Tradição, altitude... Os desafios do Flamengo na Libertadores 2019

GLOBO ESPORTE: Diante das possibilidades desenhadas, não foi o pior chaveamento para o Flamengo. Mesmo assim, o Grupo D não trouxe vida fácil na Copa Libertadores de 2019. A chave do Rubro-Negro tem Peñarol (Uruguai), LDU (Equador) e um rival boliviano a ser confirmado - San Jose ou Royal Pari.

Abaixo, veja uma análise do que espera do Flamengo:

Tradição pesada, ano ruim internacionalmente
Pela frente, o Flamengo terá um time de imensa tradição no continente. O Peñarol é pentacampeão da Libertadores. Inclusive, eliminou a equipe carioca na edição de 1982, mas perdeu o confronto na Mercosul de 1999. Tenta voltar aos seus melhores momentos no torneio internacional. No ano passado, amargou uma eliminação na primeira fase da Libertadores.

Foto: Divulgação
Também herdou vaga na Sul-Americana e, novamente, não fez bonito. No confronto da segunda fase diante do Athletico-PR, perdeu por 2 a 0 em Curitiba. Para piorar, sofreu uma derrota por 4 a 1 em seu estádio no jogo de volta.

No âmbito nacional, o Peñarol fez bem mais. Foi campeão uruguaio na temporada e teve cinco jogadores entre os melhores do torneio. Na defesa, destaque para o goleiro Dawson e o zagueiro Formiliano. No setor ofensivo, o elenco tem veteranos de peso e conhecidos no futebol sul-americano: os argentinos Maxi Rodríguez e Viatri e o uruguaio Cebolla Rodríguez (ex-Grêmio).

Estádio e logística
Em termos de desgaste pela viagem, o Flamengo não enfrentará problemas neste confronto. Há diariamente voos diretos do Rio até Montevidéu.

O Peñarol também tem um estádio razoavelmente novo. Inaugurado oficialmente há dois anos, o Campeón del Siglo tem capacidade para 40 mil torcedores. Apesar de moderno, preservou raízes do clube. Não há assentos em praticamente 90% da arquibancada. O palco fica a cerca de 20km do centro de Montevidéu.

Um duelo contra altitude
Uma LDU tentando voltar aos seus dias de glória no cenário internacional. Campeã da Libertadores em 2008 ao derrotar o Fluminense na final, a equipe participou pela última vez da competição em 2016, quando foi eliminada na primeira fase. Em 2018, a equipe de Quito voltou a conquistar o título equatoriano depois de oito anos de jejum.

O time tem dois pilares importantes atualmente. O goleiro Gabbarini, considerado peça fundamental no retorno da LDU ao torneio continental, e principalmente o goleador Juan Luis Anangonó. Ele substituiu Hernán Barcos, que se transferiu para o Cruzeiro.

Anangonó marcou dois gols diante do Vasco no duelo entre as equipes pela Sul-Americana deste ano.

Altitude é o maior desafio
Mais do que qualquer pressão da torcida, jogar no estádio Casa Blanca é complicado principalmente por causa da altitude. E a LDU historicamente sabe tirar proveito do fato de conhecer e estar acostumada a jogar a 2850 metros acima do nível do mar. O Casa Blanca tem capacidade para 42 mil pessoas.

E pode pintar mais altitude
O terceiro rival do Flamengo na fase de grupos será o campeão do Campeonato Boliviano, que acaba esta semana. Na quarta-feira, o líder San Jose recebe o vice-líder Royal Pari, em Oruro.

O San Jose tem três pontos de vantagem. Caso o Royal vença, será forçado um jogo extra para definir o campeão. Se quiser fugir de mais um duelo na altitude, o Rubro-Negro deve torcer para o Royal Pari, que joga em Santa Cruz de La Sierra - cidade que está no nível do mar. Casa do San Jose, a cidade de Oruro fica a 3700 metros acima do nível do mar.

O Peñarol é pentacampeão da Libertadores. Inclusive, eliminou a equipe carioca na edição de 1982.

Postar um comentário

[facebook]

FlamengoResenha

{facebook#https://www.facebook.com/FlamengoSouRubroNegro} {twitter#https://twitter.com/FlamengoResenha} {google-plus#https://plus.google.com/u/0/107993712547525207446} {youtube#https://www.youtube.com/channel/UCiHkjDj2ljgIbiv_zUvdG6g/videos}

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget