Flamengo Resenha


Últimas Notícias

COLUNA DO FLA: O Santos segue em queda no Campeonato Brasileiro. Depois de derrota para o Flamengo na última rodada do primeiro turno, a equipe comandada por Jorge Sampaoli sofreu novo revés, desta vez para o Grêmio, por 3 a 0, em partida disputada na noite deste sábado (21). Com isso, o time se distanciou ainda mais do Rubro-Negro na briga pelo título do Brasileirão.

Os gois da partida foram marcados por Luan, Pepê e Everton “Cebolinha”. A derrota deixou o Peixe a oito pontos atrás do Fla. Vice-líder, o Palmeiras agradece, mas ainda joga na rodada e só uma vitória interessa para também não se distanciar do clube da Gávea, que assiste à ‘briga’ de camarote, uma vez que bateu o Cruzeiro neste sábado (21) e chegou aos 45 pontos na competição, se isolando na liderança.

Foto: Lucas Uebel
O Flamengo volta a campo na próxima quarta-feira (25), para enfrentar o Internacional, pela 21ª rodada do Brasileirão. Enquanto isso, os adversários diretos na briga pelo título, Santos e Palmeiras, terão que medir forças, respectivamente, contra Fluminense e CSA. Fla e Inter se encaram às 21h30 (horário de Brasília), no Maracanã.

COLUNA DO FLA: O Flamengo bateu o Cruzeiro na tarde deste sábado (21), por 2 a 1, chegando à sua sétima vitória consecutiva no Campeonato Brasileiro e o deixando evidente o seu protagonismo na competição nacional. Em entrevista concedida após o triunfo, o técnico Jorge Jesus comentou sobre a atuação apagada de Vitinho, mas saiu em defesa do atacante rubro-negro.

JJ relembrou que o camisa 11 vem de lesão e que os treinos têm sido com bastante intensidade para explicar a partida ruim desempenhada por ele. Vitinho acabou substituído no intervalo de jogo pelo volante Piris da Motta.

Vitinho em Cruzeiro x Flamengo - Foto: Alexandre Vidal
– O Vitinho vem de uma lesão. O ritmo de treino tem sido alto. Não queria mexer muito no time. Não tem as mesmas características do Everton. As coisas não estavam como eu queria, e mexi no intervalo. Mudei de sistema três vezes […] Nunca puxei orelha de jogador. Nunca vou puxar. Atrás dele ainda tinha uma linha de quatro… não é por aí. Vejo o futebol pelo todo. Perder uma bola é normal e natural -, disse o “Mister”.

A vitória sobre o Cruzeiro ampliou a vantagem do Flamengo na liderança do Brasileirão. Agora, os comandados de Jorge Jesus possuem 45 pontos, estando a seis na frente do vice-líder Palmeiras, que ainda joga na rodada. O próximo compromisso da equipe na competição acontece nesta quarta-feira (25), contra o Internacional.

COLUNA DO FLA: Ninguém consegue parar! Esta parece ser a sina do Flamengo de Jorge Jesus. Na tarde deste sábado (21), o Rubro-Negro bateu o Cruzeiro dentro do Mineirão, por 2 a 1, com gols marcados por Gabigol e por Arrascaeta, ex-jogador do clube mineiro.

Confira abaixo as estatísticas da partida, obtidas no Footstats.

Gerson em Cruzeiro x Flamengo - Foto: Alexandre Vidal
CRUZEIRO X FLAMENGO
Posse de bola: 43% x 57%
Finalizações certas: 4 x 5
Finalizações erradas: 6 x 9
Passes certos: 306 x 436
Passes errados: 35 x 37
Cruzamentos certos: 1 x 7
Cruzamentos errados: 7 x 9
Desarmes certos: 15 x 20
Desarmes errados: 0 x 1
Lançamentos certos: 11  x 5
Lançamentos errados: 22 x 22
Faltas cometidas: 9 x 13
Escanteios: 1 x 4
Cartões amarelos: 2 x 2
Cartões vermelhos: 0 x 0
Pênaltis cometidos: 0 x 1

LANCE: Os muitos gols de Arrascaeta, Bruno Henrique, Gabriel Barbosa & Cia deixam o ataque do Flamengo em destaque, mas a defesa da equipe mostra-se cada vez mais sólida. Os números ajudam a provar a evolução do setor, que, com a "bola rolando", o time de Jorge Jesus não sofreu gols nos últimos nove jogos. Ou mais de 800 minutos. Neste período, Diego Alves foi vazado só quatro vezes, duas de pênalti e duas em desvios após cobrança de falta ou escanteio direto na área.

O último adversário a chegar ao gol do Flamengo em jogada trabalhada, com a "bola rolando", foi o Bahia, no dia 4 de agosto. O Tricolor venceu por 3 a 0, em Salvador, com três gols de Gilberto: o primeiro foi em contra-ataque, o segundo após erro na saída de bola de Diego Alves, e o último em novo contra-ataque.

Filipe Luís em Cruzeiro x Flamengo - Foto: Alexandre Vidal
Desde então, o Rubro-Negro terminou as partidas contra Santos, Avaí, Palmeiras, Ceará - todos pelo Campeonato Brasileiro - e Internacional - no jogo de ida das quartas de final da Libertadores, no Rio de Janeiro - sem sofrer gols.

Neste sábado, o Cruzeiro balançou a rede do Flamengo em cobrança de pênalti de Thiago Neves, o que não impediu a vitória por 2 a 1 no Mineirão. O Grêmio também marcou de pênalti, com Rafael Galhardo, no 3 a 1 para o Fla no Rio.

O Internacional, pela Libertadores, marcou com Rodrigo Moledo, desviando de cabeça cobrança de falta do lado esquerdo direto na área. O jogo no Beira-Rio terminou empatado em 1 a 1. O Vasco, pelo Brasileirão, marcou com Leandro Cástan de cabeça, após cobrança de escanteio pelo lado direito. O Flamengo, contudo, venceu o clássico por 4 a 1 em Brasília, no Estádio Mané Garrincha.

OS ÚLTIMOS 10 JOGOS DO FLAMENGO

Cruzeiro 1x2 Flamengo - Gol de pênalti de Thiago Neves
Flamengo 1x0 Santos
Avaí 0x3 Flamengo
Flamengo 3x0 Palmeiras
Internacional 1x1 Flamengo - Gol de Rodrigo Moledo (cabeça) após cobrança de falta do lado esquerdo
Ceará 0x3 Flamengo
Flamengo 2x0 Internacional
Vasco 1x4 Flamengo - Gol de Leandro Cástan (cabeça) após cobrança de escanteio da direita
Flamengo 3x1 Grêmio - Gol de pênalti de Rafael Galhardo
Bahia 3x0 Flamengo - Três gols de Gilberto com a "bola rolando"

LANCE: Com gols de Gabigol e Arrascaeta no Mineirão, o Flamengo venceu a sétima partida consecutiva neste sábado: 2 a 1 sobre o Cruzeiro pela 20ª rodada do Brasileirão. A vitória levou o time de Jorge Jesus aos 45 pontos na tabela. O Rubro-Negro é o líder, enquanto a Raposa, com 20, segue ameaçada pelo Z4.

Abaixo, os destaques do confronto em Belo Horizonte, na qual o Flamengo foi ameaçado pelo Cruzeiro, mas, outra vez, conseguiu se impor tecnicamente e conquistar os três pontos. A atuação do VAR foi contestada pelos rubro-negros.

Arrascaeta, Gerson e Gabigol comemorando gol do Flamengo - Foto: Divulgação
ARRASCAETA NÃO SE INTIMIDA

O grande nome da vitória do Flamengo foi Giorgian De Arrascaeta. O uruguaio, além de marcar o gol da vitória em ótima jogada de Arão pelo lado direito, foi responsável por vários lances de perigo à meta rival. Deixou, por duas vezes, Gabigol e Bruno Henrique em condições de marcar, mas os atacantes não aproveitaram, errando a finalização ou parando nas mãos do goleiro Fábio.

Gol da vitória, passes decisivos, caneta... Arrasca fez tudo isso no Mineirão, sob vaias da torcida do Cruzeiro, que não o perdoou pela saída no início deste ano.

TEVE GOL DO GABIGOL!

"Hoje tem gol de Gabigol": a placa que virou febre entre os torcedores rubro-negros "acertou" mais uma vez. Aos seis minutos da primeira etapa, o camisa 9 do Flamengo apareceu na área para, de cabeça, abrir o placar no Mineirão. Foi o 17º gol de Gabriel Barbosa, artilheiro do torneio, em 20 rodadas do Brasileiro.

TRIO ABAIXO DO ESPERADO

O Flamengo encontrou dificuldades diante do Cruzeiro, no Mineirão. As atuações de Vitinho - no primeiro tempo -, Bruno Henrique, e Gerson - desgastado, na etapa final - contribuíram para isso. O primeiro ganhou oportunidade entre os titulares, mas não correspondeu. Pareceu fora de sintonia, vacilando no lance que originou pênalti a favor do rival, por exemplo.

ARBITRAGEM QUESTIONADA

O pênalti dado por Raphael Claus, de Rodrigo Caio na primeira etapa, foi muito questionado pelos jogadores do Flamengo. Após a partida em Belo Horizonte, foi a vez do técnico Jorge Jesus reclamar e dizer que o confronto poderia ter sido mais fácil caso "um pênalti como esse" não tivesse sido assinalado.

LIDERANÇA ASSEGURADA

Com 45 pontos, o Flamengo está garantido como primeiro colocado da tabela por mais uma rodada. O Palmeiras, vice-líder, entra em campo neste domingo, e, caso vença o Fortaleza, chegará aos 42 pontos. Na próxima quarta, o Rubro-Negro receberá o Internacional, no Maracanã, pela 21ª rodada do Brasileirão.

LANCE: A rotina de boas atuações de Gabigol e Arrascaeta em 2019 teve mais um capítulo neste sábado, no Mineirão. O camisa 9, outra vez, mostrou o seu oportunismo dentro da área. Agora, ele soma 17 gols no Brasileirão. Inspirado, o uruguaio decidiu na etapa final, após boa construção ofensiva do ataque.

Confira, na sequência de fotos, as notas do L! (Por Carlos Bandeira de Mello - carlosandrade@lancenet.com.br)

Diego Alves - 6,5 - A equipe celeste pouco assustou no início da partida. Mas depois o goleiro conseguiu fazer duas defesas complicadas. Contudo, não foi soberano na penalidade cobrada por Thiago Neves.

Rafinha - 6,5 - Além de ajudar ofensivamente, buscando tramas pelo meio-campo, priorizou a parte defensiva e teve sucesso. O lado esquerdo da equipe mineira pouco criou. Apesar disso, fez falta perigosa no fim.

Gabigol, do Flamengo, contra o Cruzeiro - Foto: Divulgação
Rodrigo Caio - 5,5 - Esteve sempre atento para evitar as chegadas adversárias, mas cometeu pênalti - discutível - e que culminou no gol de empate da Raposa.

Pablo Marí - 6,0 - O espanhol esteve sempre atento para aplicar os cortes pelo alto ou por baixo. A baixa criatividade dos adversários facilitou o trabalho da dupla de zaga rubro-negra.

Filipe Luís - 6,0 - Foi participativo nos lances ofensivos e preciso nos cortes e interceptações. Não comprometeu, mas também não foi excepcional. Ainda pode mostrar mais.

Willian Arão - 7,0 - Ao seu estilo, ajudou a equipe na defesa ao despachar o perigo e ainda tentou ser surpreendente no ataque. E conseguiu... deu passe para o gol de Arrascaeta.

Gerson - 7,0 - Mostrou qualidade nos passes e um futebol objetivo no Mineirão. O camisa 8 deu assistência na medida para Gabigol colocar no fundo da rede.

Arrascaeta - 7,5 - Mesmo vaiado pela torcida, o uruguaio não se escondeu do jogo e buscou armar os lances. Com a proximidade da área, fez o segundo gol para dar alívio aos torcedores.

Bruno Henrique - 6,0 - Procurou se movimentar, mas em alguns momentos esteve pressionado pela marcação. Teve bom posicionamento para tentar o cabeceio e ganhou a maioria. Porém, não marcou.

Vitinho - 4,5 - Sem ritmo, destoou do time e teve dificuldade para encaixar na movimentação e em dar sequência nos lances. No entanto, deu origem a jogada do gol de Gabigol. E foi só.

Gabriel Barbosa - 8,0 - E para variar... Teve gol de Gabigol. São 17 gols no Brasileiro. No restante, se movimentou bastante. Ainda deu um belo 'corta-luz' para confundir a defesa, e Arrascaeta estufar a rede.

Berrío - sem nota - Com poucos minutos em campo, o colombiano não teve futebol para ser avaliado.

Rhodolfo - sem nota - Entrou para dar consistência defensiva após pressão final. Não participou de nenhum lance.

Piris da Motta - 6,0 - Fez a sua função. Procurou brecar as jogadas ofensivas do adversário e deu passes objetivos para o ataque.

Jorge Jesus - 6,5 - O Flamengo tem tudo para ser campeão nacional depois de 10 anos. Com um estilo de jogo intenso e bonito de se ver, o time conquistou a sétima vitória consecutiva.

ENTRE AS CANETAS: Por Ricardo Gonzalez

O futebol brasileiro passou a sexta-feira em polvorosa porque o técnico Tite convocou quatro grandes jogadores (Matheus Henrique e Cebolinha do Grêmio, Rodrigo Caio e Gabigol do Flamengo) para a Seleção. O técnico apanhou de grande parte da mídia e da torcida rubro-negra (o que não é pouca gente), porque o Rubro-Negro terá esses dois desfalques em jogos pelo Brasileiro contra Atlético-MG e Athlético-PR. A gritaria, para mim, é claramente mal direcionada. Quem merece críticas pesadas é a CBF e também os clubes.

A primeira coisa que chama a atenção é que todos os que criticam não apresentam uma única alternativa. A seleção brasileira, mesmo com as datas-Fifa sendo definidas há tempos, mesmo sabendo-se que é impossível jogar bem uma Eliminatória ou competição oficial se o time não for testado, se novos jogadores não forem observados, passa a ter obrigação de ser convocada por eliminação (e não para ter os melhores): este não pode porque joga o Brasileiro, aquele não pode porque tem Libertadores, o outro não pode porque está chovendo... Uma medida muito simples não resolveria o problema, mas acabaria com a gritaria: em data-Fifa não há jogo de clube. Simples. Mas onde a CBF iria arrumar datas para tudo?

Jorge Jesus - Foto: Pedro Vale
O primeiro erro é dos clubes, que são os protagonistas do futebol e não têm o menor poder de pressão ou influência sobre a CBF ou a Seleção. Não têm e, aparentemente, não querem ter, afinal estão todos felizes com convites para chefiar delegações em viagens e competições importantes. Se os clubes apitassem alguma coisa, pressionariam a CBF e conseguiriam que a seleção só chamasse estrangeiros, ou apenas um de cada time.

O segundo erro é da CBF. Fosse ela de alguma maneira mais comprometida com os clubes e com a evolução do futebol brasileiro e menos com os contratos milionários da seleção, alguém chegaria para Tite e diria (como foi feito na Argentina, que não convocou jogadores e Boca e River, que vão se enfrentar na semifinal da Libertadores): Você não vai convocar jogadores que atuam no Brasil, ou não vai convocar mais de um de cada time, etc. Ele é funcionário, cumpre ordens, e cumpriria essa também.

Mas se, de modo covarde, a entidade lava as mãos e deixa tudo na mão do treinador, ele não tem qualquer obrigação de produzir provas contra si, como numa blitz de trânsito com bafômetro. Ele precisa cuidar da seleção, dos adversários, da sequência de seu trabalho, de seu emprego, e não dos problemas dos clubes. O fato de coincidentemente ter chamado dois jogadores de Flamengo já mostra um cuidado dele. Nada garante que ele não chamaria dois de um e só um do outro, mas mudou e igualou tudo para não prejudicar ninguém em detrimento do outro. O deslocamento de uma unanimidade como Bruno Guimarães para a Sub-23 me diz claramente que ele precisou incluir Matheus Henrique para igualar o número de convocados entre os brasileiros na Libertadores.

Até entendo a gritaria do torcedor, até porque torcedor, se não agredir fisicamente ninguém, pode tudo. Se a Libertadores está "equilibrada", no Brasileiro houve uma clara vantagem para o Palmeiras, que teve apenas o goleiro Weverson convocado (e o Palmeiras tem "trocentos" goleiros). Mas a mídia passou a semana fazendo eleições dos melhores do Brasileiro e nunca entrava ninguém no Palmeiras. Ora, então porque Tite tem de convocar jogadores que não merecem jogar na seleção neste momento?

Eu diria que conciliar todos os interesses e variáveis da relação seleção-clubes é impossível. Há gritaria também na Europa, cujos clubes alegam que perdem jogadores por muito tempo - seja pela quantidade crescente de competições de seleções, seja pelo desgaste dos jogadores. Mas lá, pelo menos, as ligas param na data-Fifa. O calendário mundial não é unificado, então não dá para pensar em concentrar datas-Fifa no primeiro semestre, porque os Estaduais são fracos, as competições sul-americanas estão no início... Só que o primeiro semestre, na Europa, é quando o bicho está pegando, as competições estão sendo decididas.

Ou seja: ou os clubes pressionam a CBF por seus direitos, ou a CBF assume a defesa dos clubes e exige que Tite concilie o seu trabalho com os interesses dos times...

Ou então que acabem com o futebol de seleções.

GLOBO ESPORTE: Sábado, no 2 a 1 contra o Cruzeiro, no Mineirão, o Flamengo teve mais uma vitória convincente que reuniu um misto de organização, qualidade tática e técnica. Desta vez, Gabigol (mais uma vez) e Arrascaeta tiveram destaque e foram decisivos. A equipe mostrou mais uma vez que não muda seu estilo de jogo quando está fora de casa, independente de qual adversário for.

Sem Everton Ribeiro, poupado por causa de dores no pé direito, Jorge Jesus optou por colocar Vitinho entre os titulares. O meia, sem ritmo, não teve uma boa atuação. Estava perdido com e a sem a bola, em uma sintonia diferente do restante do time. Apesar disso, o Flamengo dominava o Cruzeiro e marcou logo ao seis minutos. Gerson cruzou na medida, e Gabigol mandou para a rede de cabeça.

Jogadores do Flamengo no Mineirão - Foto: Divulgação
O Cruzeiro não se lançou ao ataque, mas o Flamengo, embora seguisse com mais domínio, permitiu o crescimento do adversário, que chegou ao empate em um gol de pênalti muito reclamado pelos rubro-negros.

- O Flamengo está muito motivado e confiante e hoje fez mais um jogo muito correto. Esta vitória não deixa dúvidas. Poderia ser mais fácil se o pênalti não tivesse sido marcado - disse Jorge Jesus.

Vitinho vai mal, é substituído por Piris e Jesus muda esquema

No segundo tempo, o Flamengo voltou com Piris no lugar de Vitinho. Gerson, então, foi descolado para atuar mais à frente e manteve o bom nível de atuação. Apesar de ter levado alguns sustos, como uma bola na trave e alguns contra-ataques perigosos, o Rubro-Negro controlou a partida e chegou à vitória na qualidade técnica.

O lance do gol foi o retrato do que é o Flamengo. Arão, já com mais liberdade, recebeu na linha de fundo e cruzou rasteiro. Gabigol foi inteligente e fez o corta-luz, e Arrascaeta pegou de primeira um chute certeiro.

- Mudei de sistema três vezes. Mudo o time com muita facilidade, parece que estamos juntos há três anos. Temos jogadores inteligentes. Fácil passar alterações de posição. Acho que foi um dos bons momentos do time do Flamengo ao longo desta caminhada no Brasileiro - disse o português.

A maratona está iniciada, e o Flamengo terá mais desafios pela frente. Na próxima quarta, enfrenta o Internacional, no Maracanã. No sábado, o São Paulo, novamente no Maracanã. Na quarta seguinte, o momento mais esperado do ano: o duelo com o Grêmio, em Porto Alegre, pela Libertadores. Quatro dias depois, Chapecoense, em Santa Catarina.

FlamengoResenha

{facebook#https://www.facebook.com/xresenhacrf} {twitter#https://twitter.com/FlaResenhaNews} {google-plus#https://plus.google.com/u/0/107993712547525207446} {youtube#https://www.youtube.com/channel/UCiHkjDj2ljgIbiv_zUvdG6g/videos}

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget