Convicção de Jesus e displicência de Diego na queda do Flamengo

GLOBO ESPORTE: Jorge Jesus definiu em recente entrevista coletiva que um time do tamanho do Flamengo devia entender que faz parte correr riscos. E foi exatamente por corrê-los mesmo quando não era necessário que o português viu a equipe perder uma das três vidas que restavam na temporada diante de quase 70 mil torcedores no Maracanã.

A ineficiência na disputa por pênaltis - a começar pela displicência do capitão Diego - castigou um Flamengo que não abriu mão da agressividade apesar da atuação oscilante e foi eliminado por um bem organizado e cirúrgico Athlético-PR nas quartas de final da Copa do Brasil. O gol do Furacão no empate por 1 a 1, na noite de quarta-feira, surgiu de um impensável vazio nas costas da defesa do time que ganhava em casa um mata-mata após os 30 do segundo tempo. Lição de que um estilo de jogo também deve saber adaptar-se ao clichê do "regulamento debaixo de braço".

Foto: Divulgação
Por mais que tivesse o domínio das ações (63% x 37% em posse de bola), o Flamengo tinha dificuldades para verticalizar as jogadas contra o bem postado time de Tiago Nunes, principalmente ao trocar o lesionado Arrascaeta por um apagado Vitinho. Com exceção da pressão logo nos minutos iniciais - boa parte ainda com o uruguaio em campo -, os donos da casa tiveram extrema dificuldade de levar perigo ao gol de Santos.

Refeito da marcação intensa na saída de bola, quando o Flamengo assustou com o próprio Arrascaeta e duas vezes com Lincoln, o Athlético soube fazer do jogo de perde e ganha no meio de campo uma arma para diminuir o ritmo. Quando não era possível, picotava com faltas, a maioria delas ainda na intermediária ofensiva, o que enervou não só o time de Jorge Jesus, mas também a torcida. Estratégia que contou com a conivência de Wilton Pereira Sampaio e deu certo no primeiro tempo.

Encaixotado entre as linhas de marcação do Athlético, o Flamengo perdia fôlego, se distanciava e apelava para bolas aéreas sem sucesso na volta do intervalo. Até que a surpreendente entrada de Berrío no centro de ataque recuperou a intensidade tão cobrada por Jorge Jesus e levou o time ao primeiro gol. Vitinho abriu espaço ao despachar Jonathan com o que tem de melhor (o mano a mano), Everton Ribeiro escorou, e o inquieto Gabigol surgiu por trás da zaga para escorar: 1 a 0.

Seria o cenário perfeito para o Furacão sair para o jogo e o Flamengo abrir o campo, explorando a velocidade de seus atacantes e a capacidade de criação de Everton Ribeiro. Seria, mas não foi. Mesmo em vantagem, o Rubro-Negro carioca não abriu mão da marcação alta, não abriu mão da linha defensiva alta, e quem encontrou espaços para a rapidez de seus homens de frente foi justamente o Athlético.

Por convicção, o Flamengo apertou a saída de bola, e em dez segundos viu o chute para frente de Léo Pereira resultar em arrancada de Rony até ficar na frente de Diego Alves para empatar. Neste percurso, Rafinha deu bote errado ao tentar antecipar o próprio Rony e não teve cobertura após Marco Ruben fazer o pivô para Bruno Nazário acionar o camisa 7 em suas costas.

Golpe forte demais não só para um Maracanã que se calou, mas também para o time que não se encontrou mais e chegou pressionado para disputa por pênaltis. Pressão agravada pela péssima cobrança de Diego, o capitão, displicente e no meio do gol. Fácil para Santos.

O goleiro ainda viu Vitinho isolar e defendeu o chute de Everton Ribeiro antes de Bruno Guimarães dar a classificação a um Athlético. Vaga justa para um time que soube ser organizado e dançar conforme a música, como pedem os mata-matas.

O português viu a equipe perder uma das três vidas que restavam na temporada diante de quase 70 mil torcedores no Maracanã.

Postar um comentário

[facebook]

FlamengoResenha

{facebook#https://www.facebook.com/xresenhacrf} {twitter#https://twitter.com/FlaResenhaNews} {google-plus#https://plus.google.com/u/0/107993712547525207446} {youtube#https://www.youtube.com/channel/UCiHkjDj2ljgIbiv_zUvdG6g/videos}

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget