Flamengo de Jorge Jesus oscila, mas mostra muitas ideias

GOAL: Por Bruno Guedes - @brguedes

A estreia do técnico Jorge Jesus não foi como muitos sonhavam em termos de resultado, mas mostrou como o português pode e vai ajudar o Flamengo. Em um grande jogo contra o Athletico-PR, em Curitiba, ideias não faltaram e muito menos ousadia. Com apenas 20 dias de trabalho, o time demonstrou novos comportamentos com e sem a bola, algo que não tinha antes da sua chegada.

Os primeiros trinta minutos do Rubro-Negro na Arena da Baixada mostraram uma equipe ansiosa e com muitas tomadas de decisões erradas. A defesa alta e a organização, marcas do Jorge Jesus por onde passou, foram os destaques. Por conta disso, o Athletico, muito bem treinado pelo técnico Tiago Nunes, forçou bolas longas e ligações diretas tentando pegar jogadores em velocidade. Por duas vezes quase conseguiram.

Arrascaeta, do Flamengo, contra o Athletico-PR - Foto: Alexandre Vidal
Por conta desse posicionamento defensivo, Arrascaeta e Vitinho precisaram voltar bastante para recomposição com Renê e Rodinei, respectivamente, pelos lados do campo. Ainda sem esses hábitos, ambos meias-atacantes foram mal no primeiro tempo. Tanto no ataque, quanto na defesa.

Sobrecarregaram o volante Cuéllar, que por isso saiu para que o time ganhasse maior circulação da bola. Jesus então foi ousado, colocando apenas Arão como volante de origem. Porém, o buraco que ficava à frente do sistema defensivo desapareceu. Problema crônico na época do Abel Braga, agora o 4-4-2 sem a bola posicionou as linhas de forma com que o Athletico tivesse apenas os lados do campo para a criação.

Na saída de bola manteve a postura de adotar ideias bastante próximas à Lavolpiana. É quando um volante fica entre os dois zagueiros, inicia a transição pro ataque e libera os dois laterais para fazerem a amplitude pelos lados. Essa ideia é muito usual na Europa, quando o técnico tenta "alargar" a equipe no campo do adversário, forçando a abrir a defesa e achar espaços.

Ofensivamente, Flamengo fez bastante um 3-3-4, com dos extremos bem abertos. Os laterais ou os meias pelos lados faziam essa tarefa, empurrando Gabigol e Bruno Henrique por dentro. Gabriel, aliás, perdeu duas chances decisivas desta maneira.

O Athletico teve 17 finalizações e 4 na direção do gol. Já o Flamengo teve 9 e com as mesmas 4 chances para defesa do goleiro. Tais números mostram como a objetividade aumentou.

Foi a primeira partida. Não se pode tomar conclusões para o bem ou para o mal. A tendência é a melhora. Ideias há. Trabalho também. E depois dessa boa estreia, a torcida se animou.

Ofensivamente, Flamengo fez bastante um 3-3-4, com dos extremos bem abertos.

Postar um comentário

[facebook]

FlamengoResenha

{facebook#https://www.facebook.com/xresenhacrf} {twitter#https://twitter.com/FlaResenhaNews} {google-plus#https://plus.google.com/u/0/107993712547525207446} {youtube#https://www.youtube.com/channel/UCiHkjDj2ljgIbiv_zUvdG6g/videos}

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget