Descaso da diretoria com a imagem do Flamengo preocupa torcida

GLOBO ESPORTE: 2019 ainda não tem dois meses completos, mas o Flamengo já foi do céu ao inferno fora de campo neste início de temporada. De clube sensação com os investimentos que o colocaram em outro patamar no cenário brasileiro ao desgaste sofrido pela tragédia do Ninho do Urubu. O processo envolvendo indenizações para as famílias das vítimas mal começou, mas a imagem do clube já está arranhada.

O Rubro-Negro iniciou o ano como onipresente no noticiário esportivo. Afinal, o time, atual vice-campeão brasileiro, recebeu reforços de peso como Arrascaeta e Gabigol para ser candidato a todos os títulos da temporada. Além disso, o clube inaugurou o novo módulo do CT profissional, um "padrão Europa" dentro do Brasil. Mas, na mesma semana em que começou a usar as novas instalações, aconteceu a tragédia justamente no local.

Torcida do Flamengo com sinalizadores na Gávea - Foto: André Durão
O incêndio em um alojamento da parte antiga do Ninho do Urubu deixou 10 jogadores da base mortos e três feridos. A diretoria, recém-eleita e empossada, não tinha conhecimento da falta de licença e alvará no CT e assumiu a responsabilidade pelas vítimas. Abriu as portas para colaborar com as investigações e concentrou seu foco no amparo às famílias atingidas. Postura que de certa forma preservava a imagem do Flamengo até a última quinta-feira, quando familiares começaram a atacar o clube.

O motivo: a grande diferença entre os R$ 2 milhões pedidos de indenização por família, mais R$ 10 mil por mês durante 30 anos, para a proposta rubro-negra de R$ 700 mil e até três salários mínimos durante 10 anos. A revolta das vítimas contrasta com a avaliação do Flamengo, de que o valor é acima do padrão na Justiça brasileira e seria pago de imediato, sem depender da fila do judiciário. A diretoria buscou informações de cifras envolvendo outras tragédias, como da Boate Kiss e das barragens de Mariana e Brumadinho.

Flamengo ganha tempo e evita interdição imediata do Ninho e bloqueio de bens
Nos bastidores, o Flamengo diz entender a indignação das vítimas de luto, mas acredita que em nenhum momento houve o real desejo, especialmente de seus representantes legais, em negociar um acordo, pois a ideia já era levar o caso para os tribunais. Algumas famílias têm vários advogados, e a postura dos deles incomodou. Em entrevistas à imprensa, alguns familiares se disseram desamparados pelo clube. A diretoria não se pronunciou oficialmente, mas um dirigente, que preferiu não se identificar, contestou:

– Estamos pagando R$ 5 mil por mês por família apenas para sentarmos e conversarmos. Arcamos com todas as despesas, desde hospital, velórios, funerais, hotéis, passagens, psicólogos... Tudo.

A diretoria gostaria de evitar uma arrastada disputa na Justiça e entende que esse seria o melhor caminho para todos. No caso do Flamengo, além de colocar um ponto final na questão indenizatória e amparar as famílias, evitaria um desgaste ainda maior em sua já arranhada imagem pós-tragédia. Mas internamente já admitem que o dano está feito. A marca do clube está prejudicada e, em um primeiro momento, será difícil amenizar o cenário.

Questionamentos internos
Desde o primeiro dia, o Flamengo priorizou a assistência às vítimas. No entanto, optou por uma estratégia de comunicação perigosa, por vezes pouco transparente. O clube fez três breves pronunciamentos – dois com o presidente Rodolfo Landim e outro com o CEO Reinaldo Belotti –, mas não deu espaço para perguntas. Além disso, o Rubro-Negro soltou diversas notas oficiais. O vice jurídico Rodrigo Dunhsee foi o único que se aventurou a responder os jornalistas semana passada, no Ministério Público, mas se irritou com questionamentos e abandonou a entrevista.

Com auxílio de uma empresa especializada em gestão de crise, a estratégia adotada visava evitar constrangimentos diante de um cenário de tantas perguntas – muitas delas, nem os próprios dirigentes tinham respostas. Além disso, advogados entenderam que qualquer palavra fora do lugar poderia vir a prejudicar o clube nos tribunais. Funcionou parcialmente no início, mas a falta de transparência em alguns pontos levantou questionamentos da sociedade e hoje, internamente, há quem avalie que foi um tiro no pé.

Informalmente, alguns dirigentes influentes no clube avaliam que o Flamengo deveria ter "colocado a cara" e tratado o assunto publicamente de outra forma. Como, por exemplo, toda a cúpula do clube ter se apresentado para uma coletiva de imprensa para demonstrar união e defender seus pontos de vista. Até porque a diretoria entende ter responsabilidade pelas vítimas, mas não culpa pelo incêndio, que é atribuído pelo clube a uma pane elétrica após um temporal que caiu no Rio de Janeiro.

Reflexos externos
Entre torcedores, especialmente em redes sociais, o reflexo desse desgaste é nítido. O Flamengo diminuiu o número de publicações e sequer fez referência às entrevistas coletivas de Gabigol e Arrascaeta nesta semana – nada mais nada menos do que suas principais contratações para a temporada. Em cada postagem, o clube recebe uma enxurrada de críticas dos próprios torcedores cobrando o pagamento das famílias e fazendo relações com investimentos no futebol.

A imagem trincada do Flamengo também atrapalha o clube no mercado. Embora a diretoria não busque reforços no momento, há a procura por patrocinadores, principalmente para o espaço master da camisa. "Carabao" e "Caixa Econômica Federal" deixaram o uniforme rubro-negro no fim de 2018 e aumentaram a urgência por reposições. Mas todas as negociações com empresas que estavam em curso estão estagnadas desde a tragédia.

Independentemente do campo e bola, o ano do Flamengo promete ser longo...

O processo envolvendo indenizações para as famílias das vítimas mal começou, mas a imagem do clube já está arranhada.

Postar um comentário

[facebook]

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget