Com Jesus, Fla pode voltar ao esquema tão criticado por Abel

UOL: Foi apenas um primeiro teste e com algumas adversidades, mas se o técnico Jorge Jesus mantiver a formação que iniciou o jogo-treino contra o Madureira, na manhã de ontem (29), na Gávea, o torcedor do Flamengo poderá ver, em breve, uma equipe titular que tenha, do meio para frente, todos os reforços da temporada até aqui. Esse era um ponto de discórdia com o técnico Abel Braga, que chegou a falar que tal escalação seria "time de índio".

O Flamengo iniciou o duelo com o Tricolor suburbano com o time considerado titular e uma formação em uma espécie de 4-1-3-2. Ou seja, tinha apenas um volante, três jogadores na linha do meio de campo e dois à frente, o que, com todos à disposição, pode ser que seja Cuéllar, Everton Ribeiro, Diego, Arrascaeta, Bruno Henrique e Gabigol.

Foto: Divulgação
Na atividade de ontem, Jesus não tinha à disposição o colombiano Cuellar e o uruguaio Arrascaeta, por conta da disputa da Copa América, e Everton Ribeiro, em recuperação de um problema no tendão calcâneo direito. Desta forma, Lucas Silva atuou pela direita e Vitinho pela esquerda, tendo Diego mais centralizado e fazendo a função de um segundo volante.

Enquanto técnico do Flamengo, Abel Braga adotou o 4-3-3, utilizando dois volantes, um meia e três jogadores à frente. Desta forma, Arrascaeta revezava com Diego e, vez por outra, Bruno Henrique. O fato de o uruguaio ser reserva gerou alguns protestos de torcedores.

Durante o Campeonato Carioca, após a partida contra o Boavista, em que terminou com um volante e cinco jogadores um pouco mais avançados, Abel apontou não ser impossível atuar desta forma, mas ressaltou riscos e chegou a brincar com uma enquete feita para saber a opinião da torcida em relação à escalação ideal.

"Já teve enquete aí da equipe do Flamengo e a equipe que o pessoal quer é aquela que... Parece equipe de índio [todo mundo ataca]. É possível? É. Vai correr risco? Vai. Vai ter alguns problemas sem a bola? Vai, mas vai criar também para os adversários. Não é impossível jogar desta maneira que terminou, mas não pode desorganizar. Tem de saber que, sem a bola, tem funções a cumprir", disse, na ocasião.

Em entrevista coletiva após o triunfo sobre o Madureira, Diego citou essa obediência tática e intensidade pedidas por Jorge Jesus.

"É um sistema que já joguei em outras equipes, na forma de jogar. Logo que perder a bola, temos de estar sempre próximos. Isso requer atenção e reatividade constantes. Esse tipo de situação é algo que temos de estar ligados e, com o tempo, vai ser mais automatizado. Intensidade com e sem bola é algo que temos de estar atentos, que ele (Jesus) tem pedido muito", apontou.

O Flamengo iniciou o duelo com o Tricolor suburbano com o time considerado titular e uma formação em uma espécie de 4-1-3-2.

Postar um comentário

[facebook]

FlamengoResenha

{facebook#https://www.facebook.com/xresenhacrf} {twitter#https://twitter.com/FlaResenhaNews} {google-plus#https://plus.google.com/u/0/107993712547525207446} {youtube#https://www.youtube.com/channel/UCiHkjDj2ljgIbiv_zUvdG6g/videos}

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget