínos, botafoguenses e tricolores. Até porque não é qualquer parceira que injeta quase R$ 310 milhões nas equipes do Rio de Janeiro.

Desde que Lula assumiu a presidência, em 2003, o Flamengo faturou cerca de R$ 175 milhões com contratos federais.

Postar um comentário

[facebook]

FlamengoResenha

{facebook#https://www.facebook.com/FlamengoSouRubroNegro} {twitter#https://twitter.com/FlamengoResenha} {google-plus#https://plus.google.com/u/0/107993712547525207446} {youtube#https://www.youtube.com/channel/UCiHkjDj2ljgIbiv_zUvdG6g/videos}

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget