Flamengo de Bandeira melhora rendimento, mas piora em títulos

RODRIGO MATTOS: Às vésperas da eleição presidencial do Flamengo, uma das principais discussões gira em torno do desempenho esportivo do time na gestão do atual presidente Eduardo Bandeira de Mello. É fato que a atual diretoria teve bom desempenho administrativo, tirando o time do buraco o deixando em boa situação financeira. Mas esteve aquém em títulos em relação ao que se esperava. A questão é: o número de taças e desempenho piorou ou melhorou em relação à realidade anterior?

Para tentar responder essa pergunta, o blog levantou números e estabeleceu um método para o cálculo médio de títulos e desempenho da equipe atual em comparação com o passado. Os critérios, óbvio, sempre podem ser discutidos. Aqui, adotou-se parâmetros para tentar chegar a uma avaliação justa na minha visão.

Foto: Divulgação
Primeiro, o período de comparação adotado foi do desempenho do Flamengo a partir da década de 90, isto é, iniciando-se por 1990. Por que? Antes, a realidade do futebol brasileiro era totalmente diversa, Estadual valia tanto quanto Brasileiro, os campeonatos disputados eram diferentes, as rendas de clubes eram pouco significativas.  A partir de 90, foi construído o futebol brasileiro moderno próximo do que é atualmente.

Segundo, foram considerados como títulos apenas conquistas nacionais ou sul-americanas relevantes, ignorados os Estaduais. Assim, só foram incluídos o Brasileiro, Copa do Brasil, Libertadores e a segunda competição em importância do continente, que tem mudado de nome, Copa Conmebol, Supercopa, Mercosul e agora Sul-Americana.

Além dos títulos, foram avaliados mais dois critérios: desempenho no Brasileiro de pontos corridos e presença em finais que não resultaram em título. Esse primeiro critério se justifica porque os pontos corridos revelam de fato a eficiência do time. Não foi usado o dado de classificação à Libertadores porque aumentou o número de vagas durante o período, o que causaria uma distorção.

Como conclusão, o Flamengo sob Bandeira conquistou menos título em média do que ganhava anterior. Ao mesmo tempo, a equipe teve um desempenho esportivo superior ao que tinha nos anos prévios.

Há uma ressalva: quando o clube de fato teve mais dinheiro em caixa, o que ocorreu a partir de 2015, pode-se dizer que houve melhora significativa no desempenho no Brasileiro. Anteriormente, o Flamengo tinha investimento reduzido porque usava a maior parte do dinheiro para pagar dívidas. Dito isso, vamos aos números abaixo:

Títulos
1990/2012 – 5 títulos (2 Brasileiros, 2 Copa do Brasil, 1 Copa Mercosul)
Média: 1 título a cada 4,6 anos

2013/2018 – 1 título (1 Copa do Brasil)
Média: 1 título a cada 6 anos
Presença em finais sem título

1990/2012 – três vice-campeonatos (2 Copa do Brasil, 1 Supercopa)
Média: 1 final sem título a cada 5,75 anos

2013/2018 – dois vice-campeonatos (1 Copa do Brasil, 1 Sul-Americana)
Média: 1 final sem taça a cada 3 anos

Desempenho no Brasileiro de pontos corridos
2003/2012 – 574 pontos obtidos em 400 jogos –
Aproveitamento – 47,8%
Quatro vezes entre os cinco primeiros em dez anos

2013/2018 – 345 pontos em 228 jogos
Aproveitamento – 50,43%
Duas vezes entre os cinco primeiros em seis anos

Como conclusão, o Flamengo sob Bandeira conquistou menos título em média do que ganhava anterior.

Postar um comentário

[facebook]

FlamengoResenha

{facebook#https://www.facebook.com/FlamengoSouRubroNegro} {twitter#https://twitter.com/FlamengoResenha} {google-plus#https://plus.google.com/u/0/107993712547525207446} {youtube#https://www.youtube.com/channel/UCiHkjDj2ljgIbiv_zUvdG6g/videos}

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget