Jorge Jesus ensaia futebol em vertigem no Flamengo

RODRIGO MATTOS: O primeiro jogo do Flamengo sob o comando de Jorge Jesus entregou o que se esperava dele: um futebol em vertigem que deixa o torcedor rubro-negro carioca com o coração na boca, na defesa e no ataque. O sistema ensaiado é ofensivo, acelerado, intenso, bem oposto das ideias de antecessores.

Como o rival Athletico de Tiago Nunes é um time também vertical, o resultado foi uma partida em que a bola não parava, e um jogo que o torcedor não podia abandonar a sala para pegar uma cerveja. Foram mais de 20 finalizações, com a impressão clara de que a qualquer momento poderia sair gol.

Obviamente, o Athletico, construído há um ano, era um time melhor organizado e consolidado do que o Flamengo, um ensaio de 20 dias de Jesus. Por isso, foi o time paranaense que sufocou o rival a maior parte do tempo, seja com as bolas longas do primeiro tempo, seja ao empurrar o time carioca para sua área no segundo.

Jorge Jesus no Flamengo - Foto: Divulgação
A novidade era o Flamengo. O time apresentado por Jesus tinha uma marcação alta como nunca, 4-4-2 como há muito não jogava (ou 4-1-3-2 no ataque), defesa em linha e avançada, jogo acelerado com a bola sem posse excessiva. Uma ideia diferente da equipe que controlava a posse em 2018, ou da proposta meio reativa, meio disforme de Abel Braga.

Só que isso exige tempo para ser construído. A linha de defesa do Flamengo dava enormes espaços, especialmente nas costas dos laterais. Havia um problema porque Vitinho e Arrascaeta não conseguiam cumprir a função de ajudar os laterais, e Rodinei estava perdido em sua posição.

Outras questões eram as ausências de Diego e Everton Ribeiro, sem condições físicas plenas para começar, com a entrada de Arão como segundo volante, e Arrascaeta aberto na esquerda, e Vitinho na direita. Sem os dois meias, o time rubro-negro fica naturalmente mais desorganizado, e o novo sistema acentuou essa questão. Foi acaso o Flamengo sair com o empate no primeiro tempo.

Após o intervalo, o gol atleticano parecia que daria o time local uma vantagem maior com o tempo. Só que o Flamengo reagiu com o gol de Gabriel e com as voltas de Diego e Everton. Um deles entrou no lugar de Cuellar com Arão passando a primeiro volante, uma substituição que revela mais a mudança do Flamengo, agora ofensivo. E teve um período de predomínio no jogo, jogando bem vertical nas costas da defesa atleticana.

Mas o Athletico voltou a se impor como o melhor time em campo, e Jesus, ao final, resolveu se acomodar com mais um volante em Piris da Motta para garantir o empate. É um Flamengo em transição, nem é o time de Abel, e ainda caminha para ser o de Jesus. Se vai dar certo ou não, veremos no futuro. Certo é que o torcedor rubro-negro pode esperar ter a sensação frequente de vertigem. E isso é bem melhor para a modorra que às vezes domina os campos nacionais.

PS: Sobre os lances de arbitragem, o juiz errou ao não marcar mão de Diego Alves fora da área, que, na minha opinião, não seria para expulsão. Não está claro que Cirino dominaria a bola pois ele não a controlava para ser uma chance clara de gol. De resto, acertou com ajuda do VAR em lance interpretativo na falta em Rodrigo Caio, antes de pênalti em Cirino.

Obviamente, o Athletico, construído há um ano, era um time melhor organizado e consolidado do que o Flamengo.

Postar um comentário

[facebook]

FlamengoResenha

{facebook#https://www.facebook.com/xresenhacrf} {twitter#https://twitter.com/FlaResenhaNews} {google-plus#https://plus.google.com/u/0/107993712547525207446} {youtube#https://www.youtube.com/channel/UCiHkjDj2ljgIbiv_zUvdG6g/videos}

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget