Flamengo Resenha


Últimas Notícias

EXTRA GLOBO: Marcello Neves

"Filho, quanto está o jogo?". Essa pergunta perdurou por quase 90 minutos daquele 23 de outubro. Foi pelo telefone que Babu Santana conseguiu acompanhar a semifinal da Libertadores de 2019. Do outro lado da linha, o filho Carlinhos informava sobre a goleada que o Flamengo estava construindo. Viajando a trabalho para Goiânia, o ator se dividiu entre as falas na interpretação e a incredulidade a cada um dos cinco gols marcados pelo Rubro-Negro. A cada pausa na gravação, uma ligação para o Rio de Janeiro.

- Quase acabou o crédito do telefone nele (risos) - brinca Carlos Santana, de 16 anos, em contato com o Jogo Extra.

Babu com a camisa do Flamengo - Foto: Divulgação
Babu nunca escondeu a sua torcida pelo Flamengo dentro do 'Big Brother Brasil 20', mas poucos realmente sabem como era a vida de torcedor de um dos favoritos a conquistar o prêmio de R$ 1,5 milhão. A reportagem conversou com amigos e familiares do ator, que contam histórias de sua vida. Por exemplo, mais difícil que escapar do paredão, foi a ver a filha Laura, hoje com 17 anos, torcendo para outro time.

Durante a Copa do Brasil de 2013, Babu decidiu levar os filhos para assistir ao clássico entre Flamengo e Botafogo, que terminou em goleada por 4 a 0 para o seu time do coração. Mas além de desejar uma vaga na semifinal, o foco do brother estava em Laura, que implicava com o pai dizendo que torcia para o Corinthians após o título brasileiro de 2011.

Neste jogo, Babu estava satisfeito com a vitória do Flamengo por 2 a 0 e decidiu levar as crianças para casa antes do apito final. Como eles eram muito novos e tinham escola no dia seguinte, era a melhor maneira para evitar confusão na saída do estádio lotado. Já do lado de fora, esperando o táxi, ouviram a torcida gritar o terceiro gol. Dentro do veículo, souberam do quarto pela rádio. Desde então, Babu ensinou que não se deve deixar o estádio antes do apito final. E converteu a filha Laura, rubro-negra atualmente.

Outro jogo que mostra a boa relação de Babu com os filhos foi na Libertadores de 2014. Na ocasião, o ator recebeu um convite para estar em um dos camarotes do estádio devido a um trabalho que havia realizado. Ele levou o filho Carlinhos, mas as reações foram diferentes: enquanto o garoto se empanturrava de comer, o pai ficava quieto, concentrado no que acontecia dentro de campo.

- Tudo estava livrea no camarote, não parei de comer e acabei passando mal. Ele brinca até hoje comigo por causa disso", conta Carlinhos, que não se lembra exatamente qual jogo da fase de grupos foi a partida.



Muitos rubro-negros conheceram Babu apenas no 'BBB20', mas ele já esteve próximo da torcida anteriormente. No Brasileirão de 2018, foi o convidado especial da 'Rádio Nação Rubro-Negra' e da 'FlaTV' para comentar a partida entre Flamengo e Palmeiras, no Maracanã (veja acima). Ele recém havia protagonizado 'Praça Paris', um filme luso-brasileiro onde atuou como Pastor.

- Ele deu um jeito de me colocar na arquibancada e a cada gol marcado pelo Flamengo, ia correndo até a cabine para comemorar com ele - brinca Carlinhos.

Curiosidades

O primeiro jogo de Babu no Maracanã foi em 1992, no clássico entre Flamengo e Botafogo, o clássico jogo do gol do Junior de falta. A paixão do pai, seu Bahêa, foi levada para os filhos e para os netos.

Quando tinha 16 anos, Babu foi atleta de basquete do Flamengo. O participante do 'BBB 20' não se profissionalizou, mas dividiu quadra com estrelas como Marcelinho Machado, ídolo rubro-negro. Na hora de decidir se queria seguir ou não no esporte, optou pela arte.

Babu manda bem no futebol, segundo relatos do filho: "Teve um futebol que eu disse que ele era gordão e não ia conseguir correr. Ele foi lá e marcou cinco gols. Calou a minha boca".

UOL: O zagueiro Gustavo Henrique, que chegou ao Flamengo para a atual temporada, lembrou a estreia dele como profissional, que aconteceu justamente contra o time rubro-negro, em partida pelo Campeonato Brasileiro de 2012. Na ocasião, ele defendia o Santos e o treinador do Peixe era Muricy Ramalho.

O time da Gávea, comandado por Joel Santana, venceu o duelo por 1 a 0, com gol de Bottinelli, de pênalti, aos 42 minutos do segundo tempo.

"Aquele foi meu primeiro jogo como profissional. O Santos estava na Libertadores, eu já vinha participando dos treinos e o Muricy me deu oportunidade. Na ocasião, ele jogou com um time considerado reserva. Perdemos por 1 a 0, com um gol de pênalti no fim, mas foi um bom jogo. Marquei o [Vagner] Love e fui elogiado", disse, em entrevista à Fla TV, o zagueiro, que completou:

Foto: Divulgação
"Foi ele [Muricy] me deu a primeira oportunidade, quem me subiu [ao elenco principal]. O Muricy gostava muito de fazer coletivo com o pessoal da base. Eu sempre ia e, depois, em 2012, subi. Ele foi me dando chance aos poucos".

No Rubro-Negro, Gustavo Henrique disputa vaga na equipe com Rodrigo Caio, remanescente de 2019, e Léo Pereira, que chegou recentemente do Athletico-PR.

"A disputa acho que sempre vai ter, em qualquer time, em qualquer lugar, mas o principal é o respeito. Isso é o mais importante. Por quem o professor [técnico Jorge Jesus] optar, estará bem preparado", afirmou.

Cria do Santos, o zagueiro salientou a amizade que tem com Gabigol e Thiago Maia, outros jogadores que começaram no Peixe.
"Pude jogar com eles no Santos, fui vendo o crescimento também. Via que eram dois jogadores promissores. Buscaram espaço, com humildade, e não estão aí à toa. Realmente, são amigos que tenho e, hoje, estamos podendo jogar no mesmo time", ressaltou.

LANCE: Na última quinta-feira, Jorge Jesus externou aos seus seguidores no Instagram o quem feito durante a quarentena, em Lisboa: "estudar, ler, analisar jogos do Flamengo, de outras equipas e seleções do futebol mundial". E também admitiu estar com saudades da rotina do Ninho do Urubu. Mas o fato é que o português ainda não tem previsão para retornar ao Rio de Janeiro.

O Fla deu férias coletivas aos jogadores, de 1º a 21 de abril, mas não há garantia se Jesus estará no Brasil para comandar a retomada das atividades. A incerteza se dá por conta da pandemia do novo coronavírus e pela não perspectiva de um quadro seguro quanto à saúde pública, neste momento.

- Hoje, não tem nada certo. É impossível fazer previsões agora - falou um importante membro do departamento de futebol do clube, ao LANCE!.

Foto: Alexandre Vidal
Ainda sem trabalhar com prazos, a direção rubro-negra espera que Jorge Jesus esteja reunido, presencialmente, para alinhavar os detalhes finais do novo contrato, antes que a bola volte a rolar e o seu vínculo atual expirar, o que ocorrerá em meados de junho.

Contudo, Marcos Braz e Bruno Spindel, vice-presidente de futebol e diretor de futebol do Flamengo, mantêm contatos quase que diários com o agente Bruno Macedo, que trabalha com a dupla Giuliano Bertolucci e Kia Joorabchian, por telefone e em prol de avanços nos termos financeiros, sobretudo.

Ou seja: se ainda não há passos significativos rumo ao objetivo (renovar com Jesus até o fim de 2021), ao menos o pé segue no acelerador, sem pisar no freio.

A "tendência natural" é que haja a tão aguardada renovação. E o próprio Rodolfo Landim foi quem deixou a Nação mais confiante, recentemente:

- Vamos voltar a conversar. Ele já disse que está feliz aqui. Nós estamos felizes com ele. A tendência natural é que isso (renovação) ocorra. Esperamos que esse casamento feliz continue. Nossa vontade é pelo menos até o fim de 2021, que é quando essa diretoria estará à frente do clube - disse o presidente do clube, em entrevista à FLA TV.

LANCE: Nestes tempos de pandemia e isolamento social, o mundo digital ganhou mais importância do que nunca, tornou-se em vários segmentos da economia a única forma de comunicação entre as empresas e seus clientes. Quem não tem um canal de e-commerce ativo, por exemplo, certamente está sofrendo mais os efeitos deste momento de crise. A situação não é diferente no esporte, no futebol especificamente. Os canais virtuais, as redes sociais oficiais têm sido, além da mídia tradicional, é claro, a forma encontrada pelos clubes para falar com seus torcedores. E isso é bom, algo capaz de distrair a atenção, quando só o que se fala é em coronavirus.

Na quinta-feira, o instituto Ibope-Repucom divulgou a versão de abril do ranking brasileiro de clubes no mundo digital. Esse levantamento é realizado regularmente, é único no Brasil, e lista os 50 clubes com maior número de seguidores e fãs em suas páginas oficiais no Facebook, Instagram, Twitter e Youtube, as quatro principais redes sociais acessadas no país. Além de um bom assunto para alimentar o papo entre torcedores, zoeiras e memes na internet, o levantamento serve para que os próprios clubes, através de suas diretorias de comunicação, tenham uma avaliação do que precisam fazer para melhorar sua presença digital. Pelo menos, isso é o que deveria ser feito.

Foto: Divulgação
Há resultados óbvios nesse relatório, como a liderança folgada do Flamengo no topo do ranking com mais de 30,2 milhões de seguidores na web, contra 23,3 milhões do Corinthians em segundo lugar. Mas há, também, algumas tantas informações interessantes e até surpreendentes. Pois vamos ver.

O Ibope demonstra que existe, de uma forma geral, um equilíbrio entre os clubes de uma mesma praça. É o caso dos times paulistas, com São Paulo, Palmeiras e Santos se colocando logo atrás do Corinthians, na terceira, quarta e quinta posições, nessa ordem. Cruzeiro e Atlético-MG aparecem separados por pouco mais de 100 mil seguidores, Ceará e Fortaleza, Figueirense e Criciúma, Remo e Paysandu, ABC e América-RN também se apresentam com números muitos próximos. O mesmo acontece no Rio com Fluminense, 12º e Botafogo, 13º. O Vasco, contudo, mantém, em 7º, uma posição intermediária entre estes e o líder Flamengo.

Exceções claras a essa regra acontecem no Rio Grande do Sul onde o Grêmio, em sexto, tem quase 3 milhões de seguidores a mais do que o Internacional, em 11º; e em Campinas, onde a Ponte Preta, com 585 mil em 28º lugar, e o Guarani, com 221 mil em 50º, têm uma diferença de mais do que o dobro a separá-los. Bahia e Vitória, embora próximos na tabela de classificação – 15º e 17º respectivamente - têm entre eles uma diferença de cerca de 1,4 milhão de fãs.

O Atlhetico Paranaense é um caso interessante. O posicionamento nacional que tem buscado nos últimos anos – e que tem de fato gerado resultados objetivos, como a conquista da Copa do Brasil no ano passado, e da Copa Sul-Americana, em 2018 – faz o clube se distanciar cada vez mais nas redes sociais do arquirrival Coritiba, que tem uma repercussão quase que inteiramente local, indo pouco além da capital paranaense e seu entorno. O Furacão, em ascensão, já é o 16º com 2,6 milhões de seguidores, cerca de 1 milhão à frente do Coxa, que tem 1,6 milhão, em 20º.

Dois casos “estranhos” chamam atenção no relatório do Ibope. E têm explicações distintas. Um é a Chapecoense, que ocupa a 10ª posição, com 5,7 milhões de seguidores, número absolutamente desproporcional à relevância que o clube tem no cenário do futebol brasileiro. É consequência, ainda, da tragédia aérea de 2016 na Colômbia, quando uma corrente de apoio e solidariedade se espalhou por todo mundo em torno do Verdão do Oeste. E muitos seguidores, embora hoje passivos, sem nenhuma interação com as redes sociais, continuam inscritos nas páginas do clube.

O outro é o pernambucano Ibis, que um dia já foi chamado de o pior time do mundo mas que foi capaz de transformar esse folclore em algo que lhe rende números bastante positivos nas redes sociais, assumindo a brincadeira e publicando memes e zoeiras que entram bem no espírito da web. Trigésimo no ranking, o clube aparece à frente de camisas tradicionais e que já circularam pela Série A nacional como CSA e CRB, América-MG, Paraná e a Portuguesa paulista.

Por fim, uma última conclusão. O posicionamento dos clubes nas redes sociais guarda bastante semelhança com o último ranking do DataFolha que, em outubro do ano passado, mediu o tamanho de suas torcidas. Flamengo, Corinthians, São Paulo e Palmeiras formam o quarteto de ponta nos dois índices. Mas há diferenças a partir daí. O Santos dá um salto, é o 8º no ranking de torcedores e 5º na internet, enquanto o Vasco cai de 5º em número de torcedores para 7º na internet. São variações resultantes de uma maior ou menor competência em operar essas plataformas digitais. Em um mundo cada vez mais online, não é arriscado dizer que adquirir essa expertise será um fator decisivo na conquista e na fidelização dos fãs.

GLOBO ESPORTE: O Flamengo entrou na vida de Gustavo Henrique muito antes de ele vestir a camisa rubro-negra. Em 2012, com apenas 19 anos, o zagueiro fez sua estreia como profissional, ainda pelo Santos, justamente num jogo contra o time carioca. Na ocasião, uma equipe reserva do Peixe foi derrotada no estádio Nilton Santos por 1 a 0.

- Foi meu primeiro jogo como profissional. Na época o Santos estava na semifinal da Libertadores, e eu já estava participando dos treinos. Na época era o professor Muricy. Ele me deu oportunidade, jogou um time chamado reserva. Eu lembro que a gente perdeu de 1 a 0, mas eu fiz um grande jogo, marcando o Vagner Love. Recebi vários elogios do Muricy. Tomamos gol aos 45 do segundo tempo, de pênalti - contou Gustavo, em entrevista ao canal oficial do Flamengo na Internet.

Foto: André Durão
Oito anos depois, o Flamengo voltou com força à vida de Gustavo. Decidido a deixar o Santos, ele viu na proposta rubro-negra a chance de respirar novos ares. Mas nem tudo era novidade no Rio de Janeiro: no novo clube, ele reencontrou amigos, como Gabigol, Thiago Maia, Rodrigo Caio e Bruno Henrique.

- Foi muito bacana. Eu pude jogar com eles (Gabriel e Thiago) no Santos, vendo o crescimento deles também. Já vi que eram dois ótimos jogadores, muito promissores, que buscaram seu espaço com muita humildade. Hoje estão ai não é à toa, porque ralaram muito. São amigos meus, que levo até hoje. Estamos podendo jogar juntos no mesmo time, esperamos conquistar cada vez mais.

Segundo Gustavo, desde que soube do interesse do Flamengo, a prioridade foi do Rubro-Negro. E uma série de fatores justifica a decisão do zagueiro:

- Foi o primeiro clube que demonstrou interesse, e eu fiquei muito feliz. Dei prioridade por causa da torcida, do Maracanã lotado, o elenco que tem. Tudo isso te motiva cada vez mais. Eu precisava sair, de novos ares. Já estava decidido. Não ia deixar essa chance passar - completou.

Até o momento, Gustavo Henrique tem 10 partidas pelo Flamengo, todas como titular. Ele fez um gol, na vitória sobre o Barcelona de Guayaquil, pela Libertadores.

Confira outros tópicos da entrevista:

Quarentena

- A gente recebeu férias. Vai ter que alongar o calendário. Sempre importante manter o condicionamento físico. Procuro fazer um trabalho à parte dentro de casa mesmo. Monto um espaço aqui, com uns pesos, faço trabalho de mobilidade e força. Para que quando a gente voltar, não tenha perdido este condicionamento inteiro, para que a gente possa manter uma boa base para não sofrer lá na frente.

Apoio da torcida e emoção com primeiro gol

- Sensação muito especial entrar num campo histórico como o Maracanã. Todo jogador sonha com isso, eu não sou diferente. Você entra e sente o calor da torcida. Isso nos anima e motiva cada vez mais para que a gente possa dar cada vez mais felicidade para eles. A sensação de marcar um gol com 60, 70 mil pessoas é inexplicável. Eu fiz esse gol e fiquei muito feliz, muito emocionado. Estava buscando muito esse gol.

Inspiração em Rodrigo Caio

- Joguei com ele na seleção. É um grande jogador. Perguntei a ele como foi essa mudança, se realmente era bom o ambiente de trabalho. Ele falou que podia vir de olhos fechados. Isso me deixou mais tranquilo. É um exemplo, porque ele siau de um clube onde jogou muito tempo. Chega uma hora que você precisa buscar novos ares. Só espero neste novo clube dar muita alegria para a torcida.

GLOBO ESPORTE: O Flamengo concedeu férias coletivas a seus jogadores até 20 de abril, mas seu principal artilheiro não parou. De quarentena em Santos, sua cidade natal, Gabigol segue uma rígida rotina de exercícios. Para tanto, realiza um trabalho específico com Alex Evangelista, ex-fisiologista da seleção brasileira, seguindo as orientações da comissão técnica rubro-negra.

Gabigol e Evangelista se conheceram ainda no Santos. Depois, estiveram juntos na seleção brasileira que conquistou o ouro olímpico no Rio de Janeiro em 2016. Há nove meses, o atacante contratou o fisiologista para fazer um trabalho de complementação física, sempre com o aval do Flamengo.

- Ele está há nove meses sem folga. Treina todos os dias. O Flamengo é a prioridade. Então, sempre me organizo segundo as recomendações deles. E também fazemos diariamente de três a seis horas de recuperação - explicou Evangelista.


No atual cenário, com férias e de quarentena, a programação mudou um pouco. Gabriel segue treinando todos os dias, por até três horas, em casa. O foco é manter a forma física do atacante, que tinha boa avaliação no Flamengo antes da parada dos jogos.

- Agora estamos fazendo um trabalho de manutenção. Manter a massa muscular, nível de força, sistema cardiovascular, trabalhos aeróbicos. Nossa tônica é manutenção. Ele tinha todas as avaliações redondas, que davam a ele uma tranquilidade para continuar jogando, que não iria machucar do ponto de vista muscular - contou Evangelista.

Veja um exemplo de dia de treino de Gabigol:

- Stiff unipodal
- Remada no TRX
- Agachamento com remada
- Quatro apoios (inversão de braços e pernas)
- Agachamento com remada
- Core
- Avanço + Agachamento
- Abdução/Adução/Superman
- Ponte unilateral
- 6x2 minutos de tiro na bicicleta

No momento, a grande preocupação é a indefinição quanto ao retorno das atividades. Isso prejudica um pouco o planejamento dos exercícios.

- A gente está pisando em ovos, porque todo planejamento precisa de um dia para começar e para terminar. Estamos fazendo um trabalho, mas não sabemos o quanto isso vai perdurar. Quando houver uma absoluta certeza de que ele vai iniciar os trabalhos no campo, aí começamos, associados às recomendações do Flamengo, a associar as técnicas e fazer um trabalho mais dinâmico para desenvolver intensidade e velocidade - completou o fisiologista.

O elenco profissional do Flamengo está de férias até 20 de abril. Entretanto, ainda não há uma definição quanto ao retorno do futebol no Brasil, devido à pandemia de coronavírus. O Campeonato Carioca e a Libertadores seguem suspensos.

LANCE: Em entrevista dada ao canal de YouTube 'De Olho no Jogo', o presidente do Coritiba, Samir Namur, admitiu que o clube continua observando a situação do atacante colombiano Orlando Berrío, do Flamengo.

Entretanto, o mandatário do Verdão admite que a situação não é tão simples pelo fato de que o atleta de 29 anos de idade gostaria de sair do clube carioca com um contrato em definitivo e não somente por empréstimo. Além disso, Samir também pontuou que existe o interesse de Berrío em retornar a Colômbia, algo que inviabilizaria a transação independente do aspecto financeiro:

Foto: Alexandre Vidal
- Berrío esteve no radar e por mais de uma vez foi tentado. Continua no nosso radar, mas a situação é um pouco complicada. Envolve o atleta, seu agente. Berrío não gostaria de sair emprestado do Flamengo, sim com um contrato novo. Aí teria dificuldades para rescindir lá. Um acerto de valores entre Coritiba e Flamengo seria a parte fácil. Berrío pode ser que aconteça, é um atleta que não é brasileiro, tem a vontade de voltar a atuar na Colômbia, enfim, são questões complicadas, mas ele continua no radar porque o Coritiba quer um reforço para esta posição.

O DIA: Um dia após demitir quatro jogadores, mais o técnico da equipe, o Flamengo pode perder mais um atleta para a equipe de League of Legends. De acordo com o 'Globoesporte.com', o sul-coreano Luci, que já estava insatisfeito no clube, ficou irritado com o corte recente os colegas de time e resolveu voltar ao país natal.

Além do incômodo com a administração do clube, Luci também estaria preocupado com o avanço do coronavírus no Brasil e prefere ficar ao lado da família neste momento. Ainda conforme o portal, o sul-coreano, que atua como suporte, já havia pedido para deixar o Flamengo em outras oportunidades.

Foto: Divulgação
Principal investidora do esportes eletrônicos do Flamengo, a 'Simplicity eSports' está reduzindo o orçamento, deixando a situação da modalidade em xeque no clube. Contratado no final de 2018, Luci participou da conquista do título do 2ª Split em 2019 (2ª fase do Campeonato Brasileiro de League of Legends).

O DIA: Por Venê Casagrande

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) anunciou a suspensão dos torneios nacionais por tempo indeterminado no dia 15 de março. Depois de duas semanas sem jogos oficiais, o Flamengo ainda não anunciou o que será feito com as cobranças referentes aos planos de sócio-torcedor do clube, já que não tem como prever quando que os estádios poderão ser frequentados.

Internamente, os dirigentes debatem alternativas para não deixar os rubro-negros na mão durante o período que não terá jogos. Mais de duas semanas se passaram, nada foi divulgado e a demora por uma resposta oficial incomoda torcedores Brasil a fora.

A assessoria institucional do Flamengo foi procurada pela reportagem e garantiu que o assunto está sendo tratado e novidades poderão ser anunciadas em breve, mas, até o momento, não há definição sobre o assunto.

Foto: Divulgação
No atendimento do "Nação Rubro-Negra", canal no Whatsapp entre clube e torcedor, a resposta oficial passada pela funcionária é que os valores dos planos não sofrerão alterações durante a paralisação e "as parcelas continuarão com o mesmo valor e seu plano estará ativo até a data final, sem desconto".

Quando questionada se o torcedor ficar sem receber o salário, ou até mesmo for demitido, terá que continuar pagando de forma integral e não terá descontos futuros, a funcionária apenas respondeu:

"Se a solicitação for de cancelamento, estamos oferecendo um aumento de 30 dias + um Upgrade sem custo".

Durante o período de incertezas, alguns torcedores procuraram o vice-presidente de marketing e comunicação do Flamengo, Gustavo Oliveira, para saber se o clube irá dar descontos aos sócios-torcedores durante o espaço de tempo que ficará sem jogos, mas o dirigente disse que ainda não há definição.

E OS OUTROS CLUBES DO RIO?

O Vasco, assim como o Flamengo, ainda não se pronunciou a respeito do assunto. O Fluminense e o Botafogo já anunciaram as suas respectivas decisões sobre os planos de sócio-torcedor.

O Tricolor anunciou descontos extras em ingressos para partidas do mando de campo da equipe. Além disso, a pontuação obtida pelo pagamento das mensalidades durante a quarentena terá valor dobrado no programa de pontos do "Sócio Futebol", que será lançado no segundo semestre.

O Botafogo divulgou as medidas tomadas pelo clube para o programa sócio-torcedor. O Alvinegro garantiu que nenhum sócio-torcedor será prejudicado com a perda de qualquer benefício, independentemente do período em que as partidas estejam suspensas. Outra medida é que os associados do "Pacote Temporada" terão seus pacotes estendidos até o final das competições válidas pelo ano de 2020.

Além disso, o "Programa Sou Botafogo" vai conceder um desconto significativo na renovação e aquisição de novos planos e pacotes para a próxima temporada àqueles que continuarem junto com o Clube nesse período de dificuldades.

COLUNA DO FLA: O Flamengo divulgou na última terça-feira (31) o balanço de suas finanças referentes ao ano de 2019. Protagonista no futebol sul-americano, o Rubro-Negro bateu recorde e obteve receita bruta de R$ 950 milhões. Em entrevista concedida na “Fla TV”, o presidente Rodolfo Landim celebrou os bons números de arrecadação em seu primeiro ano no comando da gestão do clube.

– Tivemos um ano bom, com uma receita grande, além do esperado, até por causa das premiações. Boa parte foi devolvida para o departamento técnico e jogadores, que foi a nossa filosofia. O bom desempenho refletiu também na bilheteria. Esportivamente foi um grande ano. Tudo isso está resumido no balanço. Vale a pena dar uma lida -, disse o mandatário.

Foto: Divulgação
Landim afirmou ainda que o Flamengo certamente sofrerá um impacto financeiro diante da pandemia do novo coronavírus, que causou a paralisação de todas as atividades relacionadas ao futebol. O presidente disse torcer para que a situação se resolva rapidamente. Vale lembrar que o Brasil já registrou 359 mortes e 9.056 casos confirmados de Covid-19 no país, segundo balanço mais recente divulgado pelo Ministério da Saúde.

– Vamos sofrer impacto esse ano por causa da pandemia. O mundo vai sofrer. As pessoas vão passar por dificuldades, já temos visto o nível de endividamento pessoal. As empresas também vão passar por dificuldades. Mas tudo vai depender do período de paralisação. Devemos tentar voltar o mais rápido possível para as atividades. Se for pequena e encaixarmos as datas de todos os campeonatos, o impacto vai ser menor. Mas que vai haver impacto, não há dúvida. Estamos traçando alternativas -, revelou.

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget