Não se planeja temporada por mata-mata

BLOG DO RODRIGO MATTOS: Maiores receitas do Brasil, Flamengo e Palmeiras iniciam todas as temporadas com a obrigação de conquistar títulos. E não é incomum que seus técnicos optem por times principais nos mata-matas, e poupem no Brasileiro. Mas as quedas das duas equipes na Copa do Brasil mostram que não se planeja temporadas pensando em torneios eliminatórios.

Primeiro, ressalte-se que Athletico-PR e Internacional mereceram as suas vagas nas semifinais. O time paranaense foi melhor em Curitiba, e pelo menos resistiu ao domínio do Flamengo no segundo jogo. De saldo equilibrado, foi superior nos pênaltis.

Já o Inter jogou melhor no segundo jogo diante do Palmeiras e ainda teve um gol bizarramente anulado pelo VAR, de Cuesta, tento que lhe daria a vaga sem pênaltis. Ou seja, as vagas refletiram o que ocorreu em campo.

Berrio em Flamengo x Athletico-PR - Foto: Alexandre Vidal
Por que? Não há desnível grande no futebol brasileiro, embora exista, sim, elencos mais talentosos e fartos como os rubro-negros e palmeirense. Nos pontos corridos, esses grupos mais qualificados pesam. Nos mata-matas, é muito mais fácil igualar a disputa quando se têm times consolidados e bem treinados como Inter e Athletico-PR.

Talvez faça sentido planejar a temporada pensando em mata-matas quando se tem um time sem corpo suficiente para disputar o Brasileiro. Não quando se tem o grupo mais forte como Flamengo e Palmeiras que podem apostar no campeonato mais previsível – talvez o Grêmio também se encaixe nesta tese.

Ainda assim, no ano passado, o Palmeiras ganhou o Nacional no ano passado apesar de ter apostado mais nas Copas onde escalava o seu time principal. E o mesmo fez o Flamengo quando houve um aperto em 2018.

Neste ano, mais uma vez, o ex-técnico rubro-negro Abel Braga pensava em botar reservas no Brasileiro pela Copa do Brasil, o que inclusive gerou conflito com a diretoria que deu instrução contrária. O técnico foi demitido e o clube refez sua temporada na janela com Jorge Jesus estreando no mata-mata. Felipão segue sendo mais copeiro do que fã dos pontos corridos apesar da liderança do Nacional.

Lembremos que ambos os times já eram os mais ricos em 2018 e ficaram nas semis da Copa do Brasil. O torneio, competição de maior premiação para os times brasileiros, deu portanto mais uma lição aos clubes mais ricos do país de que dinheiro não é tudo na imprevisibilidade de seus 180 minutos.

E o mesmo fez o Flamengo quando houve um aperto em 2018.

Postar um comentário

[facebook]

FlamengoResenha

{facebook#https://www.facebook.com/xresenhacrf} {twitter#https://twitter.com/FlaResenhaNews} {google-plus#https://plus.google.com/u/0/107993712547525207446} {youtube#https://www.youtube.com/channel/UCiHkjDj2ljgIbiv_zUvdG6g/videos}

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget