Compare as receita dos clubes com a do Flamengo em 2020

BLOG DO RODRIGO MATTOS: Após um ano de gastança em 2019, os clubes brasileiros preveem desacelerar os custos com seus departamentos de futebol e apostam fortemente na venda de atletas para fechar as contas. A exceção é o Flamengo, maior receita do país, que estima maior gasto com salários, embora menos investimento em contratações. Houve um descolamento entre o clube rubro-negro e o palmeirense em termos de dinheiro para o futebol com a decisão da diretoria alviverde de priorizar pagamentos de dívidas.

Um dado preocupante dos orçamentos dos clubes brasileiros são as previsões altas de vendas de jogadores. No ano passado, houve queda na arrecadação com negociações o que gerou buracos nas contas no final do ano. Ou seja, ao repetir essa estratégia, os times se arriscam a novos déficits.

Escudo do Flamengo na Gávea - Foto: Divulgação
Se Flamengo e Palmeiras seguem como os mais ricos, a outra ponta vê Botafogo e Cruzeiro em situações complicas e ainda sem orçamentos completamente estruturados para o ano. Rebaixado, o clube mineiro informou em nota ter R$ 80 milhões de orçamento (sem deixar claro se é a receita total ou o recurso disponível após excluir adiamentos). Isso representa um décimo da dívida estimada cruzeirense de R$ 800 milhões.

Um clube que está em ascensão no futebol brasileiro é o Bahia. Sua receita prevista de R$ 179 milhões já encosta nos clubes cariocas como Fluminense e Botafogo, sendo que o time baiano tem mais dinheiro para investir no elenco por ter dívidas mais equacionadas.

A quantidade de informação disponível por clube depende de quanta transparência tem cada um deles. Alguns divulgaram os orçamentos em seus sites ou foi possível obter os documentos. Outros não têm estimativas públicas, nem informam os dados do ano. Veja abaixo a situação de cada um.

Atlético-MG
O Galo prevê uma receita de R$ 388 milhões para 2020, que seria suficiente para um pequeno superávit de R$ 2 milhões. O problema é que, para atingir este número, o clube mineiro precisa ganhar R$ 100 milhões em vendas de jogadores. Como se verificou no ano de 2019, não está fácil para os clubes atingirem estimativas altas de negociações de atletas, já que houve queda na procura por atletas brasileiros. Em relações a contratações, o Galo previa R$ 20 milhões, patamar que já foi levemente ultrapassado com Borrero e Allan. Sem Libertadores, o Atlético-MG ainda assim espera R$ 58 milhões entre bilheteria e premiação em competições.

Cruzeiro
Rebaixado e na maior crise financeira de sua história, o Cruzeiro ainda organiza seu cofre para a temporada, mas as perspectivas são tenebrosas. Em nota oficial na semana passada, a gestão provisória do clube falou em um orçamento de R$ 80 milhões contra R$ 350 milhões recebidos em 2019. A maior causa disso é por conta de agora só manter as receitas de Pay-per-view do Brasileiro da Série A, perdendo contratos de TV Aberta e Fechada na Série B. Não foi explicado se o valor de R$ 80 milhões se refere a receita bruta ou ao caixa disponível, visto que o clube antecipou várias receitas. Certo é que o time deve enfrentar um ano de asfixia financeira.

Grêmio
O tricolor gaúcho previu R$ 341 milhões de receitas para a temporada, valor R$ 40 milhões abaixo de 2019. Mas é preciso ressaltar que o clube gaúcho faz orçamentos conservadores sem prever avanços em fases que não estão garantidas da Libertadores e da Copa do Brasil, ou seja, em geral recebe mais do que o previsto inicialmente. Sua estimativa de venda de jogadores é bem alta com um total de R$ 88 milhões, o que pode indicar a necessidade de negociar Everton Cebolinha em algum momento. O clube mantém suas finanças equilibradas depois de reduzir a dívida e não prevê grandes saltos de investimento. Seu custo de atividade esportiva está em R$ 258 milhões, bem razoável para o montante de receita.

Internacional
O clube colorado se mostrou mais otimista do que o Grêmio em sua previsão de receitas: um total de R$ 397 milhões. Assim como o rival, terá de vender um valor significativo em jogadores - R$ 95 milhões - para atingir esse montante. O clube prevê receitas de televisão maiores do que o tricolor, com um total de R$ 135 milhões contra R$ 120 milhões. É possível que esteja aí indicado valores de premiações por etapas na Libertadores e Copa do Brasil. O custo de atividade esportiva é bem similar ao rival com R$ 256 milhões. A questão é que, como tem um passivo maior e portanto pagamentos de dívidas a serem feitos, o Inter prevê um déficit de R$ 13,6 milhões.

Botafogo
O clube passa por um período de transição para sua formatação da sua empresa para gerir o futebol que deve durar até o final do Carioca. As dívidas oficiais estavam na casa dos R$ 750 milhões. A apresentação do projeto do clube-empresa feita ao Conselho, no entanto, apontou que podem chegar a R$ 1 bilhão. Neste cenário, e ainda sem todos os investidores fechados, a diretoria do Botafogo previu uma redução na folha salarial que ficaria em apenas R$ 1 milhão para o futebol. A mudança dessa realidade depende da confirmação de investimentos no clube-empresa.

Flamengo
Pelo segundo ano o clube rubro-negro apresenta a maior previsão de receita do ano com um total de R$ 726 milhões. Para isso, no entanto, o clube colocou metas ousadas como chegar à semifinal da Libertadores. Assim, a arrecadação com televisão e prêmios chegaria a R$ 282 milhões. Há uma previsão de aumento geral de 16% das receitas recorrentes (sem negociações). A estimativa do clube é de vender R$ 80 milhões em jogadores, valor que será superado com folga a se confirmar a negociação de Reinier para o Real Madrid. Estão previstos outros R$ 138 milhões para contratações sendo a maior parte destinado à compra de Gabigol da Inter de Milão. Também está previsto um crescimento nos gastos com pessoal e direitos de imagem que somarão R$ 329 milhões, quase R$ 50 milhões a mais do que em 2019.

Fluminense
Ainda não existem dados do orçamento do tricolor carioca. A situação do clube continua apertada, mas houve avanços em algumas áreas. Foram pagos salários atrasados durante o primeiro período do presidente Márcio Bittencourt no clube, assim como foi feito um acordo com a Procuradoria Geral da Fazenda para regularizar a dívida fiscal.

Vasco
O clube cruzmaltino fez uma previsão de receita bem ousada com R$ 324 milhões. Há sérios desafios para se atingir esse valor. Primeiro, há uma estimativa de cerca de R$ 20 milhões de doações para o CT do clube. Além disso, o clube prevê R$ 44 milhões com o sócio-torcedor que teve um recente boom e atingiu 180 mil associados. Para isso, o clube tem que manter a fidelidade de quem entrou no final do ano. Outro desafio é vender R$ 64 milhões em atletas. O custo de atividade esportiva é bem baixo com R$ 86 milhões, o que, se cumpridos os itens de receita, permitiria um superávit de R$ 154 milhões. A questão é que com a saída do ex-vice de finanças vascaíno João Amorim é preciso observar se será mantida a austeridade, assim como se o clube conseguirá, enfim, pagar em dia salários.

Corinthians
Foi feito um orçamento com efetiva redução de custo da atividade esportiva, principalmente em salários. Há uma previsão de R$ 277 milhões para os gastos com futebol, R$ 60 milhões a menos do em 2019. É preciso saber se o clube vai cumprir essa meta já que estourou suas despesas no item no ano passado. A estimativa de receita bruta é de R$ 427 milhões, valor que inclui a bilheteria que não entra efetivamente no caixa corintiano por ser usado para pagar a dívida da Arena. Não foi incluído neste valor venda de jogador. O clube prevê despesas de R$ 53 milhões em compra de direitos federativo e amortizações de contratos. Ou seja, nem tudo vai para contratações. O clube estima déficit de R$ 21 milhões, o que repetirá mais um buraco como já aconteceu em 2019 - o número ainda não está fechado. Assim, a dívida deve crescer mais uma vez.

Palmeiras
Depois de um ano de gastança com contratações, o Palmeiras botou o pé no freio e foca na redução de dívidas na atual temporada. A receita continua a ser a segunda mais alta do Brasil, com R$ 600 milhões, pouco abaixo do que deve ser o número de 2019. O item venda de jogadores estima R$ 60 milhões, número bem plausível de ser alcançado já que o clube vendeu Arthur ao Red Bull por quase metade disso. A redução com pessoal prevista é de 14% o que explica a política de desinchar o elenco palmeirense. Há uma previsão de R$ 30 milhões para contratação, valor que deve ter incremento se forem feitas vendas acima do esperado.

São Paulo
O time do Morumbi prevê uma receita total de R$ 516,8 milhões. Mas, para isso, terá de negociar R$ 154 milhões em jogadores, o que é o maior número entre todos os grandes clubes brasileiros. É preciso lembrar que o São Paulo também botou uma estimativa alta de negociações para 2019 e não conseguiu cumpri-la, gerando um déficit que deve ultrapassar R$ 100 milhões. Há uma previsão de R$ 26,8 milhões em redução de salários.

Santos
Após duas revisões, o Santos fechou a previsão de receita em R$ 249 milhões. Isso porque a diretoria chegou a prever mais de R$ 100 milhões em negociações de jogadores, mas o Conselho Fiscal vetou. O número final ficou em R$ 69 milhões. Há uma estimativa de que o clube tenha um superávit de R$ 35 milhões. No geral, o Santos deve investir pouco em contratações e manter as despesas controladas porque não tem uma situação financeira confortável.

Bahia
O clube baiano segue sua escala de aumento paulatino de receitas: a previsão agora é de R$ 179 milhões para 2020. Esse número o aproxima de clubes cariocas como o Fluminense e Botafogo. Um dos trunfos do Bahia é seu sócio-torcedor que estima gerar R$ 27 milhões ao atingir um total de 50 mil associados. A receita de tv é de R$ 68,5 milhões. O custo de atividade do futebol está estimado em R$ 121 milhões, o que é, por exemplo, um gasto maior do que o Vasco.

Se Flamengo e Palmeiras seguem como os mais ricos, a outra ponta vê Botafogo e Cruzeiro em situações complicas.

Postar um comentário

[facebook]

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget