Flamengo cresce no jogo sob a generosidade do Corinthians

ANDRÉ ROCHA: O Flamengo de Abel Braga enfrentou Peñarol pela Libertadores e Corinthians na Copa do Brasil dentro de contextos favoráveis, mesmo fora de casa: o empate bastava em Montevidéu e não seria um mau resultado em Itaquera com o fim do gol "qualificado" como visitante no mata-mata nacional.

Porque o time rubro-negro depende dos espaços cedidos pelo adversário para acelerar e fazer a bola chegar aos seus talentos na frente. Com possibilidades ainda maiores de sucesso quando Abel simplifica o posicionamento inicial de seu quarteto ofensivo: Everton Ribeiro como o ponta articulador pela direita, Bruno Henrique do lado oposto, mas com liberdade para circular e infiltrar. De Arrascaeta circulando do meio para a esquerda e Gabriel Barbosa na frente para atacar a última linha da defesa do oponente.

Willian Arão comemorando gol do Flamengo contra o Corinthians - Foto: Alexandre Vidal
Por necessidade, o Corinthians cedeu as brechas. Com generosidade surpreendente para a identidade de solidez defensiva do tricampeão paulista. Inicialmente com Love mais próximo de Boselli, quase num 4-4-2 que tinha Mateus Vital e Clayson abertos e Ralf e Sornoza por dentro. Não funcionou pelo vazio no meio-campo e fez Fabio Carille retornar a um 4-2-3-1 mais nítido com Pedrinho pela direita, Jadson como meia central e Love avançado na referência. Sempre tentando adiantar e pressionar a marcação para dificultar a saída de bola "limpa" do Fla.

Mas enfrentando Rodrigo Caio e Cuéllar em outra noite de excelência, com e sem a bola, ficou bem mais difícil. O Flamengo superava a pressão inicial, trabalhava a bola e chegava rapidamente ao ataque. Terminou com 57% de posse, chegou a ter mais de 60%. Cresceu ainda mais quando Diego, descansado e com espaços pelo avanço gradativo do Corinthians, entrou e produziu mais que Arrascaeta. Belo passe do camisa dez para finalização de Bruno Henrique. depois um toque simples para o mesmo atacante colocar a bola na cabeça de Willian Arão. Gol único do clássico nacional em São Paulo.

A mais bem sucedida entre as quatro conclusões no alvo, em um total de dez, do time visitante que ainda precisa ser mais contundente. Contra o Peñarol foi ainda mais alarmante. Porque os espaços cedidos foram generosos. Quando é preciso criá-los a dificuldade fica ainda maior. Só que o Corinthians precisará ser ofensivo no Maracanã para reverter a desvantagem.  Considerando as sete conclusões, só duas na direção da meta de Diego Alves, a necessidade de progressos na produção ofensiva é urgente.

Já o time de Abel mostra evolução e o segundo jogo seguido sem sofrer gols com os titulares é ótima notícia. Sinal de que a proposta de jogo está menos aleatória e dependente apenas da qualidade individual. Com espaços tudo fica ainda mais claro para o Flamengo.

Já o time de Abel mostra evolução e o segundo jogo seguido sem sofrer gols com os titulares é ótima notícia.

Postar um comentário

[facebook]

FlamengoResenha

{facebook#https://www.facebook.com/xresenhacrf} {twitter#https://twitter.com/FlaResenhaNews} {google-plus#https://plus.google.com/u/0/107993712547525207446} {youtube#https://www.youtube.com/channel/UCiHkjDj2ljgIbiv_zUvdG6g/videos}

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget