Tradutora do Flamengo revela desafios no e-Sports

SPORTV: Ga Kim, ou simplesmente “Ga”, é uma das peças fundamentais no Flamengo em 2019. Embora fique nos bastidores, a tradutora é a responsável por estabelecer a comunicação entre os jogadores coreanos e os membros brasileiros do time de League of Legends do Rubro-Negro, o que a torna um dos pilares da boa comunicação da equipe. Ela começou o trabalho como tradutora no 1º Split do Campeonato Brasileiro de League of Legends (CBLoL) de 2018, quando assinou com a RED Canids logo após a chegada de Kim “Sky” e Park “Winged”. Em entrevista exclusiva ao e-SporTV, Ga contou como embarcou na primeira experiência como tradutora nos eSports, o trabalho mais "tranquilo" no clube carioca e o que é feito em prol do conforto dos atletas estrangeiros em um país diferente.

A função do tradutor está muito longe de ser apenas traduzir a comunicação entre os jogadores. Ga explica que o profissional deve criar uma relação amigável entre ele e o jogador que necessita de auxílio. Segundo ela, quando se trata de Brasil e Coreia do Sul, o atleta está em um país totalmente diferente do país natal dele, tanto na questão cultural quanto na culinária.

Foto: Divulgação
- Cada time tem um desafio diferente. Depende muito da oportunidade e da experiência de trabalho de cada jogador. Já trabalhei com jogadores sem nenhuma experiência internacional ou que nunca tiveram a demanda por tradutor atendida. No início, meu maior desafio foi aprender sobre o jogo (League of Legends) porque eu conhecia muito pouco, os nomes em coreano. Depois, teve a personalidade dos meninos. Alguns são mais caseiros, mais tranquilos, outros sentem muita falta de sair mais com os amigos... Fazer essa adaptação com os jogadores, não só da linguagem, mas buscar uma alimentação familiar para eles, prestar atenção na saúde, e tudo mais… - explicou Ga.

De acordo com a rubro-negra, é de extrema importância que exista uma relação de confiança entre o tradutor e o jogador que precisará do mesmo. Ela explica que o responsável por trabalhar a tradução precisa criar um vínculo de confiança com o atleta, para que ele se sinta confortável em trabalhar todas as dificuldades, de dentro e fora do jogo. Ga diz que tudo isso é necessário para que que, no final, os cinco jogadores trabalhem como apenas uma entidade.

Elenco do Flamengo fazendo um jantar típico da Coreia — Foto: Reprodução/Instagram Elenco do Flamengo fazendo um jantar típico da Coreia — Foto: Reprodução/Instagram
Elenco do Flamengo fazendo um jantar típico da Coreia — Foto: Reprodução/Instagram

- Acredito que posso ajudar os meninos a se sentirem mais confortáveis, não só com o idioma e no jogo em si, mas principalmente na questão de experiências culturais, nas diferenças de costumes entre os jogadores coreanos e os brasileiros. Nosso trabalho é fazer com que os cinco jogadores tenham “um só cérebro, um só olho”. Com jogadores de outros países na equipe, ao mesmo tempo que eles vêm com uma carga grande de conhecimento e de mecânica, a gente tem essa barreira linguística. Então vamos sempre correr atrás para ajudar e facilitar o máximo possível - comentou.

A facilidade em trabalhar com o Flamengo
Embora tenha citado dificuldades em trabalhar com a RED Canids em 2018, devido ao fato de Kim "Sky" e, mais tarde, Lee "Chaser" não terem tido experiência internacional suficiente para dominar o inglês, Ga revela que esse problema praticamente não existe no Flamengo. Os coreanos do time são o caçador Lee "Shrimp", o suporte Han "Luci" e o analista Seong "Reven". O fato de boa parte do elenco rubro-negro ter trabalhado fora do eixo da Coreia do Sul, onde os coreanos acabaram lidando com o inglês, facilita o trabalho de comunicação entre os jogadores. O grupo ainda é comandado pelo americano Jordan "Grey".

- Aqui no Flamengo, dificilmente os jogadores têm alguma dificuldade de falar inglês. De vez em quando, tem uma palavra aqui e ali que eles não conseguem falar, mas, de modo geral, não vejo nenhuma grande dificuldade neles. Os três meninos (coreanos) tiveram alguma experiência fora, se adaptaram muito bem ao inglês. Optamos, desde o começo, por usar o inglês, a não ser em termos muito específicos - contou Ga.

Isso explica a rápida sinergia construída entre a dupla da rota inferior rubro-negra, o brasileiro Felipe "brTT" e o coreano Han "Luci". Logo nas primeiras partidas do CBLoL 2019, os dois demonstraram se entender muito bem, seja na fase de rota ou nas lutas em equipe, nas quais é exigido um pouco mais de comunicação entre os jogadores.

- O Luci, antes de vir para cá e antes da temporada na Coreia, estava na China. Ele estava bem acostumado a usar o inglês com os jogadores de lá. Também acho que, tanto pelo brTT ter um bom inglês e tanto por essa experiência do Luci fora da Coreia, os dois conseguiram estabelecer uma sinergia rápida - acredita Ga.

Se fosse o caso de os jogadores do Flamengo não abusarem da aptidão com a Língua Inglesa, Ga aponta que existem formas de trabalhar a comunicação dos jogadores apenas dentro de jogo, usando do aprendizado de termos próprios do League of Legends.

- Para facilitar a comunicação entre eles, a gente passa muitos termos usados durante o jogo, as informações que costumam precisar. Ensinamos palavras muito importantes para quando você está jogando, expressões do jogo, como perguntar, como falar com a equipe. Desde que eles saibam isso, estão bem habilitados para jogar - afirmou a tradutora.

O começo de tudo
Estudante de Biomedicina na Universidade de São Paulo (USP), Ga foi surpreendida quando abordada pela primeira vez pela RED Canids, em 2018. Ela revela que sempre deixou o número de telefone à mostra na internet e então não descartava a situação de cair num trote.

- A oportunidade de trabalhar como tradutora surgiu de uma forma muito aleatória. Eu estava trabalhando como freelancer na área, dando aulas de coreano, e estava tendo muita demanda de coreanos que vinham ao Brasil e precisavam aprender português. Um dia, a secretária da RED me ligou e me disse do interesse deles. Na época, eu até achei que era trote. Quando me chamaram para conhecer o time, eu estava com tanto receio que não fui sozinha, levei meu irmão (risos) - contou.

Chegando na RED, ela se surpreendeu e viu que realmente era um trabalho sério, o que culminou na permanência na equipe. Como tradutora, não existia a necessidade de morar junto com os jogadores na gaming house, mas ela se locomovia até a casa todos os dias, principalmente nos horários de treino, em que era de maior necessidade o trabalho de comunicação.

Como se tornar um tradutor nos eSports?
Embora o Brasil importe jogadores coreanos desde 2014, o trabalho dos tradutores só foi colocado em pauta nas equipes nos últimos anos. Além de RED e Flamengo, a bicampeã brasileira KaBuM foi o único outro time que contratou um profissional da área. A prática tende a se tornar mais comum no futuro. Ga conta o que é essencial para exercer a função nos eSports:

- Para quem quer embarcar nessa profissão, obviamente é muito importante saber o jogo e também conhecer as necessidades do "coach" (técnico) e de cada jogador. E não ficar só no idioma, mas também entender e auxiliar nas diferenças culturais, o que é muito importante para o jogador se sentir à vontade fora do seu país. O tradutor acaba sendo uma figura muito importante para quem é estrangeiro porque, a partir do momento em que ele pisa em uma terra desconhecida, em um lugar em que ele nunca esteve, e conhece alguém que fala a língua dele, você acaba sendo a figura mais próxima para ele confiar e pedir ajuda. Temos que lembrar que aquela pessoa está confiando muito em você para ajudar em todas as questões que ela vai enfrentar no país - apontou Ga.


Ga contou como embarcou na primeira experiência como tradutora nos eSports, o trabalho mais "tranquilo" no clube carioca.

Postar um comentário

[facebook]

FlamengoResenha

{facebook#https://www.facebook.com/xresenhacrf} {twitter#https://twitter.com/FlaResenhaNews} {google-plus#https://plus.google.com/u/0/107993712547525207446} {youtube#https://www.youtube.com/channel/UCiHkjDj2ljgIbiv_zUvdG6g/videos}

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget