Flamengo colhe o que plantou de uma gestão paternalista

ANDRÉ ROCHA: Só mesmo a busca desesperada por um título brasileiro para fechar a gestão Bandeira de Mello e tentar eleger o sucessor da situação e os bons resultados depois da chegada de Dorival Júnior para que o Flamengo dê respaldo ao treinador no caso Diego Alves.

Porque o histórico da diretoria rubro-negra é de uma relação paternalista com os jogadores. Ainda mais quando o personagem é o goleiro que virou ídolo antes mesmo de estrear. Diego Alves chegou no ano passado com tratamento de ''sonho de consumo'', palavras do próprio presidente. Muito pelo movimento de torcedores nas redes sociais. Apavorados com as falhas de Muralha e a insegurança natural do jovem Thiago, quase suplicaram para que o arqueiro acertasse com o clube.

Foto: Divulgação
Um início de processo equivocado e que explica a postura do jogador ao se recusar a viajar com o grupo para o jogo contra o Paraná depois de saber que seria reserva de César. Não se desculpou e agora quase chegou às vias de fato com Dorival Júnior em uma discussão diante do elenco.

Vale a lembrança de que Diego Alves só acertou com o Flamengo porque o Valencia não deu garantias de que ele seria titular e o projeto pessoal do goleiro era buscar uma vaga na seleção brasileira para a Copa do Mundo disputada na Rússia. Coincidência ou não, seu melhor momento foi justamente antes do Mundial, ajudando a alçar o time à liderança do Brasileiro. Depois veio a queda junto com a equipe, em desempenho e resultados.

Reforça a impressão de que o jogador coloca suas ambições acima do clube. Na Europa só criou problema semelhante quando ficou de fora de um jogo do Valencia contra o Real Madrid na temporada 2013/14. Mas era uma transição de treinadores e Diego cresceu para cima do interino Nico Estévez, reclamando aos gritos. Foi multado, baixou a bola e a vida seguiu.

A diretoria rubro-negra ainda não definiu o futuro do jogador. Diego Alves não deve mais atuar sob o comando de Dorival Júnior. Mas é atleta do clube e pode ser aproveitado a partir de 2019 pelo novo treinador, já que o atual só permanece se for campeão brasileiro – hipótese improvável, ao menos no momento, pelos quatro pontos de desvantagem em relação ao Palmeiras e uma sequência de jogos, em tese, mais complicada.

Nas redes sociais, a notícia da barração gerou uma gritaria inicial. Mas com o time pontuando, atuando melhor e o goleiro substituto demonstrando segurança os ânimos se acalmaram e agora a maioria das manifestações é de apoio a Dorival e diretoria. Mas se César falhar…

Seja como for, a relação que começou errada tem tudo para terminar de maneira traumática. Para clube e jogador, este um ''ídolo'' sem feitos ou conquistas. Típico da gestão, ou da falta de comando, do Flamengo de Bandeira de Mello.

Para clube e jogador, este um ''ídolo'' sem feitos ou conquistas. Típico da gestão, ou da falta de comando, do Flamengo de Bandeira de Mello.

Postar um comentário

[facebook]

FlamengoResenha

{facebook#https://www.facebook.com/FlamengoSouRubroNegro} {twitter#https://twitter.com/FlamengoResenha} {google-plus#https://plus.google.com/u/0/107993712547525207446} {youtube#https://www.youtube.com/channel/UCiHkjDj2ljgIbiv_zUvdG6g/videos}

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget