Gilmar Ferreira faz aviso a Abel Braga: "O Flamengo é diferente"

GILMAR FERREIRA: Não foram poucas as queixas de torcedores que se deparam com um fato intrigante, sábado, nos arredores do Estádio Aniceto Moscoso, em Conselheiro Galvão.

Cambistas vendiam ingressos pelos mesmos R$ 60 da bilheteria.

O problema é que os guichês estavam fechados.

E nas mãos dos bem fornidos "vendedores" não havia a obrigatória meia-entrada.

Ou seja: pais que desembarcavam dos trens, num calor insuportável, com dinheiro contado para os ingressos dos filhos eram recepcionados pela dura realidade.

A ponto de os tais cambistas, sem cerimônia, falarem abertamente sobre a "recarga", quando acabavam o estoque nos bolsos.

"Pega mais lá dentro..."

É impossível assegura que o tal "lá dentro " se referisse às próprias dependências do Madureira.

Mas, de qualquer forma, fica o grito de alerta ao Procon....

MADUREIRA 0 x 1 VASCO.

No jogo, em si, o time de Alberto Valentim pouco pôde oferecer para análise.

A estreia sob sol forte, com sensação térmica indescritível, exige cautela nos julgamentos.

Mas o volante Lucas Mineiro deixou boa impressão em muita gente, o que já ajuda.

Os laterais Cáceres e Danilo e o atacante Ribamar até se esforçaram, mas não se destacaram.

Thiago Galhardo, que não jogaria, foi lá e salvou a pele do técnico.

Ah, Valentim...

FLUMINENSE 1 x 1 VOLTA REDONDA.

A ideia de Fernando Diniz, talvez, seja sonhada por dez entre dez técnicos.

Controle do jogo com posse de bola, apropriação dos espaços e futebol vertical.

Mas, sem quatro titulares, o Fluminense esteve longe disso.

E acabou por, precipitadamente, gerar medo e desconfiança nos torcedores.

O Volta Redonda se fechou com eficiência, forçou os erros do time tricolor e exoplorou a explosão do pontinha Douglas Lima, ex-Madureira.

Com o tempo, os conceitos do treinador podem dar ao time uma qualidade que, individualmente, não se enxerga.

Foto: André Durão
FLAMENGO 2 x 1 BANGU.

De pouco adianta Abel Braga usar os scouts do jogo para mostrar que seu time fez boa partida.

O desempenho do Flamengo não foi ruim, mas o resultado esteve abaixo da expectativa da torcida que fez bonito no Maracanã.

Dizer que chutou 19 vezes ao gol do Bangu, criou dez chances claras de gol, e que o time do adversário não incomodou, é mais do mesmo.

Já era assim em 2018: posse de bola, superioridade técnica, chances desperdiçadas e frustrações.

Entendo e aceito os argumentos do técnico, mas o torcedor, não.

E essa "teórica imcompreensão" explica, em parte, a máxima de que "o Flamengo é diferente".

Não adianta recorrer a scouts, se queixar de retrancas ou se indignar com os exageros da paixão..

CABOFRIENSE 3 x 1 BOTAFOGO.

É ruim chegar à conclusão de que o time sentiu falta do trio Carli, Valência e Pimpão - mas foi o que ocorreu.

Porque enquanto Zé Ricardo não tiver um meia experiente, de boa qualidade, o Botafogo seguirá condenado à mediocridade.

Nesta partida, por exemplo, apesar da presença de João Paulo, faltou quem cadenciasse o jogo, mantendo a organização dos setores.

Principalmente no segundo tempo quando o desgaste físico se fez presente em Macaé.

Dentro das limitações do orçamento, o conjunto alvinegro não é ruim.

Mas é preciso ter quem crie as soluções ofensivas, e um artilheiro inquestionável,

É hora de agir...

O desempenho do Flamengo não foi ruim, mas o resultado esteve abaixo da expectativa da torcida que fez bonito no Maracanã.

Postar um comentário

[facebook]

FlamengoResenha

{facebook#https://www.facebook.com/xresenhacrf} {twitter#https://twitter.com/FlaResenhaNews} {google-plus#https://plus.google.com/u/0/107993712547525207446} {youtube#https://www.youtube.com/channel/UCiHkjDj2ljgIbiv_zUvdG6g/videos}

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget