Avó de vítima de tragédia celebra casa própria e elogia Flamengo

EXTRA GLOBO: Diogo Dantas

Vitor Isaias completaria 16 anos no dia 1 de janeiro de 2020. Pouco antes de deixar o bairro Bom Viver, no município de Iguaçu, em Florianópolis, para se apresentar ao Flamengo, um dos últimos diálogos durante as férias com a avé e tutora, Dona Josete, foi sobre o carro que ele pretendia comprar para ela, simples, mas com ar-condicionado.

Um ano depois do incêndio no CT Ninho do Urubu, a representante legal do jovem usou o dinheiro do acordo de indenização pago pelo clube para comprar uma caminhonete e a casa própria no bairro. A decisão de aceitar o valor de cerca de R$ 1,2 milhão do Flamengo, que ainda paga uma pensão mensal, aconteceu em outubro de 2019. Dona Jô veio ao Rio e decidiu, como ela mesmo diz, encerrar a sua "agonia".

Foto: Divulgação
- Dia 1 de janeiro ele fez 16 anos. E determinei que deixaria a alma dele em paz. Pedi perdão a Deus, só ele quem sabe. A dor nunca vai passar, mas foi uma coisa que eu aceitei, não estava aceitando. Hoje eu sei que posso ser feliz, é isso que meu filho quer ver lá - afirma, orgulhosa de ter deixado de morar de aluguel e ter um carro zero na garagem.

- Eu estou em paz. Antes dizia pra todo mundo que eu não era feliz, mas o sonho dele foi realizado para mim. Morava de aluguel, e em outubro comprei minha casa e meu carro. A minha vida vai continuar, apesar de eu achar que não, pois pensava em me destruir - completa.

Casa e carros comprados pela mãe de Vitor Isaias Foto: Divulgação
Desde os três anos de idade, a avó cuida do neto, fruto de um relacionamento do filho com uma mulher da mesma família. O casal não ficou junto e decidiu não assumir a criança, no que Dona Josete pediu a guarda. Toda a negociação com o Flamengo a tratou como responsável legal pelo atleta. Mesmo assim, após o acordo, ela decidiu doar uma quantia para os pais de Vitor Isaias, que nunca apareceram para reivindicar nada junto ao clube.

As consequências da perda foram todas de Dona Josete, que recebeu a notícia da perda do filho quando ajudava o cunhado internado no hospital do câncer. Antes de Vitor Isaias, já havia perdido o marido, que era considerado avô pelo menino. Antonio Carlos infartou dia 9 de fevereiro de 2015. Depois, casou-se novamente. A tragédia a fez recorrer a psicólogo e psiquiatra. E a remédios fortes que já começou a largar.

- Tomo ainda uma vez por dia - conta.

Depois de aceitar o acordo, as conversas com os pais das demais vítimas cessaram. Mas Dona Josete alega ter sido bem tratada pelo Flamengo, embora não tenha recebido nenhuma ligação desde que aceitou o valor proposto.

- Desde o primeiro dia fui muito bem tratada, não posso reclamar. Houve crítica sobre uma homenagem, procurar e ligar, saber da família, mas sei que é muita coisa. Se abrir a porta para um o outro vai querer também. Eles tem vontade de fazer muita coisa, mas tem muito pai que não aceita. Só criticar é fácil - defende.

Segundo a avó de Vitor Isaias, o incêndio foi uma fatalidade. E não há como saber se o jovem tornaria-se atleta profissional.

- As pessoas querem muito, mas não sabemos se os meninos iam continuar a carreira. Foi uma fatalidade. Quando fiz o acordo na mesa, chorando, pensei que íamos esperar anos para nossos filhos darem algo pra nós.

Neste sábado, Dona Jô fará a missa em homenagem ao filho em sua cidade, como de costume ao longo dos últimos meses. Ela não virá ao Rio.

A decisão de aceitar o valor de cerca de R$ 1,2 milhão do Flamengo, que ainda paga uma pensão mensal, aconteceu em outubro de 2019.

Postar um comentário

[facebook]

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget